[ editar artigo]

Contabilidade para MEI: dicas de gestão para microempreendedores

Contabilidade para MEI: dicas de gestão para microempreendedores

Você já pensou nas obrigações de contabilidade para MEI? Não são muitos os microempreendedores que pensam nisso. Aliás, justamente por ser um tipo de empresa que não precisa obrigatoriamente de um contador, é muito raro ver um MEI que tem o apoio de algum profissional da área ou sequer é aconselhado por alguém nesse sentido. A vasta maioria dos 11 milhões de MEIs do Brasil trabalham totalmente sozinhos.

No entanto, não é porque o MEI não é obrigado a ter contador (ao contrário de quem é do Simples Nacional, do Lucro Presumido ou do Lucro Real) que ele não precisa pensar na contabilidade. Pelo contrário: é justamente por não ser obrigado a ter um contador que ele precisa se preocupar em dobro com isso, já que não terá um profissional cuidando dessa área e poderá cometer erros sérios, alguns que podem até levar a sua atividade profissional a ter um fim.

E aí, quer aprender como lidar com a contabilidade para MEI? Então veja algumas dicas abaixo!

5 dicas de contabilidade para MEI

1. Cuidado com o seu fluxo de caixa

Um microempreendedor individual é um profissional com uma determinada quantidade de faturamento. Ele pode ter até R$81.000,00 de faturamento por ano, o que significa que pode ganhar ao redor de R$6.750,00 por mês. 

Esse valor é, por si só, baixo e deixa o MEI vulnerável a situações específicas. Por melhor que seja a sua margem de lucro, ele ainda assim estaria a apenas alguns meses de não conseguir manter sua empresa de pé.

Por isso, situações imprevistas podem ter um peso muito maior para um MEI do que para outras empresas. Portanto, é essencial ter um controle de fluxo de caixa muito mais preciso e fixo para poder combater essa situação.

Além disso, é fato que o MEI vive em modelos de negócios um pouco menos estáveis. É preciso pagar os insumos e as contas de casa com o mesmo faturamento. O resultado tende a ser uma complicação logística. Portanto, o ideal é se planejar adequadamente para conseguir fazer pagamentos na data correta, sem ter de ficar com prejuízo ou pagar multas. E por falar nisso...

2. Pague seu DAS em dia

A única responsabilidade tributária de um MEI é o pagamento do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional). Essa guia conta com todos os impostos que o MEI precisa pagar, incluindo a sua contribuição com o INSS e mais. Não há nenhum outro imposto para esse profissional exceto a mensalidade do DAS.

No entanto, apesar dessa ser a única responsabilidade dos MEIs, ainda assim há um grande número deles que está em atraso com essa obrigação. Quando não se paga o DAS, há a ocorrência de uma multa e juros na cobrança. O que antes era R$60 para prestação de serviço pode ir para R$65,00 ou até um máximo de R$72,00. Agora imagine pagar um ano inteiro de DAS com atraso: é quase R$150,00 a mais do que o total a se pagar. Faz uma boa diferença para o empreendedor.

3. Tenha atenção à emissão de notas fiscais

Todo MEI que trabalha por conta própria precisa ter atenção à necessidade de emissão de notas fiscais. De um lado, o Microempreendedor Individual tem a obrigação de emitir notas fiscais sempre que realizar um trabalho ou vender para uma empresa. No caso de fazer o mesmo serviço para uma pessoa física, não é necessário.

Além disso, não há custo adicional ao emitir notas fiscais. Afinal, todos os impostos pagos pelo MEI estão no DAS. Por isso, é importante seguir a regra e emitir nota sempre que trabalhar para alguma empresa, de modo a garantir que todos poderão declarar os rendimentos adequadamente. 

4. Saiba como trabalhar com crédito

Para um MEI, eventualmente será necessário trabalhar com o recebimento de crédito. Esse valor pode ser usado para pagar um novo equipamento, adiantar algum insumo ou fazer alguma outra ação específica para a empresa.

É importante, no entanto, saber como trabalhar com crédito para que essa ferramenta não se torne uma dívida grande demais no futuro. Portanto, é essencial planejar bem o pagamento das parcelas, controlar os juros e garantir que o negócio virá para executar uma ação em específico.

5. Cuidado ao fazer uma contratação

Por fim, é importante que o MEI tenha em mente as restrições para fazer uma contratação. É permitido ao Microempreendedor Individual a contratação de um profissional com salário mínimo e pagamento diferenciado dos direitos trabalhistas, mas é importante fazer essa contratação do jeito certo, inclusive com as obrigações de declaração de renda no futuro.

Pronto! Essas são as principais dicas de gestão e contabilidade para MEI. De fato, o programa Microempreendedor Individual foi feito para facilitar a vida dos autônomos de baixa renda. Esse tipo de programa permite que os empreendedores possam coletar um bom faturamento, de maneira legalizada e até com direitos previdenciários, mas sem grande complicação contábil. No entanto, isso não significa que eles não precisem lidar com alguns compromissos. Agora que você leu o texto, está mais preparado para eles.

Gostou do conteúdo? Então compartilhe-o com seus colegas que também são MEI!

Blog

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você