[ editar artigo]

COMO ME TORNEI UM EMPREENDEDOR

COMO ME TORNEI UM EMPREENDEDOR

 

Pergunta difícil, já a resposta, nem tanto!

 

Durante toda minha vida, sempre fui muito convicto em relação ao que queria fazer. Para mim, empreender era a única opção. Não haviam outras. Simples assim!

 

Para contextualizar melhor e de fato compreender como me tornei um empreendedor, preciso contar, de forma sucinta, a minha história:

Nasci em Apucarana/PR em 1989 e até os 7 anos, morei em São Paulo capital. Depois, aos 8 anos, vim para Curitiba/PR, onde moro atualmente.

Nesse ínterim, muita coisa aconteceu. Pratiquei tênis em nível competitivo durante minha infância e adolescência, disputei mais de 100 torneios da Confederação Brasileira de Tênis e posteriormente, aos meus 19 anos, fui agraciado com uma bolsa de estudos para cursar uma faculdade nos Estados Unidos, através do esporte. De 2007 a 2012, morei no Kansas e na Florida, onde me formei em Business/Marketing pela University of West Florida (UWF). De certa forma, foi durante meus 5 anos de estada nos EUA que aflorei ainda mais o espírito empreendedor.

            Com alguns estágios na bagagem, principalmente em agências de marketing, ao final de 2012 retornei para o Brasil, onde de fato comecei minha carreira profissional. Recém formado e com uma vontade enorme de ingressar de vez no mercado de trabalho, realizei inúmeros processos seletivos, em diversas empresas (grandes e pequenas). De cara já notei duas coisas: muita burocracia nos processos seletivos e dificuldade em encontrar uma posição em que de fato eu pudesse inovar.

 

Mas afinal de contas, como me tornei um empreendedor?

Após várias entrevistas e testes, fui selecionado por uma grande multinacional. Comecei como trainee, para adquirir vivência nos mais variados setores da empresa. O processo como um todo, durou pouco mais de 1 ano. Com certeza foi uma experiência extremamente valiosa e que levo comigo até hoje. Ao final desse job rotation, posso dizer que ampliei meu conhecimento sobre estrutura organizacional e aprendi a analisar uma corporação de maneira holística. Após o trainee, ingressei no departamento comercial, mais especificamente em compras. Sem mais delongas, foram mais 3 anos na empresa, até que a multinacional decidiu encerrar as atividades no Brasil, principalmente devido a uma escolha errada de modelo de negócios e falta de tropicalização.

Como mencionei no primeiro parágrafo desse texto, eu sempre fui muito convicto. Desde pequeno, sempre soube bem o que queria. Meus pais são da área da saúde e nunca (nem por um minuto sequer), me passou pela cabeça seguir a profissão deles. O foco era claro e único: EMPREENDER.

Mas afinal, por que alguém que sempre quis empreender, trabalhou por cinco anos com carteira assinada em uma multinacional?

Posso afirmar peremptoriamente que, um empreendedor de sucesso, precisa ter uma experiência prévia em outra empresa, como colaborador. Foi justamente por esse motivo que eu decidi trabalhar com carteira assinada, antes de me tornar um empreendedor.

Acima de tudo, eu queria e precisava conhecer uma empresa a fundo e observar principalmente seus erros, visando não cometê-los em minha própria empresa no futuro. Esse passo foi fundamental para que eu tivesse cada vez mais a certeza de que eu queria fazer algo diferente!

            Para mim, empreender é fazer, realizar. Muitas pessoas tem ideias sensacionais, porém não colocam em prática e é justamente aí que mora o perigo, pois existe um abismo entre o “falar” e o “fazer”. Durante toda minha trajetória, encontrei diversas pessoas extremamente capazes e que seriam excelentes empreendedores, porém nunca tiraram nada do papel. O mais curioso é que para empreender, você não precisa inventar a roda, fazer algo sensacional que voa, etc. Você precisa apenas adaptar algo que já existe e entregar de uma forma melhor, mais prática, mais fácil para o usuário. Tome como exemplo o Uber e o Airbnb. Ambas as empresas se basearam em serviços que já existiam há décadas (taxis e hotéis) e uniram oferta e demanda de uma maneira rápida e simplificada. Simplesmente magistral! Tudo gira em torno da experiência do usuário. Basicamente precisamos identificar alguma fragilidade e conseguir visualizar uma nova forma de solucionar problemas.

 

O mundo mudou e os hábitos de consumo também!

Hoje em dia, grandes negócios surgem da economia compartilhada, ou shared economy. É o princípio básico que consiste em compartilhar e não deter os bens. Os hábitos de consumo mudaram e a maneira que buscamos pelas coisas também. Atualmente, a maioria das empresas modernas e que obtém sucesso, surgem de mentes jovens que conectam oferta e demanda de maneira impecável. Não é preciso gastar milhões em estoque, em sede física imponente, em estrutura inchada. Basta uma ideia que tenha tração e aceitação. Estamos diante de problemas todos os dias. O bom empreendedor observa, é atento aos detalhes e enxerga oportunidade onde os outros veem dificuldade.  

Sempre gostei de me espelhar em pessoas inspiradoras e estudar suas vidas. Não acredito e nunca acreditei em acaso, em sorte. Aliás, esse é o principal problema dos brasileiros: não dar o devido crédito as pessoas. As pessoas medíocres costumam diminuir o feito do outro.

Se alguém venceu na vida e ganhou muito dinheiro, você pode ter certeza que “do nada” não foi. Todo mundo tem seus méritos e caso você não esteja disposto a entender e realmente aceitar isso, nunca irá ter sucesso.

Outro ponto importantíssimo para se tornar um empreendedor de sucesso é não pensar pequeno e realmente se esforçar para conseguir atingir os objetivos.

Se perguntarmos para 10 pessoas se elas querem ganhar o dobro do que ganham atualmente, te garanto que as 10 pessoas responderão: ‘’Mas é claro que sim! Quem não quer ganhar mais!”

Agora se perguntarmos para as mesmas 10 pessoas o que elas estão fazendo para se diferenciar do mercado, visando se tornarem indispensáveis em qualquer empresa, te garanto que a resposta não será positiva. Em suma, todo mundo quer ganhar mais, ter sucesso e crescer na profissão, contudo, poucos estão realmente dispostos a se esforçar e pagar o preço (altíssimo) para ter êxito!

 

O que eu preciso para ter sucesso como empreendedor?

 

            Para ter sucesso como empreendedor, você tem que ser curioso, inquieto e ter uma vontade além do normal de realmente fazer algo diferente em prol do mundo. Quando não souber algo pesquise, pergunte, vá atrás. Busque ser um generalista, uma pessoa com conhecimento e pensamento crítico. Alguém capaz de debater sobre qualquer assunto. Isso é primordial!

Lembre-se: “tudo aquilo que você chama de vida, foi criado por pessoas que não são mais espertas que você”. Esta é uma frase emblemática de Steve Jobs, fundador da Apple, e vai diretamente de encontro com o que foi dito anteriormente. Existe um abismo entre falar e fazer. Busque seus objetivos, estude, aprimore-se a cada dia e por fim, EXECUTE. Não fique somente no campo do planejamento.

Existe um ditado popular que diz que o feito é melhor que o perfeito e para o empreendedorismo, não poderia haver verdade maior. É sempre melhor tirar uma ideia do papel, executar, quebrar a cara e coletar feedbacks dos potenciais clientes. Cada vez mais, as startups estão utilizando os conceitos de MVP (minimum viable product) e Design Thinking, que, de maneira simplista, consiste em lançar um produto inacabado para que o mercado avalie o que é de fato necessário e importante. Muitas vezes, as pessoas passam anos estudando, desenvolvendo um plano de negócios robusto, idealizando o produto perfeito e se esquecem de que tudo o que elas pensaram, é somente um hipótese não validada. Em geral, o mercado não quer e não está preparado para um produto acabado, mas isso é assunto para um outro artigo.

 

Esteja cercado de pessoas boas

 

Depois de tudo o que foi dito e agora que vocês já sabem como me tornei um empreendedor, vamos entrar em um dos pontos mais importantes de qualquer negócio: as pessoas que fazem parte dele!

Para obter sucesso (em qualquer área da vida), é vital estar cercado de pessoas boas. Nós não fazemos nada, absolutamente nada sozinhos. Por isso, escolha muito bem quem são as pessoas que estarão com você, lado a lado, todos os dias. São essas pessoas que ditam o ritmo da empresa e também são elas que farão um negócio dar certo ou não. Todos precisam estar engajados e acreditar na ideia!

Além disso, cada vez mais as pessoas buscam bons ambientes de trabalho, onde possam se desenvolver e cultivar boas amizades. Atualmente, os jovens dão mais valor para um bom clima organizacional do que para a remuneração em si. Eles já perceberam que a saúde mental é o que realmente importa, pois é na empresa que eles passam a maior parte do dia. 

            Portanto, recrutar com cautela e buscar profissionais que se adequem ao perfil da empresa é o primeiro passo para o sucesso. Costumo dizer que, mais importante que as qualificações técnicas de um candidato, é o perfil.

É preferível contratar analisando o perfil, do que as experiências prévias e qualificações. Os valores e costumes são inatos, enquanto a parte técnica é adquirida ao longo da vida. Ou seja, tudo se ensina, menos o caráter!

 

Por fim e não menos importante: os sócios e minhas empresas

            Aqui é onde tudo começa, onde você escolhe quem estará junto contigo nessa árdua, porém fascinante caminhada de se tornar um empreendedor. Sem dúvida, o momento mais importante ao se constituir uma empresa é a escolha do(s) sócio(s).

Tudo o que foi dito nesse artigo passa pelo relacionamento e confiança entre os sócios. São inúmeras as empresas que possuem ótimos produtos/serviços e um modelo de negócios já consolidado, que acabam encerrando atividades devido a desavenças entre os sócios. Os sócios são as pessoas que, literalmente, influenciam no sucesso de uma corporação. As pessoas devem estar bem alinhadas e manter um excelente relacionamento interpessoal.   

Atualmente, sou sócio e CCO da agência de marketing digital Stardust e do grupo SD, que é composto de várias outras empresas, de diferentes setores.

Em relação a sócios, posso afirmar que estou muito bem acompanhado (graças a Deus), em todas as minhas empresas. Meu sócio e CEO do grupo SD, Cezar Lima, é visionário e sempre teve o espírito empreendedor aflorado. Ou seja, estamos na mesma página e muito bem alinhados em todos os aspectos. Costumamos dizer que, se não tivéssemos unido forças no passado, estaríamos ainda em estado incipiente do grupo como um todo.

               O sócio deve agregar, somar e ter o mesmo sonho que você. A pessoa que está ao seu lado deve acreditar que transformar o mundo é possível e que melhorar a qualidade do serviço prestado deve ser uma obsessão! O sucesso corporativo e financeiro NUNCA deve estar em primeiro plano, pois este é apenas uma consequência inerente a excelência.

O empreendedor de sucesso não enxerga limites e não descansa enquanto não atingir a excelência. Um sócio deve ter exatamente esse mindset.

Não existe teto, não existe conformismo. Quando você para de inovar, quando você pensa que é grande o suficiente e que já conquistou a fatia de mercado ideal, é exatamente nesse momento que sua empresa começam a “morrer” para o mercado.

Por fim, espero que vocês tenha gostado da minha história, dos insights e do artigo. É muito prazeroso poder contar um pouco da minha trajetória e (espero que), inspirar outras pessoas a começarem no mundo do empreendorismo!

 

Grande abraço e até breve.

             

 

 

 

 

Comunidade Sebrae
Fernando Soni
Fernando Soni Seguir

CCO da agência de marketing digital Stardust e do grupo SD.

Ler matéria completa
Indicados para você