[ editar artigo]

4 dicas financeiras para autônomos

4 dicas financeiras para autônomos

Como saber quanto posso gastar com compras e lazer sem comprometer o pagamento das contas mensais? Como me organizar para ter uma reserva mensal mesmo com a variação de ganhos no mês? Se a resposta para alguma dessas perguntas é algo que você também busca, este post é pra você! Entenda de uma vez por todas como gerenciar suas finanças, mesmo sendo autônomo.

 

1 – Esteja pronto para as despesas a curto prazo

Uma habilidade necessária para profissionais autônomos que lidam com ganhos mensais variáveis é a capacidade de aferir suas necessidades financeiras no curto, médio e longo prazo. Mais do que saber qual é a sua despesa mensal fixa, é preciso ter uma boa noção de quais são seus gastos anuais.

 E para chegar a esse número aproximado, ponha no papel todas as suas despesas mensais fixas como internet, aluguel, condomínio, plano de saúde, prestação do carro, enfim, considere todos os seus compromissos financeiros mensais não variáveis. Para aqueles que também são mensais, mas que sofrem alguma variação como contas de água, luz, gás, supermercado, combustível, pedágios e até mesmo lazer, estabeleça uma média mensal de acordo com os valores dos últimos três meses.

Para fazer isso você precisará da ajuda de um bom organizador financeiro. Ele pode ser um simples aplicativo que, depois de instalado em seu celular, servirá como uma agenda para a anotação de todos os seus gastos. Ao fim do período de controle, você terá uma boa noção de qual é o seu custo de vida médio ao mês, entre gastos fixos e variáveis.

Com esse valor em mente, você já sabe qual é a sua necessidade financeira no curto prazo. Passe agora para a segunda etapa e entenda qual é a sua demanda financeira em médio prazo.

 

2 – Despesas anuais

Considere o período de um ano e lembre-se das despesas sazonais, como seguro e manutenção de carro, pagamento de IPVA, IPTU, contador, compras em datas festivas e até mesmo viagens de férias.

Para que essas despesas não te peguem de surpresa você precisará ter um fundo de reservas. Ele servirá, inclusive, para te salvar nos meses em que suas entradas não forem suficientes para cobrir sua demanda total. E antes de determinar um valor fixo para esse fundo de reserva, entenda que é melhor estipular apenas um valor mínimo. Isso significa que nos meses em que suas entradas forem maiores você poderá destinar uma verba mais relevante para esse fundo. Isso é fundamental para qualquer profissional autônomo, afinal, dependendo das circunstâncias você pode passar até alguns meses sem receber o suficiente.

Aqui, uma dica valiosa do educador financeiro Mauro Calil: faça a soma anual dos seus ganhos e divida por 12, chegando a uma média de salário mensal. Depois disso, assegure-se de que suas despesas totais não ultrapassem 70% dos seus ganhos. Os outro 30% devem ser destinados ao seu fundo de reservas.

Cuide também para não se deixar seduzir por um aumento momentâneo de ganhos e gastar irresponsavelmente. Da mesma maneira, qualquer elevação no padrão de vida do autônomo somente deverá ser adotado após o aumento proporcional de ganhos estar realmente consolidado. E isso representa meses (ou até anos) de aumento progressivo nas entradas. Eis mais um motivo para que você faça um controle financeiro detalhado.

 

3 – Pensando na velhice

Como a ideia é que você tenha uma reserva financeira também na velhice, programe-se para começar a separar parte dos seus ganhos mensais pra isso. Algumas pessoas optam pelo pagamento de aposentadorias privadas, outras se contentam com o pagamento das cotas do INSS e há quem prefira fundos de reserva mais vantajosos.

Não importa qual é a sua opção, o importante é que você invista continuamente pensando no amanhã. Inclua esse investimento na cota das despesas mensais fixas e priorize-o, mesmo nos meses em que essa despesa tenha que ser coberta por seu fundo de reserva. Ele está lá para isso mesmo!

 

4 – Não perca o controle

Autônomos precisam do máximo de cuidado ao se comprometerem com compras de longo prazo. Antes de financiar um carro ou casa nova, por exemplo, avalie sua média de ganhos mensais (considere os últimos dois anos para isso) e responda honestamente à seguinte pergunta: você pode arcar com essa dívida mesmo que sua renda mensal caia por um período relativamente longo? Lembre-se que você não deve sacrificar seu fundo de reservas com isso por muito tempo, senão o gasto passa a ser fixo e não mais variável.

Outra dica para não perder o controle das suas finanças é monitorar suas despesas continuamente. O uso de um sistema de controle financeiro deve ser parte da sua rotina diária, pois só assim você conseguirá entender realmente se está havendo um aumento nas despesas fixas, se pode ou não ampliar seu padrão de vida e até mesmo se precisa procurar novas alternativas para melhorar seus ganhos.

 

E aí, gostou da publicação?

Conta para a gente o que achou nos comentários e continue nos acompanhando 😉

Se você ainda não faz parte da Comunidade de Finanças, não perca tempo e vem participar com a gente!

O Sebrae está com atendimento 100% digital neste período. Mesmo de casa, vamos orientar você com relação a sua empresa.

Nos acione através dos seguintes canais:

🔵 WhatsApp / Chat / Facebook / E-mail 🔵

Finanças e Tributos

Comunidade Sebrae
Mariana Carvalho
Mariana Carvalho Seguir

Consultora do SEBRAE/PR | Especialista em Gestão Financeira | Especialista em Gestão Empresarial | Especialista em Controladoria | Head da Comunidade Sebrae de Finanças e Tributos | Mentora de Educação Financeira

Ler conteúdo completo
Indicados para você