[ editar artigo]

COMO LIDAR COM OS NOVOS FORMATOS DE MERCADO QUE ESTÃO SE ESTABELECENDO? | Guia de Tendências 2020-21

COMO LIDAR COM OS NOVOS FORMATOS DE MERCADO QUE ESTÃO SE ESTABELECENDO? | Guia de Tendências 2020-21

 

A pandemia do Coronavírus fragilizou o mundo, impactando não apenas nossas vidas pessoais como também nossos negócios. Os empreendedores mais antenados, porém, logo passaram a acompanhar as novas relações que estão se estabelecendo no mercado a partir de agora. Pensando nisso, o Sebrae lançou recentemente o Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia, que traz uma série de informações sobre as novas mentalidades de consumo e novas configurações laborais, durante e pós-pandemia. 

 

Embora o Guia seja de extrema importância para que você, empreendedor, possa compreender melhor sobre o novo cenário global, sabemos que ainda assim "um exemplo pode valer mais que mil palavras”, não é mesmo? Por isso agora trazemos este artigo, que contém diversos exemplos de iniciativas no seu setor que estão captando muito bem o atual Zeitgeist e as novas tendências de mercado!

Fonte: Willo

 

O agronegócio pode não ter sido o mais negativamente afetado, mas sem dúvidas também sofre grandes impactos e adaptações necessárias a partir da crise da pandemia. Entre os principais fatores, podemos citar a redução de acesso a itens importados, volatilidade dos commodities agrícolas, volatilidade da taxa de câmbio, recessão econômica, diminuição da renda da população, entre outros. Estes e demais exemplos geram agora um novo cenário para o setor do agronegócio, que vem para transformar o mercado e consolidá-lo em um novo formato muito em breve.

 

O momento caótico atual tem exigido que as pessoas fiquem mais reclusas, de modo que produtores estão limitados às suas fazendas e cartórios estão operando com expediente bastante reduzido, por exemplo. Como forma de contornar esta situação, que dificulta a emissão de documentos e processos de formalização para produtores, a plataforma brasileira Ativus foi criada para facilitar o atendimento entre ambos os grupos. Nela é possível emitir CRPs (Cédulas de Produto Rural) em formato totalmente digital e viabilizar a comercialização documentada de produtos agrícolas para produtores que não podem ir presencialmente aos cartórios - basta apenas que o usuário possua certificado digital no padrão ICP-Brasil.

 

Outra iniciativa nacional que está sendo exemplo em digitalizar processos legais comerciais foi criada pela Luckro. A empresa o aplicativo LuckroSpot, uma plataforma B2B para captar, monitorar e promover a correta exibição dos produtos em todo tipo de varejo. Entre as ferramentas e recursos, está a certificação por fotografias (feitas pela equipe de vendas ou pelos próprios varejistas), análise das imagens através de Inteligência Artificial (com até 95% de precisão), e incentivos financeiros às equipes e varejistas que souberem fazer a "foto do sucesso". Isso porque cada fotografia feita com o app acompanha um carimbo automático que exibe data, hora e localização de onde foi feita a fotografia, podendo ser compartilhada em qualquer aplicativo externo. Isso permite que varejistas, transportistas e as marcas detentoras dos produtos, realizem sua comunicação com mais praticidade e transparência, evitando ainda a necessidade de visitas presenciais.

 

Para lidar com as novas restrições de mobilidade na pandemia que impactam diretamente a economia das produções locais, as Filipinas também encontraram mais uma solução interessante. Mesmo que os supermercados tenham permanecido abertos durante a quarentena no país, muitas pessoas preferiram não sair de suas casas e optaram por serviços de entrega. Para continuar entregando produtos de qualidade à população e ainda ajudar os produtores locais, o departamento da Agricultura e a empresa Grab Phillipines se uniram em uma parceria para vender online produtos agrícolas locais. Com apoio do governo, uma plataforma foi disponibilizada no site da eKadiwa, o qual disponibiliza uma lista de produtores da região e seus respectivos produtos (todos a preços acessíveis). Ao finalizar a compra, o consumidor recebe os produtos em casa, entregues pela GrabExpress.

 

Nos Estados Unidos, além da questão de mobilidade, a solução trazida pela Willo considera também a problemática das diversas doenças decorrentes da utilização de produtos químicos no cultivo de plantas e alimentos. Por isso, o serviço de assinatura permite que os clientes recebam mensalmente suprimentos como vegetais e legumes livres de agrotóxicos e similares. O serviço funciona a partir de um armazém da empresa, onde os usuários podem ter uma fazenda vertical privada, assinando seu próprio "lote". Cada um desses "lotes" é uma torre de plantação cultivada sob luzes LED, capaz de fornecer um ambiente controlado para que os alimentos se desenvolvam sem uso de pesticidas e com o mínimo necessário de água. Desse modo, é possível que a população possa começar a consumir alimentos naturais de forma mais segura e saudável.

 

Fonte:Atlast Food Co.  Tradução: "Bacon sem o oink! (porco)”.

 

Falando em alimentos naturais, a Atlast Food Co. promete ter desenvolvido o que seria o primeiro bacon à base de plantas que realmente tem gosto de bacon. Ao trabalhar com as raízes ricas em nutrientes dos cogumelos, a empresa conseguiu criar o Atlast Bacon, replicando cor, textura e sabor muito fieis aos do bacon tradicional. Graças ao crescimento do micélio e a um método de cultivo chamado fermentação em estado sólido, as fibras se assemelham ao tecido muscular que é comumente visto em cortes inteiros de carne. A alternativa de bacon nutritivo e repleto de proteínas depende da rede de fibras cultivadas pelo micélio, além de alguns outros ingredientes, como gorduras e sabores à base de plantas. Com um crescente interesse do público por dietas que evitam o consumo de carne (como as veganas ou vegetarianas), o Atlast Bacon é uma alternativa inteligente que se adapta às novas demandas de mercado, atuando não só a favor da proteção animal como também do meio-ambiente, já que a não-exploração animal ainda reduz a emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa.

 

Em todos os exemplos trazidos acima é notável a incidência de temas como digitalização, novos formatos de processos internos, novos formatos de comunicação, e novos hábitos de consumo - estes especialmente preocupados com a procedência dos produtos e com seus impactos ao meio-ambiente. Para alguns talvez estas não pareçam grandes novidades, mas o ponto é que, na verdade, a pandemia acelerou diversas tendências anteriores e as trouxe à tona para a superfície. Se antes havia dúvidas sobre suas relevâncias, agora não há mais. 

 

Para os produtores e empreendedores, não é possível sustentar os negócios por muito mais tempo ignorando estes assuntos, que compõem significativamente o tal do "novo normal".

Por isso perguntamos:

E você, pequeno produtor e empreendedor, está atento a estes sinais? O que está sendo feito no seu negócio para atendê-los?

 

Para mais ideias inspiradoras, confira o nosso Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia!

__

¹ Zeitgeist: 'Espírito do Tempo', em alemão. Conceito difundido pelo filósofo Hegel no séc. XVI para se referir à cultura específica de uma época.

Do Campo à Mesa

Comunidade Sebrae
Mauricio Reck
Mauricio Reck Seguir

Consultor de Inovação no Sebrae/PR & CEO na UNA Smart!

Ler conteúdo completo
Indicados para você