[ editar artigo]

Cidades Excelentes

Cidades Excelentes

Em 2010 no Sebrae Paraná, em um Seminário de duas semanas, discutíamos as questões de desenvolvimento local e o papel das cidades.

Percebemos ao longo da nossa existência que muitas pessoas, incluindo empreendedores, moram numa cidade, sem nunca terem saído da mesma e muitas que saíram de suas cidades o fizeram por diversos motivos.

Aí vem perguntas como, quais os motivos que levam uma pessoa a sair da sua cidade natal? qual o conceito de cidade excelente para ela?

E as respostas são inúmeras e depende do ponto de vista de cada pessoa e do tamanho dos seus sonhos, entre outros fatores e que vale para qualquer pessoa empreendedora das nossas 399 cidades paranaenses, cada cidade pertencente a um sistema social próprio, com regras institucionais específicas, criadora de símbolos que dão funções a ela e que tem a sua capacidade própria de produzir serviços a sua população e as suas atividades produtivas.

Tenho perguntado a muitos jovens e pessoas de idade mais avançadas, sobre o que tem as levado sair de suas cidades. E as respostas tem sido mais comuns nos temas de estudo, emprego, saúde, segurança, bem-estar.

E por incrível que possa parecer, os proprietários de pequenos negócios, a exemplo dos negócios maiores, são os que mais se fixam dentro das cidades.

Atualmente com o desenvolvimento das tecnologias da informação e dos processos produtivos e comerciais, permite que cada empreendedor, possa viver em qualquer núcleo territorial, em qualquer sistema de cidades, de acordo com o tamanho dos seus sonhos.

E essa decisão não é fácil principalmente se pensarmos na perspectiva do sistema de cidades a nível mundial que temos hoje no nosso mundo globalizado, e que tomo a liberdade de reproduzir aqui, iniciando do menor para o maior sistema catalogado:

“Cidades-satélites: caracterizam-se por cidades sem autonomia, necessitando de cidades vizinhas par empregos, serviços, alimentos, vestuário, como por exemplo o ABC Paulista e Potsdam perto de Berlin;

Cidades periféricas: são cidades médias, marginais, tomando como exemplo Ponta Grossa, Maringá, Cascavel aqui no Paraná e outros exemplos como Marselha, Glasgow, Porto e Sevilha na Europa;

Metrópoles: são as cidades com longa existência, que guardam sua tradição política, cultural e econômica e apresentam habilidades para se adaptar à economia global, como exemplo Paris, Roma, Atenas, entre outras;

Megacidades: as que apresentam concentração de grandes populações, problemas de habitação, transporte, emprego, educação, saúde, violência, drogas, poluição e onde há a aparente convivência pacífica entre riqueza e pobreza, como por exemplo Rio de Janeiro, São Paulo, Bogotá, Lima, entre outras cidades;

Cidades globais: aquelas que apresentam excelente infraestrutura e oferecem bons hotéis, aeroportos, telecomunicações, internet, sistemas bancário e de seguros, bolsas de valores, para a economia mundial, como por exemplo New York, Tóquio, Los Angeles, Sidney, Zurique, entre outras.” (1)

O nosso desejo é que os empreendedores, seres humanos, em qualquer cidade do sistema global, estejam sempre motivados, buscando constantemente a satisfação de suas necessidades e prestando serviços e geração de valor para a sociedade.

 

(1) Desenvolvimento Local e Gestão Pública – SEBRAE / 2009

Imagem: https://pixabay.com/pt/photos/panorama-regensburg-centro-hist%C3%B3rico-2646143/

 

Cidades Excelentes

Comunidade Sebrae
Paulo Freitas
Paulo Freitas Seguir

Engenheiro, com especialização em Administração Industrial e Logística Empresarial

Ler conteúdo completo
Indicados para você