[ editar artigo]

Agilidade Emocional - Impactos nos negócios

Agilidade Emocional - Impactos nos negócios

 

Desde meu primeiro contato com o universo do Empreendedorismo em 2012, eu me perguntava: “Qual a competência que mais faz DIFERENÇA na vida de um
empreendedor?”.


Eu coordenei por 4 anos o Empretec no Sebrae-PR, participei de missão internacional de benchmarking nas instituições mais reconhecidas em Educação Empreendedora dos Estados Unidos (Kauffmann Foundation, Babson College, entre outras) e estive com empreendedores em processos de Design Thinking para buscar identificar in loco competências e dificuldades comuns. Porém, aquele meu questionamento inicial seguia sem uma resposta clara.

Em 2016, quando aceitei o desafio de trabalhar em uma Startup, eu não imaginava que esse passo me aproximaria TANTO das respostas que eu buscava. Na ocasião, um amigo definiu bem a experiência:

“Não é sobre a quantidade imensa de trabalho que a gente assume, nem sobre a grande quantidade de horas dedicadas, é sobre a montanha-russa emocional diária que a gente enfrenta”.

Essa montanha-russa emocional foi dura, mas me ajudou a desenvolver especialmente UMA COMPETÊNCIA, que somente após abrir minha empresa pude perceber que se tratava da mais ESSENCIAL para uma jornada empreendedora de sucesso: A AGILIDADE EMOCIONAL.
 
Compreendi então que lidar de forma estruturada e consciente frente à avalanche de dúvidas, medos, conquistas, falhas, aprendizados, superações e incertezas da vida empreendedora é o que me permite seguir em frente, um passo por vez, com estabilidade e consistência.
 
Agilidade emocional - O que é
Agilidade emocional é a capacidade de tomarmos as melhores decisões mesmo nos
momentos mais desafiadores.
É quando racionalmente não nos permitimos ser dominados pelas nossas emoções, mas sim reconhecê-las, compreendê-las e então, de forma estruturada, darmos um retorno consciente à situação.

E essa competência não se aplica somente à vida do empreendedor, mas também à vida de seus sócios, colaboradores, familiares, na verdade... à vida de qualquer pessoa.

Mas aí fica a pergunta: Em quais momentos a Agilidade Emocional se faz necessária?

  • Quando chega sua vez de falar em uma reunião recheada de pressão,
  • Quando você precisa compartilhar com seu chefe que não bateu as metas,
  • Quando você é o chefe e precisa compartilhar com seu time más notícias, ou uma meta desafiadora demais,
  • Quando precisa dar um feedback para um colaborador e os pontos a serem tratados estão o aproximando da demissão,
  • Quando você precisa dizer “não” para um trabalho ou desafio, mas está com medo de que, na sequência, fechem as portas pra você,
  • Quando está prestes a apresentar um projeto, frente a várias pessoas, e elas não são muito acolhedoras...

Enfim, situações delicadas que aparecem em nossa vida o tempo todo.

Nesses momentos, a área cerebral que cuida da nossa AUTOPRESERVAÇÃO entra
em ação, e muitas vezes a reação é:

  • Fugir de conversas difíceis, porém essenciais, para mudar uma situação ruim,
  • Reprimir as emoções e tentar “engolir” o choro, o medo, a pressão,
  • Assumir uma postura defensiva, muitas vezes de forma agressiva,
  • Quebrar laços de confiança, jogando “a culpa” da situação para outra pessoa,
  • Não compartilhar a gravidade de uma situação que precisa de uma ação imediata,
  • Dizer “sim”, mesmo quando não tem condições de assumir um novo projeto.
     

Quando fortes emoções dominam nossos pensamentos e ações, possuir estratégias de conscientização para tomada de decisão são essenciais, tanto para nossa saúde emocional quanto para a saúde das nossas relações pessoais e profissionais.

Ou seja, reprimir sentimentos, ocultar situações delicadas, entrar na defensiva, não colocar limites necessários são escolhas improdutivas e bastante caras a longo prazo.
 

Para os negócios, elas podem significar:

  • Colaboradores que permanecem em silêncio, mesmo quando vêem coisas erradas acontecendo,
  • Equipes optando pelas tarefas mais fáceis, menos arriscadas, menos ousadas, com zero criatividade e inovação,
  • Empreendedores aceitando todas as propostas que aparecem, mesmo aquelas que os afastam do que eles sabem fazer de melhor,
  • Líderes e colaboradores em processo de esgotamento, com sua vida pessoal sendo minada pelo trabalho, e na sequência, o trabalho sendo afetado como “efeito bumerangue”.


Buscar conhecimento sobre o funcionamento do cérebro, das emoções, seus padrões, hábitos, crenças, valores, medos, e experiências anteriores, pode ser o início de uma nova forma de se comunicar, relacionar, decidir e reagir.


E VOCÊ?
- Como tem tomado decisões frente aos constantes desafios que enfrenta em sua vida pessoal e profissional?
- Que marcas você tem deixado através da forma como você se comunica?
- Quantas frustrações você tem colecionado ao evitar conversas difíceis?

         
                                   Calma, tem solução para essas situações, SIM!!!

 

Se você  quer saber ainda mais sobre Agilidade Emocional e exercitar essa competência tão essencial para saúde das suas relações pessoais e profissionais, vem comigo!!

No dia 29/06 das 9h às 16h vai acontecer o workshop “Agilidade Emocional”  no Sebrae/PR. Você vai aprender, mesmo em situações desafiadoras, a escolher a melhor  forma de se comunicar, tomar decisões conscientes e conduzir conversas difíceis.

Se você é empreendedor , conduza de forma transformadora a sua jornada! Inscreva-se: https://www.sympla.com.br/workshop-agilidade-emocional__490821

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você