[ editar artigo]

Não sou artificial, mas nunca estive tão digital!

Não sou artificial, mas nunca estive tão digital!

Primeiro gostaria de esclarecer que este texto não foi escrito por um robô, muito menos por um algoritmo desenvolvido para moldar as palavras ou as ideias e atender aos seus desejos mais profundos, apesar de que hoje isso já é bem possível.

Ufa! Estamos entre humanos, pelo menos por enquanto.

Todos os dias, na tela do seu smartphone ou navegando pela internet, você encontra notícias, empreendedores e startups que desenvolvem soluções inovadoras: de um aplicativo para transmitir dinheiro entre amigos, a carros voadores e autônomos, impressoras 3D de alimentos, inteligência cognitiva, terapia genética e uma lista infindável de tecnologias que estão mudando a forma como trabalhamos, consumimos e compartilhamos.

Sim, também não faço a menor ideia como será esse mundo daqui a 5, 10 ou 20 anos e esse é um desafio. Nunca foi tão importante aprender a se adaptar ou a identificar novas oportunidades. Para isso, é fundamental que você tenha uma compreensão do que está acontecendo.

Descobri que tudo isso tem a ver com a Transformação Digital, esse processo complexo e contínuo que vem promovendo a convergência entre o mundo físico, o mundo biológico e o mundo digital. Na prática, a criação e o acesso em escala aos computadores, à internet, aos celulares, entre outras invenções, conduziram à nossa atualidade onde tudo pode ser transformado em dados (bits & bytes). A digitalização das informações e a integração em sistemas e redes possibilitam uma compreensão melhor do perfil dos clientes, da atuação de máquinas, do desempenho de produtos, serviços e pessoas.

As empresas perceberam que a adoção dessas tecnologias facilita a coleta dos dados e potencializa a capacidade de gerar informações e consequentemente a sabedoria para os seus negócios. Um bom exemplo são as redes sociais “gratuitas” em que você compartilha fotos, frases, curte outras publicações e segue pessoas. Ou seja, fornece todos os insumos, por meio do seu comportamento digital, para a construção da sua persona digital. Com base nisso, você recebe a oferta de produtos customizados ao seu momento de vida e, em muitos casos, os anúncios o perseguem independentemente da página em que está navegando. Fato é que só o Facebook prevê faturar mais de 60 bilhões de dólares em 2019 com publicidade direcionada. Não foi à toa que surgiram novas regras em relação a proteção e propriedade dos dados pessoais.

Por outro lado, novas formas de trabalho e oportunidades de negócios surgem nesse contexto. As empresas tradicionais querem e precisam se adaptar. O caminho da jornada passa pela definição de objetivos, estratégias, processos e pela priorização de tecnologias, mas, como existe muita incerteza, errar e aprender são as regras do jogo, ciclos que envolvem a imersão na experiência do cliente, a identificação de problemas, a definição das hipóteses de soluções, o teste, porém investindo pouco e de forma ágil. Por fim, ao medir os resultados, se reinventar e recomeçar o ciclo.

Aí você pergunta: e eu com isso? Bom, o principal desafio está justamente em encontrar pessoas e líderes que possam conduzir essa transformação digital. Habilidades e competências que passam por uma sabedoria tecnológica, capacidade de aprendizado e adaptação, visão sistêmica, resiliência, inteligência emocional e criativa para articular soluções para este mundo exponencial. Mas e as competências técnicas? Claro que serão fundamentais, mas muitas empresas fortalecem o discurso segundo o qual a parte técnica qualquer um pode aprender ou ser treinado, o difícil é atrair, reter e potencializar o comportamento inovador e alinhado ao novo mindset digital.

Uau, tudo isso? E por onde eu começo?

É justamente essa jornada que vamos vivenciar juntos no Connect Maratona. A ideia é que você saia mais confiante e possa estabelecer a sua jornada. Afinal, nunca estivemos tão digitais, não é mesmo?

Blog

Ler conteúdo completo
Indicados para você