[ editar artigo]

Afinal, por que empreendemos?

Afinal, por que empreendemos?

 

Empreendedorismo no Brasil

É fato que o empreendedor brasileiro passa por uma verdadeiro “MBA”, onde é testado em todas as dificuldades possíveis a um níveo extremo. Para complementar, passamos por um período nunca visto na história coorporativa de nosso país, afinal, não se trata de uma crise apenas, mas da impossibilidade (para a maioria das empresas) de abrir suas portas.

Diante de tais fatos a grande questão que se estabelece ao microempresário é o por que empreender em um terreno tão inóspito e diante de tantas incertezas ainda atrai tantas pessoas.

 

...o exercício da empresa também deve cumprir uma função social...

 

Função Social 

O Art. 5º, XXIII da Constituição Federal de 1988 destaca que o exercício da empresa também deve cumprir uma FUNÇÃO SOCIAL, que na prática se manifesta na criação de empregos, pagamentos de tributos, geração de riqueza e contribuição para o desenvolvimento econômico e Social. Desta forma, não é só uma questão de lucro, empreender é colaborar com o desenvolvimento da nação, é ser parte de uma gama de pequenos empreendedores que geram empregos e riqueza ao país.

Sendo assim, quando de alguma forma alguém aspira empreender, tem que ter a noção específica que ira trabalhar muito, ficar sem dormir em alguns momentos, ser o primeiro a chegar e o último a sair e principalmente, terá que estudar, estudar e estudar, mas, o anseio de ver sua empresa dar certo, de ser parte do desenvolvimento da nação é o motor propulsor para se continuar mesmo diante de tantas incertezas.

 

O que nos move?

O que nos move com certeza não é ostentar a palavra “empresário” no currículo, não é a riqueza a curto prazo, mas a real intenção de se ter sucesso, de ver a sua criação crescer, se desenvolver e dar certo, afinal, além da função social é claro que o lucro é o objetivo final, mas não simplesmente por valor, mas por estrutura, por reconhecimento e principalmente pelo respeito das pessoas com nossa nossa marca.

Então como resposta, empreendemos pelo sonho, pela garra e pela função social da empresa no crescimento do nosso querido Brasil, seja nos empregos, nos tributos ou na criação de riqueza.

Sonhe, brigue, persista, mas nunca avalie o seu sucesso baseado apenas no lucro, se incline a perceber o seu foco a médio e longo prazo, precifique, capitalize a empresa sabendo que no início o crescimento depende de recursos, ou seja, tenha o seu “ganha pão”, mas foque no crescimento estrutural da empresa em primeiro plano e só depois o crescimento dos seus ganhos através do lucro.

 

Afinal empreender é a nossa paixão.

 

Blog

Comunidade Sebrae
Marcio Pimentel
Marcio Pimentel Seguir

Advogado Especialista em empresarial e tributário. Contador, empresário contábil e apaixonado pelas micro e pequenas empresas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você