[ editar artigo]

Desigualdade de gênero: problema de TODOS, mas responsabilidade de Ninguém?

Desigualdade de gênero: problema de TODOS, mas responsabilidade de Ninguém?

 

De acordo com a recente pesquisa, Situação da População Mundial 2020 (30/06/2020) feita pela UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas), levará quase um século para fechar a lacuna global de desigualdade de gênero no mundo e mais de dois séculos e meio para o fechamento da lacuna em termos de participação na economia.

Para agravar mais a situação, uma segunda pesquisa envolvendo 80% da população do mundo identificou que 90% dos homens e (pasmem) mulheres também, têm algum tipo de preconceito contra as mulheres (PNUD, 2020).

No cenário brasileiro, 26% das meninas se casam antes dos 18 anos, isso quer dizer um em cada quatro meninas. Mais que a média mundial (20%) e a média da América Latina (25%).

(Dados retirados do site da ONU)

Ainda com base no relatório, o custo para eliminar de uma vez por todas o casamento infantil em todo o mundo seria de 35 bilhões de dólares (aproximadamente 187 bilhões de reais) em dez anos.

Se a situação já era preocupante, devido a COVID-19, ela se tornou alarmante. A estimativa agora é que o número de casamentos precoces aumente mais 13 milhões entre 2020 e 2030.

É nítido que as jovens mulheres, se não devo dizer crianças, são as prejudicadas nessa história.  E todos nós, independente da opção sexual, cor, raça, credo ou nacionalidade, precisamos agir urgentemente para amenizar essa situação. Afinal, somos todos seres racionais em evolução constante e, não podemos permitir que esse tipo de contraste ainda ocorra na humanidade.

É preciso cobrar alterações judiciais e econômicas dos governos sim. Sobretudo, no que tange à educação, pelo fato de que garotas com apenas o ensino primário têm duas vezes mais chances de se casar precocemente do que as com ensino médio ou superior.

Contudo, não podemos deixar de iniciar as mudanças dentro de casa também.Agora, vocês me perguntam como?

  1. Educando nossas crianças e conscientizando os mais velhos sobre vieses inconscientes que naturalmente temos;
  2. Dando para as meninas acesso às outras perspectivas de futuro, além da opção de se casar, ser sustentada pelo marido em troca de comida, roupa lavada e criar seus filhos;
  3. Abrir mais oportunidades dentro do mercado de trabalho, promovendo a equidade entre todos. Cada uma com as suas qualidades e distinções, pois isso, é o que torna cada ser humano especial, não é mesmo?

 Essas são apenas algumas das mais diversas atitudes que podemos ter para conscientizar, aos poucos, as pessoas em nossa volta. Onde criamos um círculo que tende a crescer atingindo sempre mais pessoas, revertendo o quadro que temos atualmente.

Empreendedorismo Feminino 👠

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você