[ editar artigo]

Pequenas empresas podem vender ações na bolsa de valores? 📊

Pequenas empresas podem vender ações na bolsa de valores? 📊

Pequenas empresas podem vender ações na bolsa de valores?
Cada vez mais os brasileiros se interessam pela bolsa de valores, incluindo os empreendedores. Como este assunto ainda é cercado de dúvidas, nós vamos explicar como uma empresa pode entrar na bolsa de valores, se os pequenos empreendedores também podem fazer parte e quais os prós e contras disso.

O que são ações e como funciona a bolsa de valores?


Ações são títulos que representam uma pequena parte de uma empresa. Quando o empreendedor quer abrir capital de seu negócio no mercado, ele divide seu patrimônio em cotas que serão distribuídas entre os investidores interessados em adquiri-las e, assim, se tornam acionistas da empresa. Já a bolsa de valores é o ambiente em que as ações das empresas abertas e outros tipos de investimentos são negociados. O intermédio dessas negociações é feito por meio de corretoras. Abrindo uma conta em uma corretora, o investidor pode acessar o mercado e investir na bolsa de valores.

O ingresso no mercado de capitais

                                                                     
Expandir os negócios e ter um bom posicionamento no mercado é um processo que exige uma combinação de fatores, como uma gestão eficiente até a fidelização de clientes. Para isso, muitas vezes, é preciso capitalizar a empresa.

Ingressar no mercado de capitais requer que o empreendedor saiba exatamente o que pretende fazer, uma vez que o investidor vai cobrar resultados. Para isso, é preciso ter um plano muito consistente.

Negociar ações na bolsa de valores exige uma mudança cultural em relação ao que é privado e ao que é público. Por exemplo, os processos de tomada de decisões passam a ser realizadas de forma conjunta nos conselhos de administração, que decidem o que deve ou não ser divulgado.

A empresa também precisa reestruturar a sua gestão e os controles internos, pois o mercado cobra pela transparência das informações. Afinal, os investidores precisam saber qual é o modelo de negócio e quais perspectivas de ganhos se tem com ele.

Para preparar a empresa para a abertura de capital, é bastante comum montar um time especializado para essa transição. Além dos talentos internos, é possível contar com o auxílio de profissionais com experiência em capital aberto, como um CFO que tenha vivência no mercado.

A abertura de capital também exige preparo com o relacionamento com os novos investidores. Portanto, é essencial ter bons profissionais com conhecimento em mercado financeiro e fluentes em inglês, pois a maioria dos fundos de investimentos é estrangeira.

Outro ponto a ser analisado é a “janela de oportunidade”, ou seja, o momento em que os investidores estão mais propensos a apostar em ações. Isso vai depender do cenário econômico. Como a abertura ou fechamento desta “janela” é imprevisível, é importante estar preparado para elaborar toda a documentação, protocolá-la e fazer a oferta no momento oportuno.

Assim, a primeira venda de ações ao público (IPO, do inglês “Initial Public Offering”) em uma bolsa de valores é a abertura do capital das empresas. Uma vez realizado o IPO, a empresa possui capital aberto, tendo acesso a várias alternativas de mercado, que não são disponíveis às empresas de capital fechado.

Small Caps


As ações de empresas menores são classificadas como Small Caps e geralmente possuem valor de mercado inferior a cinco bilhões de reais e menor liquidez na bolsa. Atualmente, essas empresas estão tendo uma melhor performance que o restante do mercado por serem mais voltadas para o mercado interno.

As pequenas empresas podem ter diversas vantagens ao abrir o capital na bolsa de valores. Uma das vantagens é a perpetuação dos negócios. Além disso, cria valor para os acionistas. Isso permite que eles comprem um ativo ou até vendam sua parte na empresa futuramente.

Sabemos que o capital da empresa pode estar sujeito a flutuações do mercado. Pois bem, isso permite que você tenha uma percepção mais ampla e acesse o capital de maneira qualificada. Vender as ações na bolsa de valores é uma boa oportunidade de obter recursos para crescer e até mesmo, diminuir o comprometimento com outras modalidades de crédito oferecidas pelas instituições financeiras.

Mas para que esses benefícios sejam obtidos, é fundamental que a gestão da empresa esteja bem estruturada, com a contabilidade organizada. Um dos pontos-chave é saber separar o que é pró-labore e o que é distribuição de lucros e dividendos. No primeiro caso, é saber separar o que é remuneração pelo trabalho. Já o segundo, o que é remuneração pelo capital, ou seja, o que sobra de recursos, após a apuração do lucro, é dividido entre os acionistas.

Um ponto negativo de abrir o capital é o compartilhamento do controle da empresa. Muitas vezes, é necessário criar um conselho de administração e participação de sócio minoritário. Quando você vende ações na bolsa de valores é preciso ter consciência de que não decidirá tudo sozinho.

Sabemos que abrir capital não é algo muito simples. O IPO é feito para empresas que têm chances de lucratividade. Além disso, existe uma série de despesas, como custo de auditoria, gastos com marketing, compliance etc.

Portanto, vender as ações da empresa na bolsa de valores exige que o empreendedor coloque na balança os prós e contras antes da escolha, pois fechar o capital é um processo difícil e custoso.

Gostou do artigo? Então comente abaixo se você abriu o capital da sua empresa 🙂

🔵 Atendimento Digital SEBRAE 🔵
WhatsApp / Chat / Facebook / E-mail

Blog

Comunidade Sebrae
Sebrae Paraná
Sebrae Paraná Seguir

Especialista em Pequenos Negócios - Atendimento ao Cliente | Marketing | Marketing Digital | Finanças | Gestão | Empreendedorismo | Comunicação | Inovação

Ler conteúdo completo
Indicados para você