[ editar artigo]

Seja você a pessoa que faz valer a pena!

Seja você a pessoa que faz valer a pena!

Meu nome é Lucimara Moraes, tenho 43 anos, sou mãe de filho único. Exerço a profissão de esteticista nos nichos de micropigmentação de sobrancelhas e tratamento facial. Além dos atendimentos, ministro cursos na área de estética no meu espaço e dou aula para o curso de Estética e cosmética EAD da Unicesumar. Sou a 11° gestação de minha mãe, e a 7° dos 8 que estão vivos, quase caçula. Vindo de família grande, e tendo que dividir com tantos irmãos, desde cedo aprendi a importância da empatia, partilha, e força da união. Nasci em Terra Boa/PR; e aos 5 meu pai vendeu  nosso sítio para arriscar a vida na cidade, e assim viemos pra Maringá. Mas logo em seguida motivado pelos meus irmãos mais velhos meu pai vendeu a casa em Maringá e fomos para a “Gleba” de São João no Mato Grosso. Lá ficamos por aproximadamente 3 anos, onde ia para a escola pelo meio de floresta fechada por 6 km a pé, ouvindo histórias de mula sem cabeça a onça pintada que corria atrás de criança. Mas novamente por incentivo de meus irmãos, meu pai vendeu tudo e voltamos pra Maringá, investindo em uma vidraçaria que logo fechou.

Assim ficamos morando de aluguel, e todos tivemos que trabalhar para ajudar no sustento. Meu primeiro registro em carteira foi aos 12 anos, e de lá para cá nunca mais parei! Confesso que as instabilidades de meus irmãos mais velhos nas investidas como empreendedores sempre me assustaram, e diante disso, busquei estudar na intenção de prestar concurso ou entrar em uma grande empresa onde me proporcionasse estabilidade financeira. Meu sonho de entrar na faculdade, foi adiado aos 18 anos quando engravidei de meu noivo, de meu único filho. Éramos jovens, não quis contar para minha família pois já íamos casar, então tudo bem. Assim trabalhávamos muito para construir algo junto, mas com 5 anos de casada   ciúme e agressividade vieram e aconteceu o divórcio. Na época eu trabalhava como corretora de seguros e previdência em um banco privado, com o caos do divórcio, meu nome foi negativado, e perdi o emprego. Meu sonho de ir para a faculdade ficava cada vez mais distante. Voltei para casa dos meus pais, que moravam nos fundos da casa da minha irmã, momento difícil, pois dos 8 irmãos só 1 estava trabalhando, o restante incluindo cunhados e cunhadas, todos desempregados. Meus pais há algum tempo haviam se inscrito ao INCRA, órgão que executa a reforma agrária. E neste contexto meus pais foram chamados para tomar posse de um lote.

 E assim uma fase importante da minha vida começa. Fomos para a cidade de Teodoro Sampaio em São Paulo, onde por meio do movimento sem-terra, aconteceu a reforma agrária em algumas fazendas, e nos foi passado um pedaço de terra. Assim descarregamos o caminhão no meio de um pasto com algumas toceras de colonhão, por alguns minutos fiquei ali parada procurando a casa que ficaríamos, até meu pai explicar que faríamos uma barraca para passar a noite, a qual seria nossa casa. Digo que essa foi uma fase importante da minha vida, porque ali no meio do nada, pude perceber o quanto a vida pode nos dar, se você estiver disposto a buscar. Assim fizemos a barraca, sem água encanada, sem energia elétrica e claro que não tinha banheiro , tudo era literalmente ao natural. Depois meu pai conseguiu puxar água e tínhamos um balde versão chuveiro, onde nosso banho era a luz das estrelas, e no frio, agua esquentada na fogueira com folhas de eucalipto.  Nosso vaso sanitário continuou sendo atrás das touceiras de colonhão, e assim ia a vida. A reforma agrária nos passou o lote, mas sem dinheiro e em terra improdutiva, quase nada dava pra se fazer. Dependíamos totalmente de ajuda de terceiros, que vez em outra no enviavam cestas básicas, com mantimento suficiente pra nossas refeições. Mas higiene nunca vinha nada, meus absorventes eram pedaços de calças jeans cortadas, que eram lavados pra reutilizar, sabonete, shampoo, desodorante nunca ouvi falar no período que estive lá. Entre muitas cenas algumas me marcaram, uma em que fui buscar bosta de vaca de carriola muito longe de casa, pra queimar a noite, pois isso diminuía um pouco os pernilongos e borrachudos, e na volta passando em cima de uma touceira a carriola virou com tudo em cima de mim. Me marcou, pois eu vinha orando a Deus em gratidão por ter onde ficar, e que Deus proporcionasse condições para que eu pagasse aos que eu havia ficado devendo e que nada lhes faltasse. E com bosta de vaca sobre mim finalizei a oração. Como disse teve vários momentos, que talvez um dia esteja em um livro, mas a mensagem me foi dada naquele lugar de fazer valer a pena enquanto estiver sobre essa terra. Bom, como disse, sem dinheiro e sem terra improdutiva a situação estava de mal a pior, assim consegui uma carona e voltei pra Maringá, desesperada pra arrumar um emprego. Era dezembro e minha meta era trabalhar esse mês, revertendo 1 salário que se transformasse em pelo menos 3 meses de cesta básica pra nós, assim poderia aguentar mais um pouco lá. Para minha surpresa 5 empresas me convidaram para trabalhar entre elas, Lelis Blanc e O Boticário. Optei pelo Boticário, e o que era pra ser 1 mês se transformou em 12 anos. Com meu salário consegui trazer meus pais de volta pra casa da minha irmã, e fomos nos ajudando.

Sou imensamente grata pela oportunidade em trabalhar nesta empresa, pela franquia de Maringá que me acolheu e proporcionou condições de aprender muito sobre o setor de beleza, vendas direta e atendimento ao cliente. Sofri na alma quando fiz minha primeira venda de 300 reais de produtos de maquiagem, minha angústia ia entre alegria de ter efetivado uma venda por indicar os produtos que usava, e dor de ver que o dinheiro existe, mas não na mão de todos. A partir daí decidi me dedicar a aprender mais sobre maquiagem e em vendas! Assim durante minha jornada na empresa, passei em várias lojas, ministrando cursos de maquiagem para funcionários da própria franquia, e de empresas que entravam em contato pedindo cursos personalizados para suas colaboradoras. Atuei como vendedora, maquiadora e supervisora de VD (venda direta). Não tinha horário, trabalhava até 17 horas por dia, e fim de semana trabalhava como maquiadora free, recepcionista, promoter, queria a todo custo comprar minha casa e deu certo! Minha vida estava caminhando para se ajustar, enfim poderia fazer faculdade! Comecei marketing Ead, e nesta sequência me casei pela segunda vez, um namoro de 6 anos e havíamos nos separado, e agora nos reencontramos e decidimos casar rapidamente. Na primeira semana de casada tentei anulação pois descobri que era usuário de drogas, mas com sem sucesso. Casamento durou 4 anos, de muitos problemas, brigas, medo, contas, nome negativado, parecia não ter fim. Mas teve!

Após o divórcio, cheia de contas, fiz uma escolha difícil, mas fiz assim mesmo.  Por anos tive medo de empreender, sempre buscando segurança em emprego fixo, mas naquele momento vi que não podia ficar presa a um piso salarial, e me questionei, questionei minhas capacidades como profissional se conseguiria sustentar a mim e a meu filho trabalhando por conta, e caso não desse certo, um emprego com piso salarial eu conseguiria novamente, e assim arrisquei. Pedi as contas de 12 anos de empresa, e fui me dedicar aos serviços como maquiadora. Logo percebi a necessidade de oferecer outros serviços na área da beleza, fui para um curso técnico de estética, onde uma professora me inspirou de tal forma, que decidi ser professora nesta área. Mas era necessário a graduação, então assim que meu filho entrou na UEM eu me empenhei para conseguir bolsas e financiamentos para me graduar em Estética e Cosmética, na privada e assim aconteceu.

Nessa época comecei a ver possibilidades de atender em algo meu, então vendi meu carro, e investi em uma pequena sala. Convidei minha irmã para vir trabalhar comigo, e logo a sala ficou pequena, me empurrando para um espaço maior. Neste período estava cursando segundo ano da faculdade, recém divorciada, cheia de contas, meu filho servindo tiro de guerra, os dois sem salário fixo, olha um caos. Mas assim mesmo fui para o espaço maior, na intenção de atender apenas produções de cabelo e maquiagem junto com minha irmã. Neste momento meu pai adoeceu, comecei a fazer meu tcc, e contas vindo. Assim no dia de minha formatura sepultei meu pai, e dois meses depois minha irmã ainda muito abatida decidiu parar de trabalhar. Me vi sozinha sem muita direção, mas decidi continuar e comecei o empreendimento como salão de beleza. Com muitos tombos, sem planejamento, sem gestão administrativa, com perfil inadequado de profissionais, tive muitos problemas e perdi muito dinheiro. Diante dessas dificuldades fui buscar conhecimento em uma pós em gestão de negócios, e nesta mesma sequência, comecei a reposicionar a estrutura de salão de beleza para um espaço coworking de beleza. Com a pandemia de 2020, os profissionais de beleza não se adequaram ao coworking e recuaram, fiquei com espaço inteiro vazio. Então novamente reposicionei o modelo de negócio para salas individuais, com profissionais especialistas em seus nichos. Estou vivendo este processo. Hoje em meu espaço de estética, beleza e bem-estar, conto com 2 terapeutas no segmento integrativo, 1 micropigmentadora, 1 esteticista, 2 nutricionistas, 01 maquiadora, além dos meus atendimentos como micro pigmentadora e esteticista, e cursos que ministro.

Meu propósito é ser relevante em minha vida e na vida de mulheres que passam por caminhadas difíceis, e sem direção estacionam e deixam a vida passar por elas se tornando expectadoras de si mesmas. Minha missão de vida é ter prosperidade pessoal, profissional e financeira, inspirando mulheres a buscarem o mesmo, fazendo  valer a pena o tempo sobre esta  terra.

Empreendedorismo Feminino 👠

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você