[ editar artigo]

Estamos na era da pós-verdade?

Estamos na era da pós-verdade?

Por que a pós-verdade chama mais a atenção das pessoas do que a verdade? Isso ocorre porque a objetividade tem menor influência que as crenças pessoais e os aspectos emocionais. A pós-verdade refere-se a afirmações, sentenças, ideologias e conexões sem qualquer lógica com a realidade. Podemos dizer que o objetivo e  o racional se perdem em meio às crenças, apesar de os fatos demonstrarem o contrário.

Nesse cenário, surgem novas formas de relacionamento com a opinião pública e consolidam-se os meios de comunicação alternativos. As tradicionais formas de jornalismo deram espaço aos novos canais de comunicação, como o YouTube, WhatsApp, Facebook etc. Hoje, um simples post pode mobilizar massas e causar resultados nunca antes vistos.

Com a divulgação de notícias falsas há uma relativização da verdade que acarreta na perda de valor e de credibilidade dos meios de comunicação diante das opiniões pessoais. Hoje, “como se conta a notícia” é mais importante do que o acontecimento em si. Ou seja, saber o que realmente aconteceu deu espaço a versão do fato que mais se encaixa na ideologia de cada um. 

Quando essas informações são produzidas e compartilhadas em grande escala, sem o mínimo cuidado com as fontes, é possível que a pós-verdade prejudique a forma de consumo da informação, dando mais valor a notícias sensacionalistas do que a conteúdos legítimos.

Não é a toa que a maior parte das notícias “criadas” não menciona nenhuma fonte, pois essa é uma forma de driblar o seu rastreamento. Outras vezes, atribui-se declarações falsas a um veículo a fim de lhe dar credibilidade. No caso de notícias sobre virais, como fotos e vídeos, é fundamental que o veículo tenha conversado com o autor da publicação original. Muitas vezes, trata-se de montagens ou conteúdos humorísticos que podem ser levados a sério quando vistos fora de contexto.

Muitas informações que soam relevantes são compartilhadas no WhatsApp, porém, não aparecem em nenhum outro canal de comunicação. Isso é um indício de que provavelmente ela seja falsa. Claro que pode se tratar de uma informação exclusiva, mas, nesse caso, é provável que outros veículos a repercutam em breve. Também não podemos descartar que o boato se reproduza sem que ninguém tenha tomado cuidado de tentar confirmar sua veracidade. No caso de informações políticas, a veracidade dos fatos pode ser feita por meio da busca em outros veículos que tenham uma outra linha editorial. Pesquisas realizadas pela A Cara da Democracia no Brasil revelou que 68,3% dos respondentes não desconfiam que recebem notícias falsas sobre política. Vale salientar que há vários sites no Brasil que checam boatos e mentiras em forma de notícia, como o Projeto Comprova, a Agência Lupa (Revista Piauí), Aos Fatos, Truco (Agência Pública), E-farsas, Boatos.org entre outros.

A pós-verdade não é exclusividade da política, ela também ocorre na publicidade e no campo empresarial.

Como a pós-verdade pode influenciar seu negócio

Para atrair cada vez mais o público e ajudá-lo na decisão de compra, as empresas passaram a investir em marketing de conteúdo. Por isso, é extremamente importante que a sua marca seja relacionada com materiais verídicos a fim de transmitir confiança e credibilidade ao seu negócio. Mesmo que os conteúdos com apelo emocional tenham um retorno imediato, eles devem ser produzidos cuidadosamente e com boas fontes, evitando que sua empresa seja relacionada a algo apelativo ou mentiroso.

Para filtrar as melhores informações e produzir bons conteúdos é imprescindível ler o conteúdo completo antes de divulgá-lo, pois é comum que os veículos sensacionalistas divulguem pesquisas científicas com títulos tendenciosos. Além disso, é fundamental buscar as fontes. Com isso, o conteúdo se torna mais rico e confiável.

Outro fator que influencia a produção de conteúdo é o emocional. Por isso, deixe de lado conteúdos que desencadeiam emoções que te impeçam de ter uma perspectiva real do fato. Como muitos sites são especializados em veicular conteúdos falsos a fim de ganhar mais dinheiro com anúncios em suas páginas, é preciso estar atento para que sua marca não seja anunciada em um desses sites. 

Também precisamos salientar que a distorção dos fatos não é necessariamente realizada por parte dos veículos de comunicação - muitas vezes, as pessoas acreditam naquilo que querem acreditar. Pode-se dizer que é muito mais simples questionar os boatos que contradigam nossas ideias do que enxergar a inconveniência em dar como certos aqueles que as reforçam.

 

Blog

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você