[ editar artigo]

A origem e evolução do Biogás rural no Paraná

A origem e evolução do Biogás rural no Paraná

Até meados de 1987 houve uma expansão acelerada rural no Paraná, contribuindo fortemente para a utilização do biogás no segmento por volta de 1979.

Nesse período ocorreram várias capacitações com o repasse de informações sobre o tema ao agricultor, possibilitando ao mesmo conhecer o método de extração do biogás e sua utilização em vários aspectos como aquecimento de água e uso do biofertilizante natural, além de transformar os resíduos em nova matéria-prima para outros processos.

Nos anos 1990 e 2000 o biogás ganhou força como alternativa para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) por meio do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e os Créditos de Carbono que possibilitou recursos, principalmente, para propriedades rurais com criação de suínos para produção de biogás, novos biodigestores foram instalados. Estima-se que aproximadamente 1.000 biodigestores foram instalados no Brasil neste período.

2008 foi considerado o ano da Energia Limpa! Além da criação e adequação de resoluções, normativas e pareceres para fomentar e validar a construção de um Ambiente de Negócios favorável à sua estruturação no estado houve também a construção de Casos de Sucesso. Estes, referência hoje como modelo de negócios, apresentam a transformação de resíduos de um passivo ambiental em um ativo econômico que, junto a outras ações impactaram no desenvolvimento da regulação da mini e micro geração de energia elétrica.

No ano de 2013 houve um grande avanço em pesquisas realizadas em Universidades Estaduais para o tratamento de dejetos, principalmente de suínos e aves. Contribuindo com esse movimento, a criação da Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (OCEPAR) fomentou o crescimento cooperativista, influenciando fortemente a utilização do Biogás nos setores agroindustriais, sendo de suma importância para que o setor se desenvolvesse consideravelmente.

Atualmente o Paraná expande o desenvolvimento de elaboração de políticas públicas e ações estratégicas para que o Biogás seja efetivo não só para grandes players, mas também para o pequeno produtor. É fundamental a realização de investimentos nesse setor para que o agricultor (que está na ponta do processo) possa usufruir das estratégias criadas, reduzindo custos e gerando impacto na lucratividade.

 

Fonte: BIASI, A.F. et al. Energias Renováveis na área rural da região sul do Brasil. 1. ed. Foz do Iguaçu: Itaipu Binacional, 2018. 202 p.

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você