[ editar artigo]

Aprenda a aplicar o Growth Hacking e acelere a sua empresa

Aprenda a aplicar o Growth Hacking e acelere a sua empresa

Growth Hacking é uma tática de empreendedorismo desenvolvida em startups que utiliza a criatividade, o pensamento analítico e métricas sociais para vender produtos e ganhar a exposição. Growth Hacking é um termo implementado por Sean Ellis. Segundo ele, a definição mais correta é: marketing orientado a experimentos. O objetivo é encontrar oportunidades visando resultados rápidos para o crescimento (growth) da empresa.

Empresas como o Facebook, Google e Twitter foram uma das gigantes do mercada que se beneficiaram desta tática. Mark Zuckerberg, o mais conhecido dos cinco cofundadores do Facebook, se valeu dessa mentalidade enquanto fazia a rede social crescer.

O que essas empresas tiverem em comum que conseguiram crescimento rápido, excessivo e barato? Elas usaram o Growth Hacking.

Essa estratégia pode parecer complicada, complexa ou uma ferramenta difícil de entender, mas ela sequer necessita de alto investimento ou uma sacada genial. É mais simples do que parece, porque Growth Hacking é, acima de tudo, uma forma de pensar. E, nesse caso de refletir mudanças e melhorias para fazer o seu negócio crescer e sair na frente da concorrência.

Se você está interessado em saber mais detalhes desse método e como usá-la no seu negócio ou sua empresa a partir de agora, é só continuar lendo.

Como fazer marketing com o Growth Hacking?

Growth Hacking é uma forma de fazer marketing com foco em crescimento rápido e expressivo e com base em hipóteses e experimentos. Antes de tudo, é pensar fora da caixa para encontrar oportunidades ou brechas (chamadas de hacks) de crescimento.

Essa prática lida com experimentos que permitem alterar estratégias de marketing de forma inteligente. Partir para iniciativas e mudanças criativas, baseadas em conhecimentos técnicos que favorecem o crescimento (growth) mais rápido de uma empresa. Ou seja, Growth Hacking é testar pequenas alterações em algum ponto específico do seu negócio para checar sua eficácia.

Mas não se trata de uma sacada genial que vai colocar sua empresa no topo. Quer dizer, às vezes é, mas não sempre. Normalmente, essa prática se manifesta na forma de um conjunto de pequenas melhorias que causam grande impacto. Aliás, seu objetivo principal é o crescimento.

Quem criou o Growth Hacker?

Quem lançou esse termo foi Sean Ellis, em 2010 - quando ele descobriu que as empresas na qual ele prestava consultoria tinham o seu crescimento muito acelerado em pouco tempo, sem gerar muito custo financeiro ou tendo que criar uma ideia genial. Basicamente, ele aplicava conceitos testados e comprovados por ele de forma a alavancar os negócios do estabelecimento e atrair mais clientes, convertendo o produto ou o serviço oferecido em vendas.

Ele é o primeiro Growth Hacker do mercado de marketing empresarial. E ele também tem muito prestígio no marketing digital, pois iniciou o marketing do Dropbox - um dos serviços de armazenamento em nuvem mais utilizados do mundo. Também cuidou de growth em várias startups que dispararam no mercado.

Vale lembrar que ele é o fundador e CEO do maior portal de Growth Hacking do mundo. E ainda define Growth Hacking como “marketing orientado a experimentos”.

Destrinchando ainda mais, o Growth Marketing (Marketing de Crescimento) foca no que é mais eficiente para se atingir um objetivo sem comprometer muito os recursos financeiros da empresa.

Para isso, o Growth Marketing leva em conta:

  • A curiosidade;
  • Descobre formas e atalhos inovadores para fazer uma empresa crescer com rapidez;
  • Achar soluções criativas;
  • Programa essas soluções;
  • Testa técnicas já comprovadas e procura aprimorá-las continuamente.

Dessa forma, dá para entender porque o mundo do marketing não para de falar dessa estratégia.

Quem aplica o Growth Hacking no seu negócio?

Quando Sean Ellis aplicava seus conhecimentos de marketing ele ficou conhecido como um especialista de startups e desenvolvimento acelerado. Mas ao ver as empresas tendo seu crescimento reduzido quando ele parava de assessorá-las, ele sentiu a necessidade de multiplicar os seus pensamentos com profissionais que tivessem conhecimentos na área. Ou seja, em psicologia do consumidor, tecnologia de marketing e processos, enfim, os Growth Hackers.

Growth Hacker é o profissional responsável pela estratégia de “hackear o conhecimento”. Seu objetivo é criar uma conexão entre o mercado e o que o negócio oferece. Veja algumas habilidades que um Growth Hacker possui:

  • É um profissional do bem, engajado com a web;
  • Usa seus conhecimentos de informática para ser útil;
  • Ele vai estudar como as pessoas usam um produto/serviço;
  • Testa continuamente e aperfeiçoar cada ponto do seu trabalho para receber novos leads;
  • Usa suas técnicas para disparar o crescimento de uma empresa, de modo escalável e sustentável;
  • Faz o faturamento e recursos da empresa subirem, na mesma proporção.

“O Growth Hacker é a pessoa cujo verdadeiro norte é o crescimento. Tudo o que ela faz é examinado de acordo com o potencial de impacto sobre o crescimento escalável da empresa”, ensina Sean Ellis.

Para ser um Growth Hacker bacana, o profissional precisa saber combinar três habilidades:

  • Métricas;
  • Criatividade;
  • Curiosidade.

Também deve associar estratégias de marketing, engenharia e tecnologias da informação.

Ele precisa deixar a concorrência lá atrás, comendo poeira. Não necessariamente o Growth Hacker é um técnico em TI. Na verdade, não importa qual é a sua formação. Ele pode ser um profissional de marketing, de vendas, do financeiro e até de engenharia. O importante é o foco que ele tem no crescimento da empresa.

Veja os benefícios de aplicar o Growth Hacker

Ryan Holiday é um Growth Hacker e autor de um dos livros mais vendidos sobre marketing (Acredite estou mentindo: Confissões de um manipulador das mídias), diz que o Growth Hacker é uma maneira barata, eficaz e interativa de ser aplicada, segundo ele ainda há cinco vantagens de aplicar essa bela ferramenta:

1. Eleva a competitividade

O Growth Hacking coloca as pequenas e médias empresas no mesmo páreo que as grandes. O planejamento de marketing de uma empresa grande não pode ser mudado toda hora. Já as pequenas e médias empresas ficam de olho nas brechas do mercado e podem agir com muito mais flexibilidade.

2. Não implica em custos significativos

Como essa prática é muito aplicada em startups, que normalmente têm orçamento apertado, fique tranquilo em relação a gastos. As ferramentas digitais do Growth Hacking são mais em conta e acessíveis para os empreendedores.

3. Gera mais clientes

Se você aplicar o Growth Hacking, mantém os clientes que já tem e conquista novos. O hacker usa pesquisas e testes constantemente e percebe mais oportunidades, além de monitorar o tempo todo as atividades dos usuários. Isso permite realizar mudanças rápidas nos códigos e estruturas de experiência do usuário.

4. Amplia a compreensão do usuário

Com o Growth Hacking, dá para entender com mais facilidade as atividades e os padrões de comportamento de seus usuários e reunir tudo isso em um belíssimo banco de dados, é claro. Ao saber tudo sobre seus clientes, sua empresa fica mais ágil para criar novos projetos e updates de plataforma.

5. Concede autoridade e relevância

Que tal ser referência no mercado? As estratégias diferenciadas de Growth Hacking geram ideias criativas, simples e baratas. Sua empresa pode criar estratégias inéditas, novidades que marcam bem seus pontos fortes.

Agora que você já ficou sabendo sobre essa ferramenta, continue navegando pela Comunidade Sebrae e fique por dentro de outros assuntos sobre empreendedorismo.

Blog

Comunidade Sebrae
Amando Santos Seguir

Redator Web.

Ler conteúdo completo
Indicados para você