[ editar artigo]

Como o mundo está se reorganizando financeiramente em tempos de pandemia? | Guia de Tendências 2020-21

Como o mundo está se reorganizando financeiramente em tempos de pandemia? | Guia de Tendências 2020-21

A pandemia do Coronavírus fragilizou o mundo, impactando não apenas nossas vidas pessoais como também nossos negócios. Os empreendedores mais antenados, porém, logo passaram a acompanhar as novas relações que estão se estabelecendo no mercado a partir de agora. Pensando nisso, o Sebrae lançou recentemente o Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia, que traz uma série de informações sobre as novas mentalidades de consumo e novas configurações laborais, durante e pós-pandemia. 

 

Embora o Guia seja de extrema importância para que você, empreendedor, possa compreender melhor sobre o novo cenário global, sabemos que ainda assim "um exemplo pode valer mais que mil palavras”, não é mesmo? Por isso agora trazemos este artigo, que contém diversos exemplos de iniciativas no seu setor que estão captando muito bem o atual Zeitgeist¹ e as novas tendências de mercado!

 

A pandemia chegou e abalou as estruturas do mercado de modo nunca visto pelas gerações atuais. Estudiosos dizem que a última vez que houve um quadro econômico tão grave na história, foi logo após a Primeira Guerra Mundial (um século atrás!). Por isso, nesse momento de recessão em todo o mundo, será essencial que as pessoas se reeduquem financeiramente. Enquanto não soubermos por quanto tempo esta crise irá durar, nem quais impactos ela trará efetivamente ao nosso cotidiano, cortar custos e estudar mais sobre o mercado será não apenas uma demanda, mas uma necessidade dos cidadãos em todos os países. Ainda assim, graças às facilidades e novas possibilidades cedidas pelas tecnologias de conectividade, é certo que não estamos tão encurralados quanto parece.

 

No Canadá, por exemplo, o Toronto-Dominion Bank percebeu a falta de confiança da população para navegar em plataformas de investimentos. Para isso, criou o TD Direct Investing, um centro de aprendizagem com recursos educacionais focados em investimentos. Através da plataforma WebBroker, o centro disponibiliza videoaulas sob demanda, e ainda realiza workshops, seminários e relatórios de masterclasses - tudo online. A variedade de conteúdos também possibilita que usufruam do TD Direct Investing desde usuários iniciantes até investidores mais experientes.

 

Mas como a maioria dos investimentos possuem limite inicial muito alto, muitas pessoas que não possuem tantos recursos financeiros também deixam de investir. Por isso a Mastercard e a Blackrock se uniram para desenvolver a Huddl, uma plataforma de investimentos colaborativos. Desse modo, é possível que as pessoas utilizem o que tiverem disponível para que, juntas, possam realizar investimentos maiores. Ainda em desenvolvimento, o mercado de investimentos 'Huddl' permitirá que os usuários iniciem com apenas US$ 5 e que economizem até 60% em taxas. 

 

Ainda em território norte-americano, outra empresa a lançar um sistema de educação financeira foi a canadense Treasure. Dessa vez, porém, o público contemplado são os pequenos: a plataforma online desenvolvida pela empresa tem o objetivo de ensinar crianças e adolescentes a compreenderem melhor sobre dinheiro e como utilizá-lo. Através de um aplicativo, os usuários-mirim podem rastrear seus saldos e movimentar suas contas de poupança, gastos, doações e metas, igual gente grande. Além disso, é possível também ativar um recurso de recompensas, para que os pequenos lucrem através de tarefas e, com isto, compreendam o valor do dinheiro. Segundo a empresa, que acredita que o aprendizado prático é a melhor maneira de ensinar crianças, quando elas "trabalham para ganhar" tomam mais consciência dos esforços envolvidos e torna-se menos provável que gastem descuidadamente.

 

Mas voltando ao público adulto, outra plataforma de gestão financeira é a Moneon, da Rússia. Com uma ampla variedade de utilitários, o app conta com um rastreador de gastos dos usuários, sendo possível criar categorias, notas, orçamentos e até acessar uma calculadora integrada. Já entre os recursos pagos, estão incluídas ferramentas como controle de dívidas, carteiras compartilhadas e relatórios mensais, além de disponibilizar ajuda direta aos usuários que desejam melhorar sua saúde financeira, sem a necessidade de realizar encontros presenciais. Rastreando e analisando todos os gastos mensais, o app promete ajudar os usuários a reduzirem até 25% dos gastos mensais.

 

Na Estônia, o banco SEB (Skandinaviska Enskilda Banken) também está oferecendo atendimentos remotos para consultas financeiras. Nesses atendimentos, que agora podem acontecer por videochamadas, é possível realizar serviços como: alteração de limites de serviços bancários, consultas sobre possibilidades de empréstimo (ou de economia, investimento, ou seguro de vida), e até abertura de contas particulares ou mesmo empresariais. Para acessar a este formato de atendimento, basta que o cliente preencha um formulário de registro online e aguarde o contato do banco, que agendará o horário para o "videoatendimento".

 

Saindo do universo individual e indo para ações que priorizam o bem-estar coletivo, a Railsbank, de Londres, é uma iniciativa de inclusão financeira para instituições de caridade e pessoas vulneráveis. O projeto faz com que departamentos governamentais, ONGs e grupos comunitários unam-se para distribuir apoio financeiro diretamente às pessoas ou instituições que estão sofrendo grandes impactos negativos com a COVID-19. O suporte financeiro pode ser creditado instantaneamente em cartões dos beneficiários, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Além disso, todas as transações são totalmente rastreáveis ​​no aplicativo e no portal da web, fornecendo maneiras simples e transparentes de coletar e enviar dados. A tecnologia utilizada, Lightning Aid, é responsável por toda a infraestrutura das operações e foi projetada para escala global, já estando disponível em regiões como Reino Unido, Europa e Cingapura.

 

Considerando todas as soluções apontadas acima, é evidente como os recursos virtuais e de conectividade estão sendo cruciais para gerar novas saídas para a crise. Desde ideias simples, como disponibilizar videoaulas ou extender as opções atendimentos e consultas via videochamadas, até à construção de sistemas mais complexos que facilitam transações e criam novas possibilidades de gerenciamento financeiro, o fato é que todas as ideias partem da análise de problemáticas atuais e da utilização das tecnologias já existentes. O segredo está, na verdade, na capacidade de compreender as novas necessidades do mundo, conhecer as ferramentas disponíveis e unir estes dois saberes a fim de gerar algo efetivamente útil para a sociedade. Por isso, perguntamos:

 

E você, empreendedor, quais necessidades ainda não atendidas tem notado na população? De que modo o seu negócio pode ajudar seus clientes, ou sua comunidade, financeiramente?

 

Para mais ideias inspiradoras, confira o nosso Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia!
___

¹ Zeitgeist: 'Espírito do Tempo', em alemão. Conceito difundido pelo filósofo Hegel no séc. XVI para se referir à cultura específica de uma época.

Crédito 💲

Comunidade Sebrae
Mauricio Reck
Mauricio Reck Seguir

Consultor de Inovação no Sebrae/PR & CEO na UNA Smart!

Ler conteúdo completo
Indicados para você