[ editar artigo]

“Cooked”: Um Delicioso Convite para nos Conectarmos com nossa Essência Alimentar

“Cooked”: Um Delicioso Convite para nos Conectarmos com nossa Essência Alimentar

 

Muitos já ouviram falar de Michael Pollan, escritor e professor de jornalismo da Universidade da Califórnia em Berkeley. Ele defende que não devemos “comer nada que nossas avós não reconheceriam como comida” e lista regras de ouro para uma boa alimentação. Em um dos seus livros, “Cozinhar - Uma História Natural da Transformação”, Pollan apresenta histórias sobre a transformação da comida com base nos quatro elementos da natureza: fogo, água, ar e terra.


Boa notícia para quem prefere telas a livros: esse conteúdo está disponível no Netflix pela série documental “Cooked”, que se divide em quatro episódios também pautados nos quatro elementos. 

Vamos conversar sobre esta série, em que Pollan é co-criador e estrela, sem (muito) spoiler?

Errou quem pensa que é um documentário pró-vegetarianismo, contra lactose ou anti glúten. Acertou quem acha que os episódios apresentam rico panorama – tão histórico quanto contemporâneo – em torno da alimentação. Não é sobre alimentos, é sobre nossa relação com a alimentação. Não é sobre receitas de saúde, é sobre o papel transformador da comida no nosso cotidiano. Resgata-se o caçar e o colher, o cozinhar e o compartilhar, apresentando belos e simples cenários ao redor do mundo.

Quando percebemos reflexos negativos da dieta ocidental em nossa saúde, vamos à nutricionista e decidimos nos alimentar melhor. Mas será que estamos conscientes da nossa alimentação? Será que estamos conectados com o significado do cozinhar e do comer? Será que estamos de fato comendo melhor?

"Cooked" cuidadosamente nos leva a perceber como a alimentação é uma importante esfera de nossas vidas, deixando uma pontinha de saudade de quando víamos nossas avós no fogão e sentíamos cheiro de amor (e não era daquele famoso tempero industrializado). Ao longo dos episódios, a série nos mostra a vida de caçadores australianos (Fogo), a culinária indiana (Água), os campos marroquinos e seus pães (Ar) e a peculiar técnica de fermentação peruana (Terra). 

Como poucos documentários de alimentação, "Cooked" se desenrola com uma pegada mística, científica, romântica e realista ao mesmo tempo, fascinando todo e qualquer curioso da cultura alimentar. E o mais importante: ao longo dos fatos e retratos, nos mostra nosso papel na garantia de um sistema agroalimentar saudável e sustentável.

Adaptando uma frase de Wendell Berry, Pollan defende que comer é um ato político e nos mostra, em "Cooked", que a alimentação é muito mais do que comida e nutrição: representa nossa cultura, nossos hábitos, nossa forma de nos relacionarmos e nossa interação como cidadãos. 

Por fim, um dos aspectos mais bonitos na série é que ela está voltada para o preparo da comida e não para o alimento em si, e nos faz refletir como o processo é importante. Nesse contexto, um alimento industrializado convencional pode ser considerado “vilão”, e não por fazer mal ou não ser muito nutritivo, mas por não apresentar uma história e possuir fim em si mesmo.


Colaboração: Isadora Bacha Lopes  (Professora da UFMS e Doutoranda em Administração da UNB)

Do Campo à Mesa

Comunidade Sebrae
Mayra Viana
Mayra Viana Seguir

Analista técnica do núcleo de Alimentos e Bebidas da Unidade de Competitividade do Sebrae Nacional. Doutoranda em Administração pelo PPGA/UNB, com ênfase em comportamento do consumidor. Pesquisadora do grupo de pesquisa Conscient da UNB.

Ler conteúdo completo
Indicados para você