[ editar artigo]

Você já ouviu falar em Economia Solidária?

Você já ouviu falar em Economia Solidária?

         A economia solidária é baseada na autogestão, e pode ser traduzida como ações socioeconômicas organizadas, voltadas para a prestação de serviços, produção de bens, finanças solidárias, trocas, consumo solidário e comércio justo. E o ponto principal dela é a igualdade, com a valorização do ser humano e não do capital, é um um tipo de produção em que o bem comum é mais importante do que o lucro e as vantagens de alguns. É um meio de independência dentro de um processo de democratização econômica, sendo uma alternativa às relações de trabalho convencionais.

      Dentro disso, podemos verificar ela por 3 dimensões:

- Econômica: É a forma como a atividade é realizada, baseada na cooperação de forma democrática. É a realização da Economia Solidária propriamente dita, onde não existem superiores nem funcionários, pois todos os participantes têm as mesmas responsabilidades e benefícios.

- Cultural: É uma forma de viver, é a quebra do paradigma do consumismo, do ter. As pessoas pensam em como estão inseridas no mundo e na forma do consumir, usufruindo da Economia Solidária. É a mudança de pensamento, da competição para a cooperação, da inteligência compartilhada.

- Política: É um movimento social, que luta pelo pensar diferente, que coloca em prática ações para realização de mudanças em toda a sociedade. Reforçando os “valores da solidariedade, da democracia, da cooperação, da preservação ambiental e dos direitos humanos”.

      Você deve estar pensando, mas isto não vai dar certo.

      Vou te dar um exemplo que já está funcionando desde o ano de 1981 - o Centro de Formação Urbano Rural Irmã Araújo (Cefuria) -  eles são uma organização da sociedade civil que atuam a partir da educação popular e da formação política, para fortalecer a organização popular em Curitiba, Região Metropolitana e outros municípios do interior do Paraná.

      Os principais objetivos deles são: “organizar e fortalecer grupos autogestionários de economia popular solidária, visando à construção de um projeto econômico contra hegemônico; fortalecer a comunicação popular, aliada à formação crítica sobre os grandes meios de comunicação e à luta pela democratização da mídia; e promover espaços de articulação entre as organizações do campo e da cidade, impulsionando a luta pela soberania alimentar e processos organizativos na periferia da grande Curitiba” (Cefuria).

       As áreas de atuação deles são: as Padarias Comunitárias, Clubes de Trocas, Associações de Catadores de Materiais Recicláveis e entre a População em Situação de Rua de Curitiba.

      Mas além dessas áreas, você também pode atuar com bancos comunitários, usinas de reciclagem, os centros de tecnologia, empreendimentos de artesanato local e outras ações que são referência para o desenvolvimento local.

              E aí, gostou? O que acha de trabalhar com a economia solidária?

Comunidade Sebrae
Rafaela Teixeira
Rafaela Teixeira Seguir

Estudante de Comunicação Organizacional e apaixonada por atendimento ao cliente.

Ler matéria completa
Indicados para você