[ editar artigo]

40 anos de história – Casa das Linhas Heluana “a loja escola”

40 anos de história – Casa das Linhas Heluana “a loja escola”

A nossa história começa em agosto de 1980 quando depois de 5 anos morando em Realeza (sudoeste do Paraná) decidimos (eu e meu marido) comprar uma loja de arranjos, flores e alguns aviamentos que existia na cidade.

 

No começo meu marido não era convicto do negócio, não acreditava muito que pudesse dar certo, diferente de mim, que já tinha tudo em mente.  Meus planos era de juntar minha profissão de professora e a paixão por lecionar com uma loja onde eu pudesse ensinar a fazer tricô e crochê a todos os clientes. Eu não pensava somente num simples comércio. Eu pensava numa loja onde fosse uma verdadeira escola e assim poder ajudar as pessoas.

 

Depois que o negócio já era nosso decidimos mudar o nome e homenagear as minhas duas filhas (na época ainda não tínhamos o nosso 3º filho) juntando os dois nomes e criando a Casa das Linhas Heluana (Heluana = Heloise e Luciana).

 

Os primeiros tempos foram muito difíceis pois era complicado conciliar a administração de uma loja e cuidar de duas crianças pequenas. Foram dias de muita exaustão e trabalho duro, mas nunca pensei em desistir, pois o meu sonho e foco me impulsionavam e não me deixavam renunciar a tudo que eu já tinha criado. 

 

Digo sempre que tenho muita sorte e, neste momento difícil não foi diferente, pois recebi amparo de pessoas próximas e maravilhosas. Assim seguimos em frente. Me dediquei ao trabalho e comecei a colher os frutos recebendo cada vez mais clientes e alunos. O negócio foi crescendo e eu já não dava mais conta de ensinar sozinha, foi quando tive que contratar uma nova professora para ensinar e passei a me dedicar mais intensamente ao atendimento e à gestão do negócio. Embora meu marido, Luiz, não trabalhasse comigo ele tinha experiência na área financeira então o deixei responsável pela parte financeira e de pagamentos.

 

Três anos depois nasceu nosso terceiro filho o Luiz Alexandre. A vida seguia muito bem, tudo indo como eu tinha imaginado, mas em fevereiro de 1987 indo com a família toda a passeio na casa de parentes, sofremos um gravíssimo acidente de carro.

As crianças não se feriram. Meu marido se machucou um pouco e eu sofri graves ferimentos. Perdi 70% do meu rosto com apenas 36 anos. Foram muitas cirurgias, muita luta e dor, mas eu nunca pensei em desistir e sentia cada vez mais vontade de viver. Sempre agradeci e agradeço por estar viva.

Foram tempos difíceis. Novamente, mas como já mencionei em outras ocasiões, para mim Realeza não é apenas uma cidade e sim uma grande família que me acolheu e até hoje me acolhe.

Infelizmente, o meu caso foi muito sério e sem termos recursos financeiros fomos  praticamente obrigados a procurar um dos melhores cirurgiões plásticos da época o Prof. Dr. Ivo Pitangui. A cidade se uniu para levantar recursos e me ajudar a realizar as 5 cirurgias necessárias para a reconstrução da minha face. Superei toda esta fase árdua. Aos poucos voltei a tralhar duro e voltamos a crescer. Conseguimos comprar nosso estabelecimento físico e realizar mais um sonho.

 

Em 2003, fiz o Empretec pelo Sebrae e foi um verdadeiro divisor de águas.  Colocando em prática todo o aprendizado e priorizando sempre nossos clientes, expandimos os cursos e os ensinamentos. Passamos a ter aulas de pintura em tela e tecido, tricô, crochê, bordados diversos, macramê e bordados em chinelo.

 

Em 2016, depois que meu marido se aposentou, ele decidiu fazer parte da nossa equipe e assumiu a informatização de toda a loja, facilitando assim o controle das vendas e do nosso estoque grande e complexo.

 

Em 2020 veio a pandemia do coronavírus.  Enfrentamos muitas dificuldades como todos os comerciantes e o mundo em geral, pois além de fecharmos a loja por 15 dias, tivemos que cancelar por tempo indeterminado todos os nossos cursos presenciais. Vimos a nossa receita despencar e ficamos preocupados não somente com o futuro da loja, mas também com o futuro das nossas funcionárias e dos clientes que dependem de matéria-prima que vendemos para sobreviver.

 

No meio de todo este caos, em meio a conversas em família para achar alguma solução,  surgiu uma ideia  linda e muito inusitada (pelo menos para mim) proposta pelos meus filhos e pelo meu neto de 11 anos, onde eu me tornaria a personagem principal e me viraria a “ Vó blogueira” gravando vídeos para ensinar as pessoas a fazerem tricô e crochê pelas redes sociais. Minha primeira reação foi de espanto e resistência, pois achava que ninguém ou poucos iriam ver os vídeos.  Depois de muita insistência, decidi afrontar o medo e a timidez e resolvi gravar o primeiro vídeo, onde ensinei a fazer uma peça fácil, chamada de “touca descolada”.

Sem muito pretexto, publicamos o vídeo no Facebook e para a minha surpresa foi um sucesso e teve mais de cinco mil visualizações. Fiquei fascinada com o poder de alcance de tantas pessoas pela internet, nunca imaginei!

 

Depois deste vídeo fizemos muitos outros. As visualizações e aceitação do público só aumentam.  O sucesso foi tanto, que meu neto Pedro criou no Youtube o nosso canal “Arte entre Linhas”, onde ensinamos receitas fáceis e práticas. Estamos tendo um retorno imediato e nossas vendas aumentaram em 30%.

 

Além do canal no Youtube e da nossa página no Facebook e Instagram, criamos também um site (www.casadaslinhasheluana.com.br) onde mostramos e vendemos online produtos e trabalhos de vários artesões. Também onde passamos a aceitar pedidos. Temos também grupos de WhatsApp assim chamados: “Cantinho do Crochê”, “Artesanato Realeza”, “Crochê e Companhia”, onde divulgamos nossos produtos e as produções manuais feitas pelos nossos clientes para venda.  

 

Atualmente, nossa equipe é formada (além de eu e meu marido) por três funcionárias que são responsáveis pelo setor de vendas e produção de peças manuais e pela minha filha mais velha, que passou a fazer parte da empresa em abril deste ano, assumindo o setor de marketing e mídias sociais.

 

Espero que nossa história sirva de exemplo para outros empresários e inspire muitas pessoas. Porque sempre vale a pena acreditar na gente, na família e em Deus.

Empreendedorismo Feminino 👠

Comunidade Sebrae
Heloíse Gomes de Moraes
Heloíse Gomes de Moraes Seguir

Fui agente do PA em Realeza- Pr, por 4anos. Tive a oportunidade de muito conhecimento, aprendizado e amizades. Agora estou colocando em prática pelo fato de me tornar Empreendedora e colaboradora da Casa das Linhas Heluana. Gratidão a todos!!!

Ler conteúdo completo
Indicados para você