[ editar artigo]

Marketing 4.0: o que é e como praticar

Marketing 4.0: o que é e como praticar

Marketing 4.0, ou o novo marketing, é um conceito criado pelo “guru do marketing”, Philip Kotler. 

O livro, “Marketing 4.0: do tradicional ao digital”, escrito em parceria com Hermawan Kartajaya e Iwan Setiawan e lançado em 2016, conta a trajetória do Marketing nos últimos 50 anos e os detalhes dessa nova era.

Segundo os autores, o Marketing 4.0 representa a revolução digital. 

Para melhor entender esse conceito, vamos analisar brevemente o comportamento do consumidor ao longo dos anos.

Há muito tempo estrategistas de marketing falam que o consumidor vem mudando e estamos em uma fase onde a internet tem alcançado uma relevância muito maior do que os canais tradicionais.

Já em 2011 o próprio Google lançou uma pesquisa na qual afirmava que 62% dos consumidores fazem busca na internet antes de realizarem uma compra. Esse número já aumentou para 75,7% em 2018, segundo pesquisa realizada pela Connected Life e publicado em um artigo da revista Exame.

Para exemplificar melhor esse cenário, abaixo temos um gráfico que demonstra como a reputação online influencia as decisões do consumidor:

Se você não está presente nos meios digitais, você não existe para muitos de seus consumidores. Porém, não vá pensando que só isso é suficiente!

O Marketing 4.0 não trata apenas da presença digital e sim de novas tecnologias, novas abordagens, novos conceitos e novas experiências, que devem ser compreendidos e aplicados pelas empresas. 

O online e o offline devem interagir, integrar-se com muita estratégia para proporcionar a melhor experiência possível para seu cliente. A barreira entre online e offline já não existe mais.

Explicando o Marketing: do 1.0 ao Marketing 4.0

O Marketing é uma das áreas que evolui com mais rapidez, pois precisa estar sempre atualizado, seguindo tendências e comportamentos de consumo.

Para entendermos melhor essas mudanças e como praticar o Marketing 4.0, precisamos conceituar o Marketing 1.0, 2.0 e 3.0:

Marketing 1.0 ou Marketing de Função

A era do produto! Com poucas opções para os consumidores e baixa concorrência, quem tinha de se adaptar ao que estava comprando era o cliente. 

As empresas faziam poucos esforços para compreender as necessidades e desafios do seu consumidor.

Um exemplo clássico dessa época é o da Ford, com uma frase de Henry Ford, que ficou marcada: “O carro pode ser de qualquer cor, desde que seja preto“. 

A Ford costumava fabricar apenas carros pretos, com o objetivo de padronizar produtos, otimizar processos e vender acessivelmente para a massa (todos os consumidores, sem segmentação de público).

Marketing 2.0 ou Marketing Emocional

A era do consumidor! 

O comportamento muda, há mais opções de escolha, informação e o consumidor começa a ficar mais exigente. A concorrência aumenta e há uma preocupação maior das marcas em se diferenciar e construir uma identidade própria, que faça sentido para o cliente também.

As marcas começam a segmentar o público. Ou seja, começam a se preocupar de fato com as necessidades dos clientes, seus produtos não podem mais ser feitos para a massa.

A marca passa a atender desejos e necessidades de um segmento, com maior qualidade, objetivando que o cliente volte a comprar.

Marketing 3.0 ou Marketing Empático

A era dos valores! Mente, coração e espírito.

Finalmente o mercado passa a enxergar o consumidor como ser humano, que possui valores, experiências e individualidades. A personalização dos produtos e serviços ganha força.

O consumidor passa a exigir mais do que um produto ou serviço de qualidade. Exige também atendimento diferenciado, valores condizentes com os seus, compromisso com causas sociais e propósito de marca.

As empresas não vendem mais apenas para lucrar e sim para fazer um bem maior ao mundo, sendo responsáveis, éticas e conscientes.

Um exemplo de marca que pratica esse conceito muito bem é a Dove, com a campanha “Retratos da Real Beleza”, 

Outro exemplo é o da Nike, que desenvolveu um produto especial, de olho nas “novas maiorias”, para Millennials Muçulmanas, o “pro hijab”: um lenço que cobre o cabelo das muçulmanas para que possam praticar esportes.

Abaixo uma tabela que exemplifica bem as diferenças entre os conceitos 1.0, 2.0, 3.0 e, já o 4.0:

O Marketing 3.0 é o que ainda vivemos hoje e um complemento para o Marketing 4.0. Ou melhor, o Marketing 4.0 complementa o 3.0, trazendo-o para o contexto mais digital.

Marketing 4.0

Como falamos acima, o Marketing 4.0 não vem para substituir o 3.0 e sim para complementá-lo. As marcas devem continuar concentradas no ser humano, mas agora a tecnologia digital assume uma importância ainda maior. 

Nas palavras de Philip Kotler em uma entrevista para o Mundo do Marketing: “O Marketing 4.0 trata da revolução digital do Marketing. As empresas continuarão a fazer Marketing Tradicional centrado na TV e mídia impressa, mas o Marketing Digital (mídias sociais, telefones celulares, internet) aumentará. As empresas precisam saber como misturar e conectar o seu Marketing Tradicional e seu Marketing Digital.”

Conforme o livro, o Marketing 4.0 traz grandes mudanças na sociedade:

  • Inclusão: antes o diferencial podia ser exclusividade. Hoje o que é valorizado é a capacidade de inclusão de uma marca. A conectividade elimina barreiras geográficas e demográficas e nos voltamos para o senso de comunidade e inclusão social.

  • Relações horizontais: as formas de poder verticais, onde há hierarquias bem formadas, estão de perdendo. Empresas e consumidores estão lado a lado. Os clientes são ouvidos, dão insights e fazem parte do dia-a-dia da marca.

  • Reconhecimento social: o compartilhamento de experiências de compra pelos canais digitais influenciam e muito a decisão de compra individual. A internet e o social passam a ter ainda mais importância na compra.

Mesmo com essa evolução do digital, muitas empresas ainda não praticam o Marketing 4.0 e estão voltadas totalmente ao produto (1.0). 

As empresas que conseguirem entender a essência disso tudo e conseguirem aplicar o Marketing 4.0 dentro da própria organização, com certeza terão um futuro muito mais promissor e lucrativo, sem deixar de fazer bem ao mundo em que vivemos. 

Como aplicar o Marketing 4.0 na sua empresa?

Veja aqui 6 dicas para você atualizar sua empresa e conseguir crescer nos próximos anos.

1. Tenha um planejamento estratégico alinhado ao Marketing 4.0

Por que ter um planejamento é importante? Como diria Lewis Carrol: quem não sabe para onde ir, qualquer caminho serve. Ou seja, você pode ir por qualquer direção se não souber o seu objetivo final.

A consequência disso é que você pode pegar caminhos mais longos, frustrantes, ficar sempre com a sensação de “estou patinando” e ainda por cima, não chegar a lugar algum. Além de não saber quem vai estar do seu lado nessa caminhada.

Por isso o planejamento estratégico é essencial para uma marca. 

Desenhar seu público-alvo e conhecê-lo a fundo, deixar claro os diferenciais da sua empresa, valores e, principalmente, o propósito da sua marca (o motivo pelo qual sua empresa existe) mostra que você tem um caminho a trilhar, você tem um porquê acordar cedo todos os dias. 

E, como vimos nos conceitos do Marketing 4.0, o seu consumidor quer isso. E o seu colaborador também.

Ter isso alinhado facilita o reconhecimento de identidade para seu público, as contratações ficam mais claras, mais eficazes e otimiza o tempo da sua empresa. Você tem um caminho para seguir. Ele pode mudar, mas você vai saber qual escolher, com mais facilidade e sabedoria, se souber para onde está indo.

Não se esqueça: o planejamento precisa estar alinhado às tendências de comportamento do consumidor, ao Marketing 4.0. 

2. Seja responsável, de verdade

Não adianta fazer por fazer, precisa ser pensado, precisa ser estratégico e, acima de tudo, você não deve, em hipótese alguma, pensar apenas na lucratividade da sua empresa. 

Deve pensar nela, atrelada a fazer deste, um mundo melhor. 

Saindo dos padrões, incluindo, diversificando, sendo sustentável, investindo e contribuindo com a economia local, esforçando-se para trazer para sua empresa, a inovação em todos os sentidos.

Ser responsável, significa importar-se com o que você está dizendo para seu público, importar-se com o que o público está dizendo para sua empresa, o que você está trazendo para o mundo e como pode ser uma empresa (e pessoa) melhor, a cada dia.

3. Conheça as estratégias e ferramentas digitais e aplique no seu negócio

As ferramentas e estratégias digitais para fazer seu negócio crescer são muitas. Você precisa conhecer a fundo todas elas para saber como usá-las de forma correta. 

Alguns exemplos são: redes sociais, blog, site, ferramentas de automação de marketing, ferramentas de gestão do Marketing Digital, e-mail marketing, marketing de conteúdo, SEO, mídia paga, desenho de processos de venda, funil de venda, big data, inteligência artificial, etc. 

Com o surgimento do Inbound Marketing (metodologia focada em entender a forma como o consumidor pensa e age com base no contexto digital) as possibilidades aumentaram e são inúmeras.

Você não precisa usar todas elas, claro. Tudo vai depender do tamanho da sua empresa e dos objetivos de crescimento (depende de onde você está e onde você quer chegar, o tal do planejamento).

O importante é você saber onde está pisando antes de começar a usar qualquer ferramenta de Marketing Digital.

Uma das formas de facilitar o início desse processo é contratando algum profissional especializado em Marketing para treinamentos dentro da empresa, alguém com essa especialidade para fazer parte da sua equipe, ou ainda, agências digitais.

4. Faça Marketing de Conteúdo

+marketing de conteúdo

Escreva, faça vídeos, poste, dê dicas, esteja presente, seja presente.

O Marketing de Conteúdo já se mostrou muito eficiente em construir um relacionamento com o público desejado. 

A estratégia aqui é, não apenas divulgar seu produto/serviço em forma de conteúdo, mas também ajudar sua persona a superar os desafios diários que ela tem e nos quais sua marca pode, de fato, ajudar.

Conteúdo relevante, para um público-alvo segmentado, com as ferramentas corretas, é sinal de um relacionamento duradouro.

+como escrever um bom conteúdo

5. Integração online x offline

Surpreenda seu cliente oferecendo uma ótima experiência tanto nos canais online quanto offline. 

Seja omnichannel! Ou seja, de uma forma básica, ofereça “todos os canais”.  Omni, em Latim, faz referência a “tudo, inteiro” e channel, “canal”.

Diferente de Multichannel (ou multicanal) que é quando uma empresa oferece vários canais de compra e atendimento, mas sem estarem conectados entre si (loja física não conversa com site, por exemplo), o Omnichannel traz um conceito mais abrangente: todos os canais de venda e atendimento de uma empresa, interligados e alinhados.

O objetivo é oferecer a melhor experiência de compra possível para seu cliente e, assim, fidelizá-lo. 

Para isso é importante que sua empresa conheça a persona ideal para seu produto/serviço: em quais canais ela gosta de comprar? Quais são seus hábitos e desafios? O que ela precisa que sua empresa pode ajudar? Quais são seus valores?

É preciso também que a empresa esteja alinhada em todos os departamentos: vendas, marketing, atendimento, financeiro, pós-venda, etc. Alinhada em toda a comunicação: linguagem, tom de voz, posicionamento, propósito, valores, missão, visão, seja online ou offline. E alinhada em todos os canais que sua empresa estiver presente: redes sociais, loja física, eventos, site, etc.

Desde o atendimento, até a entrega e pós-venda, seu cliente precisa ser surpreendido de maneira positiva para que tenha uma boa experiência de compra e torne-se um defensor da sua marca.

6. Crie advogados de marca

Uma pesquisa feita pela JitBit aponta que mais de 50% das empresas não conhecem quem são os defensores da sua marca. E 80% das empresas que conhecem, não usam isso para fortalecer a marca.

Advogados de marca são os defensores da sua marca. As pessoas que são fiéis e, mais do que isso, leais a uma empresa. É o último estágio da experiência do seu consumidor, que, segundo Kotler, é composta pelos 5As:

  • Assimilação: o consumidor passa a ter conhecimento da existência de uma marca;

  • Atração: o consumidor a passa a perceber o valor de uma marca, ele descarta as que não fazem sentido pra ele e é atraído pela marca que apresenta conteúdos relevantes, entretenimento, informação ou que quer que seja interessante para o estilo de vida dele;

  • Arguição: busca por recomendações, analisa as experiências de compra de outros consumidores, vai em busca de mais informações da marca (site, redes sociais), tira suas dúvidas e curiosidades.

  • Ação: o cliente escolhe, toma a decisão, efetua a compra.

  • Apologia ou Advocacia: o cliente torna-se fiel. No contexto do Marketing 4.0, isso significa que ele torna-se um defensor da marca, ele vai recomendá-la e não apenas recomprar com sua empresa.

Lembrando que todos esses conceitos devem ser vistos e avaliados tanto no digital (e principalmente no digital) quanto no offline.

Aplicando o Marketing 4.0

Segundo Kantar Futures: “A maneira encontrada pelas companhias para simplificar ao máximo a vida do comprador é apostar na hiper conveniência, quando as facilidades oferecidas quebram as barreiras de tempo e do espaço para a realização da compra. Ações quase que saídas de filmes de ficção científica se tornam realidade no mundo digital e alteram a jornada de compra (“path to purchase”) que passa a ser menos linear, mais interativa e com mais pontos de contato (os chamados “touchpoints”), onde personalizar, criar, dividir e influenciar se tornam peças-chaves para a decisão de compra.”

Em meio a um cenário onde o consumidor tem acesso a muitas informações e pouco tempo, as distrações tornam-se maiores também. A concorrência aumenta, pequenos negócios podem crescer rapidamente e o tempo para você gerar atenção é minúsculo. 

Então seja rápido e criativo para adaptar sua empresa a esse novo ambiente! Gere momentos WOW, fique de olho nas tendências de mercado e consumo, análise os dados e aplique os conceitos aprendidos aqui. 

Sua marca precisa, mais do que nunca, fazer sentido para seu consumidor e para o mundo.

Ficou com alguma dúvida ou quer trocar uma ideia? Me chama aqui ou deixa seu comentário abaixo pra gente conversar :)

Blog

Comunidade Sebrae
Lina Bennemann
Lina Bennemann Seguir

Marketing Humanizado (H2H). Planejamento e Consultoria em Estratégia de Negócios e Marketing. Escritora.

Ler conteúdo completo
Indicados para você