[ editar artigo]

Espelho, espelho meu.... Sou eu?

Espelho, espelho meu.... Sou eu?

Você já sentiu medo? Confiança demais? Quando lhe perguntaram: “Quem é você?”, deu aquela tossidinha básica? Pois é, olhar-se no espelho e ter uma reflexão ou quase um pergunta retórica: “quem sou eu?”  ou “quem é você?” pode revelar o que não conhecemos como realidade.

Essas distorções são mais comuns do que se imagina, uma vez que o mundo social é abstrato, a realidade é segundo o que cada um abstrai. Mas voltando aqui para nós... já teve a sensação de que você quis fugir de você mesmo, ocultou alguma coisa que fez para parecer bonzinho, sentiu ira mas teve que fazer carinha pra foto e nunca mais resolveu o assunto com você mesmo ou com a pessoa que foi o alvo de sua raiva? Chega de perguntas!

A questão é que a sociedade é condicionada a viver de tal modo, que há, mais uma identidade coletiva em detrimento da individual. Em qualquer faixa etária, as pessoas querem pertencer aos grupos sociais, as redes sociais off-line, que existem a milhares de anos são prova disso. Pertencer a um grupo pode mudar, substancialmente, o julgamento de alguém sobre si mesmo e seu comportamento, até negar-se a si mesmo de forma consciente, ou com a coragem de um leão, mas com a humildade de uma ovelha, expor-se naquilo que conhece de si.

Somente após os 50 anos eu comecei a saga do autoconhecimento. Na academia, existem artigos que são revisitas a autores importantes... Na vida a revisita mais importante é para o nosso interior. Deveria ter feito isso muito antes, mas o trabalho era a desculpa perfeita. Eu não tinha tempo. Perdi momento irrecuperáveis comigo mesma. Participei de um programa renomado para o autoconhecimento e fiquei feliz de ter um feedback positivo sobre flexibilidade a mudanças. Meu tempo chegou. Hoje me olho no espelho da vida e vejo um ser em transformação, mas não desconhecido, nem secreto (lembrei da janela de Johari).

Hoje li um artigo com uma parábola que encerrava mais ou menos assim: muitos preferem uma mentira vestida de verdade, a uma verdade nua e crua.

O único que nunca pecou não mora da terra. Então o autoconhecimento verdadeiro, olhar no espelho e tentar ver quem nós realmente somos é o começo da mudança, da paz e da felicidade, por essas recompensas não dependem do mundo exterior, cuja recompensa é superficial, mas o autoconhecimento e a competência atitudinal para a mudança trazem recompensas verdadeiras que podem ser vistas no espelho... no seu espelho!

Curte e compartilhe conosco sua experiência de "Quem sou eu?"

Blog

Comunidade Sebrae
Valdete Noveli Rhoden
Valdete Noveli Rhoden Seguir

Mentora, docente, treinadora e consultora. Mestra em administração, especialista em desenvolvimento de grupos pela SBDG. Trabalhar com Marketing por mais de vinte anos me inseriu nos estudos sobre comportamento.

Ler conteúdo completo
Indicados para você