[ editar artigo]

Futuro: você quer projetar o seu?

Futuro: você quer projetar o seu?

O que será o amanhã? Responda quem puder!

Muito além da música, projetar o futuro hoje não só é possível como necessário para sobreviver nos próximos 25 anos. E se eu for além e afirmar que você também pode controlar, medir e se preparar para o futuro? Não se trata de uma máquina do tempo, não. É análise, estudo, compartilhamento, flexibilidade, permissão e entendimento.  

A palestra de Jaqueline Weigel no Summit Sebrae  mudou com certeza a percepção de mais de 1.500 empreendedores participantes sobre o futuro dos negócios no Brasil e no mundo. A palestrante é estrategista, futurista global, educadora, conteudista, pós-humanista e empreendedora pós-digital, e mostrou que não existe um futuro, mas sim vários futuros do mundo. Entretanto, ela explicou ainda que esse futuro é sim bastante complexo, mas muito mais inclusivo do que imaginamos. Será um lugar onde tudo fará sentido, menos as empresas tradicionais que conhecemos hoje.

Para entender, controlar, medir e se preparar para os dias de amanhã, Jaqueline explica que todos esses parâmetros são dados coletados e avaliados por uma cúpula futurista mundial, da qual ela faz parte, que se integra e se conecta a academia mundial, a projetos inovadores, governo e iniciativa privada buscando desenhar os próximos 25 anos.

Nesses futuros fazem sentido vários cenários. Quer saber mais? Vem comigo nessa viagem no tempo.

Negócios disruptivos, novos mercados, ideias que se confrontam, futuros expandidos, transEmpresas (empresas e instituições que trabalham em rede, de forma integrada e em colaboração) e profissionais livres são algumas das informações que cabem nesse futuro, mas como se conectar com os futuros do planeta? São diversas as formas e cada um tem que criar a sua receita. Para isso, deixe suas verdades de lado e encontre sua trilha.

Na trilha, a visão é de cidades sustentáveis e inteligentes. O Paraná é um Estado que está à frente nesse ecossistema de inovação e futurismo, como lembrou Jaqueline, e que já que vem buscando conectar empresa, governo, pessoas e universidade a soluções melhores para a região, conforme afirmado pelo vice-governador, Darci Piana, presente na solenidade de abertura do Summit Sebrae. Da mesma forma, está a cidade de Curitiba, que já avança em novidades inclusive no prédio da Prefeitura, abastecido por energia solar, conforme ressaltado também na solenidade de abertura pelo vice-prefeito, Eduardo Pimentel. A capital hoje possui ainda 86 hortas comunitárias mantidas com ajuda da comunidade, que faz uso do alimento.

Isso sim faz sentido para as projeções dos futuros do mundo. Os seres humanos do futuro não têm padrão e nem processos. É preciso ressignificar e desmistificar a nossa existência com a ruptura de padrões, pois o chamado do mundo é muito maior que apenas a tecnologia, mas sim um renascimento cultural. A nova sociedade é plural, pós digital, trata dos assuntos de forma global, amplia a visão, possui uma inteligência coletiva e liderança sustentável, onde a disciplina é neo humanista.

Sobre a tão temida discussão de profissões que deixarão de existir, onde cinco milhões de postos de trabalho serão substituídos pela automação e mobilização, Jaqueline cita a própria vida profissional como um exemplo que deve ser observado pelas pessoas. Na sua 5ª carreira, ela fala que no futuro não teremos profissões, mas sim trabalhos e várias carreiras, onde o network futurista engloba todas as áreas, com olhar sistêmico e visão de longo prazo. As empresas não terão donos e os profissionais serão livres, trabalharão em qualquer lugar e a palavra de ordem é mindfulness – foco no momento presente.


Nos próximos 25 anos, teremos o fechamento de mais um ciclo de inovação e renovação da indústria 4.0 que começou em setembro do ano passado. Período esse que sucede a era da informação de 1900 a 2018; a era industrial neoclássica de 1950 a 1990; a era industrial clássica de 1900 a 1950; e a era agrícola, anterior a 1900. Mas ao contrário do que você deve estar imaginando agora, não existe nada obsoleto. Nesse futuro cabe o passado, o presente e o futuro.

Em 2045, será dado início a era da singularidade marcada por três grandes revoluções: a biotecnologia, a nanotecnologia e a robótica (automação), onde a grande classe predominante do futuro continua sendo a classe média, formada principalmente por empreendedores. Mas para empreender nesse futuro é preciso manter o que nós temos, inovar e criar algo novo, de preferência, tudo isso ao mesmo tempo.

Até lá, para exercitar a liderança 4.0, formada por 45 competências, Jaqueline deixa 10 grandes dicas de mudanças necessárias de comportamento, entre elas: 

  • Futurize-se;
  • Aceite o novo mundo e a descontinuidade;
  • Invista tempo, energia e dinheiro no futuro;
  • A mudança é na cultura e estrutural;
  • Planejamento não basta, prospectar é necessário;
  • Inovação e tecnologia são apenas tool e commodities;
  • Fuja das modinhas digitais;
  • Coloque foco no novo e não na melhoria;
  • Aposte e salte para os próximos capítulos do mundo;
  • Abandone seu ego e reinvente-se 100%.

Gostou? Fique ligado nos próximos conteúdos da 2a edição do maior evento de empreendedorismo do Paraná!

 

Blog

Comunidade Sebrae
Suzane Marie
Suzane Marie Seguir

Sou jornalista e conteudista!

Ler conteúdo completo
Indicados para você