[ editar artigo]

Recuperação de crédito: cobre durante a crise!

Recuperação de crédito: cobre durante a crise!

Em todo mundo, as regras de isolamento social necessárias para a contenção da pandemia atingem diretamente o comércio, produzindo um "efeito dominó" que vai desde a redução do consumo, até o inadimplemento de dívidas já contraídas antes da quarentena. 

Até o momento não foi editada nenhuma lei obrigando o credor a conceder desconto, realizar o parcelamento ou isentar o devedor de multa, juros ou correção monetária. Ou seja, as dívidas devem ser adimplidas, sendo recomendável que o credor não cesse as cobranças mesmo durante a quarentena, a fim de manter o devedor ciente de seu débito e das formas apresentadas para pagamento. 

Trazemos ainda 6 dicas para cobrar durante a crise:  

1 - Crie um departamento de cobrança: sugerimos que as primeiras cobranças se dê diretamente entre a empresa e o devedor, onde é possível destacar um colaborador para realizar as cobranças através de ligações ou encaminhando notificação. É importante que este colaborador defina horários fixos para se dedicar exclusivamente à cobrança, com atenção e conhecimento sobre a dívida; 

2 - Utilize fichas individuais: para evitar constrangimentos sobre valores ou desconhecimento sobre algum detalhe da negociação, é importante que o cobrador utilize fichas individuais, onde deve constar os dados pessoais do devedor (nome, RG, se está negativado, etc.), dados do contato (telefone e e-mail), valor da dívida bruto e atualizado, data do vencimento e natureza da dívida;

3 - Elabore uma "linha do tempo": a fim de facilitar o procedimento de contato entre o cobrador e o devedor, é essencial que se elabore um processo para todas as cobranças, como numa "linha de montagem". Este procedimento deverá ser elaborado inclusive com modelos de carta de cobrança, script para conversa telefônica e principalmente, datas para cada ato; 

4 - Faça com menos e adie investimentos: como a crise realmente reduziu bastante o poder econômico de muitas empresas e famílias, recomendamos que não realizem investimentos neste momento, como viagem para cobrança presencial, fazendo uso correto de ferramentas como WhatsApp e e-mail, é possível conseguir bons resultados evitando prejuízos ainda maiores; 

5 - Cobre por escrito: além das cobranças por via telefônica, é muito importante que encaminhe sempre cobranças por escrito, como através de e-mail, notificação via correios ou mesmo WhatsApp. Esta medida é necessária para demonstrar a boa fé do credor em eventual ação judicial, além de deixar registrado o interesse de solucionar o conflito através da negociação. Caso cheguem num acordo, as partes também devem formalizá-lo por escrito; 

6 - Procure o JEC: em último caso, o credor poderá ingressar com ação judicial através do Juizado Especial Cível. Neste caso, a demanda poderá ser proposta sem necessidade de representação por advogado em causas de até 20 salários mínimos e sem custas judiciais até 40 salários. Todavia, recomendamos que sempre busque a assessoria de um advogado de confiança para ajudar na elaboração dos procedimentos e análise dos documentos para propositura de eventual processo contra o devedor. 

Conclusão: 

Por fim, ressaltamos a importância do bom senso e respeito às normas de direito do consumidor durante as cobranças, sem que haja exposição do devedor a situação vexatória, podendo gerar dever de indenizar eventuais danos morais. 

Confira ainda como fugir do judiciário e solucionar conflitos com eficiência.

 

Instagram @tolentino_andre

Blog

Comunidade Sebrae
André Tolentino
André Tolentino Seguir

Como advogado, palestrante e articulista, busco ressaltar os pontos de convergência entre patrão e empregado, como meio de colaborar com o desenvolvimento sustentável e humanista. Insta @andretolentinoadv

Ler conteúdo completo
Indicados para você