[ editar artigo]

FELICIDADE: Consciência, Atitude e Ação

FELICIDADE: Consciência, Atitude e Ação

Ah, essas palavras... para alguns representa o inalcançável, assim como o vento! Esse artigo convida para uma reflexão sobre como adquirir e cultivar esse sentimento nesses tempos em que os ventos são especialmente desfavoráveis.

Vamos começar?

Por que a felicidade se relaciona com o fato de se ter consciência? Para entendermos de modo didático: você já sentiu fome? Se sim, você sabe o que é ter consciência de algo, no caso, uma necessidade! Beleza! Mas todas as pessoas têm consciência de que precisam ser felizes. Eis a questão.

Quem tem consciência da fome, sabe que não pode comer uma pedra!! Existe o jeito certo de saciar a fome. Do mesmo modo, e digo que é até mais fácil, saciar a necessidade de ser feliz, não depende de algo externo como um alimento físico ou uma pessoa que “traga” a felicidade, ou uma posição profissional, ou a maternidade, ou a paternidade, e assim por diante.

Ter a consciência da necessidade de ser feliz, precisa vir com o conhecimento de como satisfazer essa necessidade. Daí chegamos numa palavra bem da moda: o mindset. Isso aí, o jeito como pensamos e como atribuímos significados aos fatos, coisas, pessoas.

O Mindset de crescimento, ligado a felicidade, deve transformar o ser, você, eu, em protagonistas de nossas histórias e nosso futuro. As nossas perdas, frustrações, tristezas não precisam ofuscar os raios brilhantes e a força interior que todas as crianças têm e que com o tempo, vai dando lugar a escuridão.

Felicidade tem a ver com gratidão, atitude. Gratidão? Sim. Uma pessoa grata é mais feliz. Gratidão pelo quê? Todas as adversidades são oportunidades de provarmos quem somos de verdade, de extrairmos a força interior que esperava para despontar, de sermos o meta-modelo para alguém, talvez, um desconhecido, um vizinho, um familiar e, por que não, para si mesmo. A gratidão aqui e com a realização, e isso traz felicidade.

A atitude é uma pré-disposição para agir, algo dentro de nós, antes dos comportamentos percebidos pelos outros. Assim, essa forte convicção de lutar pelos ideais, para fazer a diferença, mesmo que para poucos, mas com qualidade e perenidade, nos faz lembrar da mesma palavra que falamos no início do artigo: a consciência. Mas aqui, consciência com um sentido diferente, um senso de realização, autorresponsabilidade, missão cumprida.

Quem tem atitude e convicção, não precisa de muito tempo pra ser convencido. Já sabe o que fazer. Socorre, ajuda, se entrega, arrisca, abre uma empresa, fecha, abre outra, não desiste. Uma pessoa assim, se comporta de um jeito que incomoda os que são o oposto, os que buscam até as mesmas realizações e têm perfil parecido, mas não realizam. A ação, a experimentação faz parte de um processo de aprendizagem que usamos em treinamentos e workshops, conhecido como CAV (ciclo de aprendizagem vivencial).  Citei eventos onde provocamos vivência, mas a vida é o melhor lugar para viver e aprender a ser feliz.

Crédito da foto: https://unsplash.com/photos/Gk-VRYgAghE

Blog

Comunidade Sebrae
Valdete Noveli Rhoden
Valdete Noveli Rhoden Seguir

Mentora, docente, treinadora e consultora. Mestra em administração, especialista em desenvolvimento de grupos pela SBDG. Trabalhar com Marketing por mais de vinte anos me inseriu nos estudos sobre comportamento.

Ler conteúdo completo
Indicados para você