[ editar artigo]

Como não deixar a ansiedade dar aula em seu lugar

Como não deixar a ansiedade dar aula em seu lugar

Ser professor(a) é uma das melhores experiências que existem.

Vivemos cercados pelos assuntos que mais amamos e trabalhamos ensinando as futuras gerações, mas isso não quer dizer que não temos problemas.

A ansiedade é uma das grandes dificuldades que os professores enfrentam no seu dia a dia.

E nem falo da ansiedade patológica e diagnosticada, mas do sentimento mesmo, que alcança vários de nós.

Cada professor tem suas técnicas para não deixar que a ansiedade tome conta da aula no seu lugar.

Vamos conversar sobre algumas?

Baixe uma âncora no presente

A ansiedade vem do medo em relação ao futuro.

Ela assume o controle dos nossos pensamentos e nos faz ver cenários estressantes, que ganham vida apenas por causa dela.

Para lutar contra isso, ficar no tempo presente pode fazer toda a diferença.

Baixar uma âncora no presente não é uma atividade fácil e cada pessoa vai descobrir como fazer isso de uma forma que funcione para si.

Para algumas, os exercícios de respiração já fazem todo o trabalho. Seja contando até dez ou notando a diferença entre uma respiração e outra.

Esses exercícios fazem parte da meditação mindfulness, que busca situar quem medita no tempo presente.

Além disso, a meditação mindfulness traz outras ferramentas para o professor se livrar do estresse, como visualização do ambiente, fuga mental e o simples processo de notar e não se engajar com seus pensamentos e sensações.

Busque apoio

Dar aula é um exercício coletivo entre você e os alunos, mas, enquanto eles têm uns aos outros para se apoiar, você, como professor(a), não tem seus colegas ao lado.

Precisamos deixar isso mais justo, não?

Por isso, é bom contar com um grupo de apoio e de discussão.

Pode ser um grupo de professores do mesmo colégio, amigos de longa data ou antigos colegas de faculdade.

Você precisa de um grupo de pessoas envolvidas em vivências parecidas e que estejam disponíveis para compartilhar casos e ouvir os seus.

Por meio dessas trocas, vemos o que cada um passa e nos sentimos mais amparados.

Além disso, o problema que você pode estar enfrentando em sala de aula pode já ter sido resolvido por algum colega, e ele pode ajudá-lo(a) com isso.

Comunicação faz toda a diferença.

Cuide de você

Muitas vezes, parece que a vida é apenas trabalho.

Especialmente em tempos de distanciamento, em que os problemas do trabalho entram em nossa casa e se esparramam pelo sofá.

Se não bastasse isso, a ansiedade ainda rouba um tempo de pensamento e cuidado que deveria ser de nós para nós mesmos.

Cuidar de si é essencial para ajustar a balança. Afinal, se a gente não fizer isso, quem vai?

Preste atenção ao seu corpo, à sua cabeça e ao seu humor. Faça exercícios físicos, nem que seja pequenos alongamentos entre as aulas.

Cuide da alimentação e tenha atividades de lazer para curtir sua própria companhia, como ler, ver um filme ou ouvir música.

E não se esqueça de socializar, conversar com pessoas da mesma idade que você e trocar experiências de vida.

Aliás, tente se mostrar vulnerável nessas conversas. A vulnerabilidade é a moeda de troca do diálogo.

Lembre: nem tudo está sob o seu controle

Buscamos parecer mais fortes para manter o controle sobre as coisas, e isso gera ansiedade.

Em sala de aula, muitas vezes tentamos manter o controle sobre todos os alunos, e isso gera ansiedade.

Nós precisamos, sim, ter algum controle sobre nós e sobre o ambiente, mas é impossível ter o controle total da situação.

E está tudo bem com isso. Lembre-se de se perdoar pelos seus erros e de deixar as coisas fluírem.

Você não precisa controlar tudo.

Comunique-se

Trocar ideias e experiências é essencial. Que tal começar por aqui?

Conte para mim algum problema de ansiedade que você teve ou alguma dica para resolver isso.

Desafios da Educação

Comunidade Sebrae
Juliana Bacilla
Juliana Bacilla Seguir

Consultora de Negócios em Educação Empreendedora no Sebrae/PR.

Ler conteúdo completo
Indicados para você