[ editar artigo]

Tendência do novo normal: 36% das pessoas não querem voltar ao escritório

Tendência do novo normal: 36% das pessoas não querem voltar ao escritório

A Vaipe, startup brasileira de tecnologia voltada para gestão ativa de engajamento de colaboradores - HR Tech - por meio da Pulse Novo Normal feita com mais de 10.000 profissionais em Junho de 2020 identificou que apenas 8% das pessoas gostariam de retornar ao escritório.

De acordo com o Relatório Tendências da Internet 2019 de Mary Meeker, apenas 5% da força de trabalho americana trabalhava remotamente em 2018, sendo que em 2000 era 3%. Dados da pesquisa da Vaipe apontam que a pandemia tende a acelerar a adoção do trabalho remoto já que 92% dos profissionais querem permanecer remoto ou então ter a possibilidade de mais dias em trabalho remoto.

Na iniciativa #QuarentenaVaipe em parceria com a Kronberg, HSM e Vittude, em que mais de 150 empresas aplicaram pesquisas, Pulse a Vaipe já tinha identificado que  38%  das pessoas não tinham passado por experiências de trabalho remoto antes da pandemia. Entretanto, podemos ver que apenas 8%   gostariam de retomar ao escritório com as mesmas políticas de trabalho remoto   de anteriormente. 56% enxergam que seria importante retomar ao escritório com um aumento de dias em  home  office, enquanto 36% não  gostariam  de  voltar presencialmente ao escritório, permanecendo em regime de trabalho remoto.

Nas grandes cidades, como São Paulo, a população passa em média 1 mês e meio presa no trânsito segundo Pesquisa de Mobilidade Urbana feita pelo Ibope em 2016.  Isso se reflete na principal razão para as pessoas preferirem o trabalho remoto: conforto. Esse benefício é entendido por 31% dos pesquisados como o maior fator de influência no trabalho remoto, já que ele traz a redução do tempo de deslocamento e a maior produtividade no trabalho. 

Em segundo lugar como motivador para permanecer remoto, está a segurança. Para 28% das pessoas, não estar exposto a doenças durante o deslocamento até o trabalho e no escritório é o fator que mais influencia a sensação de estar seguro. Isso porque muitos temem ser contaminadas pelo COVID-19 e acabar infectando familiares que moram no mesmo local. 

 

Cabe às lideranças das empresas identificar quais são as novas tendências e se adaptar: se em um primeiro momento tivemos que agir rapidamente em relação à medidas segurança e saúde dos nossos colaboradores, hoje percebemos que um novo cenário se instalou. Aprendemos que é possível sermos produtivos sem estar fisicamente presente no escritório e isso impacta em tudo.

Precisamos rever processos de engajamento, reconhecimento e nos questionar: isso se aplica para o novo normal?

 

Para ter acesso à essa e outras pesquisas do período de quarentena:                          #QuarentenaVaipe

Blog

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você