[ editar artigo]

Artesanato e Maternidade

Artesanato e Maternidade

 

Sou Fernanda Piovesani Macedo, tenho 35 anos, casada, tenho uma filha de dois anos e sou formada em Moda pela UEM.

O artesanato sempre esteve presente em minha família com minha mãe e tias, de uma forma bem caseira para o consumo nosso mesmo: costuras, crochê, bordados, tricô. Quando adolescente minha mãe começou a pegar encomendas de bordados de roupas para festas. Esse foi meu primeiro contato profissional com o artesanato, minha mãe me ensinou a bordar e as peças que eu bordava ela me pagava. Eu sempre gostei muito desse universo da arte com linhas, agulhas e tecidos, fui tomando gosto cada vez mais e me decidi a cursar Moda na faculdade.

Sempre gostei mais da parte manual então, quando terminei o curso, fui trabalhar como modelista. Trabalhei durante 10 anos na indústria da moda, em fábrica de mochilas e bolsas de couro que tem um processo bem artesanal em sua produção.

Veio uma crise no ramo da moda e fui demitida, bem no final do ano e pensei: o que fazer agora até conseguir uma recolocação? Resolvi fazer laços que é algo que sempre achei lindo, assisti vários vídeos e vi que tinha tudo a ver comigo e comecei a produzir. Em 2017 não consegui nenhuma oportunidade de trabalho no meu ramo, cheguei a trabalhar no comércio como vendedora e segui fazendo os laços, comecei a participar de feiras, fui tomando gosto e cada vez comprando mais materiais.

Eu e meu esposo, decidimos ter filhos, então no momento não iria mais procurar emprego e sim continuar o meu negócio, assim eu conseguiria me dedicar ao bebê e também ter uma renda. Comecei a profissionalizar o negócio, criei logomarca, investi em embalagens, ampliei a gama de produtos, incluindo coisas que também pudessem ser usadas por meninos, por exemplo: babadores, almofadas térmicas para as cólicas, naninhas, além de criar kits de calcinha e laços, produzir laços com tecidos diferenciados e com costura.

Ainda não vivo do artesanato, mas eu sei que posso chegar lá!

Minha expectativa é que, após a pandemia, minha filha (que já está com dois anos) irá para escola e eu me dedicarei ainda mais ao meu negócio. Sei que daqui para frente minha vida profissional sempre estará ligada ao artesanato, que amo muito. Eu posso até mudar de produtos, de técnicas, de materiais, mas, não deixarei de ser artesã.

Me traz muita alegria e satisfação ver um produto finalizado e saber que fui eu quem criou, peguei o tecido, tesoura e linha, executei tudo do princípio ao fim, tudo isso me deixa muito feliz e essa é a minha história.

Meu Instagram e meu Facebook são @caprichosdafer e será um prazer recebe-los e trocarmos informações sobre o universo do artesanato.

Empreendedorismo Feminino 👠

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você