[ editar artigo]

Fuja do judiciário e solucione conflitos com eficiência

Fuja do judiciário e solucione conflitos com eficiência

Diante dos altos custos, da lentidão e da burocracia que pode levar a decisões injustas, vem surgindo diversas opções para que o empreendedor não dependa exclusivamente do poder judiciário para solução de conflitos.

Entenda:

Como é sabido, as medidas de isolamento social decorrentes da pandemia vêm afetando a maioria dos empreendimentos, causando inadimplência, queda no faturamento, demissões, redução de salários, rescisões contratuais, dentre outras problemas graves. Igualmente, a suspensão dos prazos judiciais e cancelamento de audiências demonstra que a demora do judiciário na solução de conflitos deve perdurar ainda mais, inviabilizando a solução de demandas por meio do poder judiciário. 

Sendo assim, explicaremos aqui como a negociação, a mediação e a arbitragem podem ser ótimas opções para solução de conflitos após as medidas de isolamento.  

1- Negociação: é o caminho onde as partes buscam um entendimento direto, colocando os interesses opostos de lado e procurando focar nos interesses em comum. Ela envolve uma conversa franca e sincera, onde cada um dos pólos buscará apresentar sua visão do conflito, expor sua realidade e propor soluções onde ambos fazem concessões.

Conheça nossas 6 dicas para negociar durante a crise!

2- Mediação: neste caso, um terceiro, o mediador, é chamado para ajudar as partes a encontrar soluções para suas divergências. Diferente do conciliador, o mediador não dá conselhos, ele busca atuar como um facilitador, trazendo uma interação diferente entre as partes, melhorando a comunicação, na busca de reflexões e soluções  de “ganha- ganha”, que saem das próprias partes.

3- Arbitragem: por sua vez, a arbitragem também conta com a participação de um terceiro, o árbitro. É possível a inclusão da cláusula de arbitragem, por exemplo, em contratos de locação, prestação de serviços, compra e venda e até mesmo em alguns contratos trabalhistas. Neste caso, através de cláusula contratual ou acordo entre os conflitantes, é escolhido um árbitro que atuará como "juiz" entre as partes, elaborando procedimento para aferição da verdade e emitindo "sentença" ao final, que deverá ser cumprida, sob pena de execução judicial.

Por fim, ante ao provável aumento de demandas judiciais com o fim do período de quarentena, recomendamos que o empreendedor busque um advogado de confiança para que oriente sobre as melhores opções para solução dos conflitos empresariais, civis e trabalhistas. 

Instagram @tolentino_andre

Blog

Comunidade Sebrae
André Tolentino
André Tolentino Seguir

Como advogado, palestrante e articulista, busco ressaltar os pontos de convergência entre patrão e empregado, como meio de colaborar com o desenvolvimento sustentável e humanista. Insta @andretolentinoadv

Ler conteúdo completo
Indicados para você