[ editar artigo]

Trabalho intermitente: Entenda essa tendência e saiba como se organizar para ter qualidade de vida

Trabalho intermitente: Entenda essa tendência e saiba como se organizar para ter qualidade de vida

Especialista explica a importância do equilíbrio e dá dicas de como se organizar de forma mais eficiente, equilibrando as contas e garantindo bem-estar

Em meio a flexibilização da quarentena, o trabalho intermitente tem sido uma alternativa para alguns empresários brasileiros, que se reportam aos colaboradores somente quando há demanda, assim se cria uma relação mais flexível de trabalho.

Vale lembrar que esse tipo de relação, apesar de comum nos últimos anos, só foi formalizada no Brasil com a Reforma Trabalhista em 2017. Com isso, Rebeca Toyama especialista em estratégia de carreira apresenta 5 importantes dicas para auxiliar os colaboradores a organizar melhor o tempo e os objetivos, alcançando assim melhor qualidade de vida.

De acordo com o IBGE, a pandemia do coronavírus foi a mola propulsora para uma queda drástica na economia. Nos últimos cinco meses 5,2 milhões de empregos foram extintos. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), em maio deste ano o Brasil perdeu 331,9 mil postos de trabalho formais, devido à crise econômica. Já nos contratos intermitentes, 2,4 mil vagas foram criadas neste período, e essa modalidade gera 16 mil vagas por ano.

Quando há perda no número de empregos formais, costuma haver um aumento de pessoas querendo abrir um pequeno negócio e se reinventar, enquanto o mercado aguarda o reaquecimento do consumo, da produção e a reorganização dos mecanismos econômicos. Mas sabendo que a realidade com a pandemia é ainda mais difícil, é importante que as pessoas busquem se adaptar para enfrentar esse momento com sabedoria, seja para empreender, trabalhar como autônomo para várias empresas ou outras funções sem vínculo empregatício.

Afirma, Rebeca Toyama, especialista em estratégia de carreira.

Essa modalidade de trabalho gera flexibilidade, tanto para o colaborador como para o empregador, pois as empresas tendem a ajustar o horário trabalhado de acordo com um maior fluxo. E a tendência é que esse número cresça nos próximos meses, pois o setor de comércio e serviços trabalha sob demanda em datas comemorativas. A resposta incerta da situação econômica leva uma demanda pelo trabalho intermitente ou “por projetos” e demandas específicas.

Como ainda existe muita incerteza sobre a retomada das atividades, os contratos intermitentes estão sendo uma saída para as empresas que estão reabrindo, pois assim conseguem avaliar o momento de maior demanda para acionar os trabalhadores. E observando o cenário atual, muitas não pretendem abrir vagas de emprego tão cedo, já que nenhum empresário sabe como vai ser essa retomada da pandemia.”

Comenta Rebeca.

Organização de tempo

A rotina de um colaborador intermitente é de ficar à disposição da organização para quando houver demanda de trabalho, e de acordo com a legislação instituída pela reforma trabalhista, a empresa precisa fazer a convocação com pelo menos três dias de antecedência, e o funcionário tem um dia útil para se organizar e responder. Além disso, o colaborador pode até ter contrato com mais de uma empresa, já que não tem horário fixo com seus empregadores.

A flexibilidade é um dos benefícios concedidos pelo trabalho intermitente, mas vale lembrar que responsabilidade de organização é o que equilibra essa rotina. Segundo Rebeca Toyama, o colaborador precisa ter clareza para equilibrar sua saúde emocional e física, pois só assim conseguirá alcançar bons resultados e manter o bem-estar diante de uma rotina intermitente.

Existem alguns pontos que precisam ser revisados de acordo com sua rotina, mesmo que você tenha somente um contrato com uma empresa, é necessário cuidar de todas as áreas da vida para evitar o aumento de estressores e prejudicar a qualidade de vida. E ainda é importante ressaltar, que uma pessoa só consegue dar o seu melhor quando se tem em mente suas prioridades e quando se administra bem as 24 horas por dia e os 7 dias por semana.

Finaliza Rebeca Toyama.

E para auxiliar os colaboradores intermitentes a se enquadrarem melhor às oportunidades que surgirão com a chegada do final do ano, a especialista em estratégia de carreira, Rebeca Toyama preparou 5 dicas de como se organizar para realizar esse tipo de trabalho.

1- Clareza que o dia tem apenas 24 horas que devem ser equilibradas entre as demandas pessoais, profissionais e o sono;

2- Disciplina para organizar uma rotina intermitente sem abrir mão da qualidade de vida;

3- Entender demandas diversas de diferentes empregadores, sem estresse; 

4- Adaptabilidade para se relacionar de forma saudável com diferentes públicos internos e externos (clientes, gestores e colegas de trabalho);

5- Criar um ambiente familiar colaborativo para manter o bem-estar na vida pessoal em meio à uma rotina intermitente.

Blog

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você