[ editar artigo]

Prepare-se para inovar a cultura organizacional da sua empresa

Prepare-se para inovar a cultura organizacional da sua empresa

Todos nós somos guiados por uma série de “botões” em nosso dia a dia. Esses controles nos indicam que direção tomar, quais alternativas considerar. Nos ajuda a classificar ações e pensamentos em “certos” ou “errados” e influencia desde o nosso jeito de falar até a maneira pela qual nos comportamos na fila de um banco. Assim como está presente em várias outras coisas. Em tudo, na verdade.

A esses “botões” damos o nome de cultura. E com as organizações não é diferente. Tudo o que todos os seus membros fazem é delineado e definido por ela. Algo que vai além de códigos e manuais de conduta. E de tempos em tempos, é importante que a organização, assim como nós, reflita a respeito da ainda validade de sua cultura.

Em nosso artigo falaremos a respeito do que é a cultura organizacional e de qual é a importância que há em inová-la.

O QUE É A CULTURA ORGANIZACIONAL?

A cultura organizacional deve ser compreendida como o conjunto de todos os fatores que estão ligados e que pertençam à rotina de uma empresa. Ela é, simplesmente, a força modeladora que define as atitudes, mentalidades, sentimentos e comportamentos de todos os profissionais que façam parte de uma companhia. Todas elas têm uma cultura, independente de seu porte, ramo de atuação, localidade, etc.

Dessa forma podemos já visualizar alguns de seus componentes:

  • As práticas;
  • Os hábitos;
  • Os comportamentos;
  • Os símbolos;
  • Os valores;
  • As crenças;
  • Os rituais;
  • As políticas;
  • Os jargões, ou “língua”, entre tantos outros fatores que estão presentes no dia a dia de todos os colaboradores. Um bom exemplo disso é a prática que vários profissionais têm de promoverem cafés da manhã em seus ambientes, revezando-se entre os outros indivíduos.

QUAL É A IMPORTÂNCIA DA CULTURA ORGANIZACIONAL?

O impacto e o alcance da cultura não ficam naturalmente limitados àqueles fatores que estão ligados ao comportamento do profissional na empresa. Sua importância atinge também o modo pelo qual sua conduta profissional deverá ser executada no seu cotidiano.

Um traço cultural organizacional clássico, por exemplo, é o modo pelo qual os membros de uma mesma equipe atualizam uns aos outros a respeito do andamento de seu trabalho, recebem novos comunicados dos superiores ou buscam novas soluções. Isso se chama reunião. Todo mundo sentado em uma sala, a portas fechadas, com clima soturno e que se estende, geralmente, até um tempo desnecessário que parece não ter mais fim. Um método ultrapassado? Discutiremos a respeito disso muito em breve.

Daí uma das esferas de sua relevância. Todo e qualquer profissional independente de seu nível hierárquico tem curiosidades e expectativas quanto à maneira pela qual seu trabalho deverá ser feito e com quais ferramentas e recursos ele poderá contar para contribuir no cumprimento das metas e objetivos estabelecidos. Ou seja, a cultura também se caracteriza pelas metodologias, processos, técnicas, análises e toda e qualquer rotina diretamente ligada ao seu modus operandi.

Sendo assim, independentemente de sua contemporaneidade ou não, a cultura organizacional define essa rotina como uma das muitas partes que caracterizam o trabalho dos colaboradores. Baseado nisso podemos concluir que sem ela todos ficariam perdidos, sem saber como proceder na realização de suas tarefas, a quem reportar, com quem se comunicar, que documentos preencher, enfim... O caos organizacional reinaria e a produtividade, um dos grandes objetivos da existência da cultura, inexistiria.

POR QUE É NECESSÁRIO INOVAR A CULTURA ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA?

É bastante fácil de compreender que a cultura inicial de uma empresa é aquela que foi definida por seus fundadores. Em empresas já instaladas a um longo tempo no mercado, portanto, seus componentes já ganharam contornos jurássicos e que não se adequam à realidade do mercado, dos colaboradores, fornecedores ou qualquer outro stakeholder que faça parte dos públicos da empresa, perdendo, assim, sua capacidade de servir como a bússola profissional da qual todos necessitam.

Por isso é sempre importante que gestores e líderes, assim como os demais funcionários participantes cultivem um outro fator de suma importância para o sucesso e longevidade de uma organização no mercado: Inovação!

Mas o que vem a ser inovar?

Inovar diz respeito a toda e qualquer ação executada por uma organização no sentido de melhorar algo que ela já faz, produz e/ou vende.

Lembram-se da reunião que mencionei em um tópico acima? Extensa, chata, improdutiva… Será que não há outra forma para que os colaboradores se atualizem, resolvam problemas ou recebam comunicados sem que isso interfira em sua produtividade? Sabemos que a resposta é sim. Categoricamente um sim bem grande.

Como?

Ao final de um ciclo é muito importante que a empresa, em sua totalidade, faça um raio-x de seu desempenho naquele período. Que compare o que projetou e o que efetivamente conquistou do que foi projetado.

Em seguida é importante que as áreas cheguem a um diagnóstico quanto às dificuldades que tiveram ao longo do período e que se tornaram fatores dificultadores em seu trabalho.

A partir desse primeiro momento, a empresa já tem condições de verificar quais componentes de sua cultura devem ser avaliados e levados a um processo de inovação.

Para que essa cultura Inovadora possa ser implantada, os seguintes passos são importantes:

Criação de um ambiente dinâmico e de compartilhamento: Não há, se é que já houve, a era do “eu resolvo” com aquelas estrelas organizacionais que de tempos em tempos surgiam com ideias mirabolantes. Estimule o trabalho em grupo. Dê autonomia para que as pessoas demonstrem porque investiram tanto tempo em qualificação. E reconheça quando as boas ideias surgem;

Crie procedimentos claros e transparentes. Nada pior do que ser julgado sem saber o porquê, não é mesmo? Regras claras. Limites bem definidos. A disciplina ainda não saiu da cartilha do sucesso profissional;

Proporcione os recursos necessários para que se trabalhe: Um ambiente profissional só pode ser chamado assim se permitir que aqueles que o ocupam tenham ao alcance das mãos e dos cérebros as ferramentas que os permitam realizar seu trabalho. Pense fora da caixa e permita uma atmosfera mais leve, como um casual day, objetos de decoração e outros detalhes que façam com que o trabalho não seja uma rotina pesada.

Repense a Visão: Nenhuma empresa deixa de ser influenciada pelo ambiente no qual está. Sendo assim, sua visão deve ser construída levando-se em conta o momento sob pena de cair em descrença por parte dos colaboradores. Escolha fatores coerentes e inteligentes.

Dê atenção aos processos: O modo de se trabalhar deve sempre ser foco de atenção em uma empresa. Métodos como o Design Thinking são bastante úteis ao se repensar a forma como o trabalho pode ser executado para que se mantenha a produtividade.

Continue navegando pela Comunidade Sebrae e encontre outros assuntos de seu interesse!

Comunidade Sebrae
Mário José Martins
Mário José Martins Seguir

Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG) e tenho um MBA Executivo em Marketing pela FGV. Tenho 25 anos de experiência profissional divididos em três campos de atividades: Educação, Serviços Linguísticos e Marketing.

Ler matéria completa
Indicados para você