[ editar artigo]

A internacionalização das empresas de pequeno porte

A internacionalização das empresas de pequeno porte

A internacionalização de empresas brasileiras é resultado de um longo processo econômico, onde medidas governamentais buscaram incentivar os negócios de exportação. Ao final da década de 90 no século XX e início do século XXI, o governo brasileiro adotou medidas de incentivo às exportações, beneficiando às empresas em termos fiscais e creditícios.

Isso resultou no aumento da participação de empresas no mercado externo. Houve medidas de livre comercio como a redução de tarifas de importação e a eliminação de barreiras não tarifárias que favoreceram a aceleração do crescimento econômico. Com a estabilização da economia trazida pelo Plano Real em 1994, houve a valorização da moeda brasileira o que impulsionou as importações. 

E com o surgimento do falido MERCOSUL, em 1991, houve um grande impulso para que as empresas de pequeno porte entrassem no mercado internacional. Mas, a exposição ao risco da oscilação cambial trouxe algumas experiências mal sucedidas. A variável cambial no Brasil, ora incentiva as exportações e em outros momentos estimula às importações. Atualmente de produtos de consumo fabricados na China.

A internacionalização das empresas brasileiras, especificamente as de pequeno porte é um fato ainda sem uma tendência clara e definida.

Segundo a pesquisa do SEBRAE realizada em agosto de 2019, mais de 40% das empresas exportadoras brasileiras são micro e pequenas empresas. São aproximadamente 8 mil micro e pequenas empresas (MPE) brasileiras que buscaram o mercado externo para comercializar seus produtos. São 8,3 mil exportadoras, 47,1% são do ramo industrial, seguido pelo ramo comercial e setor agropecuário. Os pequenos negócios do setor serviços representam 1,1%.

Essa mesma pesquisa mostra que os produtos ofertados tem uma boa aceitação nos mercados internacionais. Entretanto, há algumas dificuldades que as empresas e os empresários precisam superar para aumentar esses números.  Alguns obstáculos como a excessiva burocracia e a complexidade da logística e entre outros.

Também estão presentes variáveis organizacionais e comportamentais como o desenvolvimento da cultura exportadora, a capacitação dos empreendedores, as expectativas sobre as exportações e a motivação para exportar.

É preciso superar uma série de obstáculos para os quais os pequenos negócios não estão, normalmente, preparados. O resultado é que a participação das pequenas empresas no conjunto das exportações brasileiras ainda é muito restrita.

Entre os empresários entrevistados na pesquisa identificou-se que o critério para a escolha dos países importadores é uma demanda pré-existente e em poucos casos houve uma prospecção planejada. A decisão foi baseada na verificação da aceitação do produto.

Acompanhando empresas que fazem comércio internacional, seja na exportação ou na importação, o que ainda deve ser focado é o conhecimento necessário sobre o tema dos negócios internacionais. São algumas variáveis como a negociação internacional, o processo administrativo, os meios de pagamentos e etc.

É necessário incentivar as empresas a se tornarem internacionais. Fatalmente nessa ação os governos ainda tem muitas tarefas a cumprir e que incentivem a exportação. É a desburocratização e a diminuição do custo Brasil. Isso levará a um aumento da competitividade do produto brasileiro.

E da parte das empresas, devem pesquisar mais os mercados internacionais, praticar o marketing internacional, o fortalecimento da marca etc. Planejar e organizar os custos para formar preço de venda, competitivo. E, aperfeiçoar o know-how internacional.

Lembre-se que exportar não é vender para mercados externos. Exportar é uma estratégia de marketing que levará à expansão dos mercados.

 

 


Fonte: https://dcomercio.com.br/categoria/negocios/mais-de-40-das-exportadoras-brasileiras-sao-micro-e-pequenas

 

Blog

Comunidade Sebrae
JOSE JOAQUIN CACERES
JOSE JOAQUIN CACERES Seguir

 Economista  Consultor de Negócios Internacionais  Consultor em Finanças Corporativas  Ministrante de Cursos de Capacitação Empresarial  Palestrante sobre Planejamento e Gestão Financeira  Professor universitário: ensino presencial e EAD

Ler conteúdo completo
Indicados para você