[ editar artigo]

4 Fatores impactantes para empresas longevas! A sua tem?

4 Fatores impactantes para empresas longevas! A sua tem?

Um dos meus autores preferidos é Jim Collins, que escreveu livros clássicos como "Feitas para Durar" e "Empresas feitas para vencer". Nesses livros, ele compara práticas de gestão de empresas referência e acima de 50 anos, com as empresas que estão em "segundo lugar" no segmento. Com isso, ele consegue destacar práticas de gestão que diferenciam as empresas excepcionais das ótimas, como por exemplo, "enfrentar a verdade nua e crua, mas nunca perder a fé".

Nesse último mês realizei um trabalho de gestão de crise, orientando 276 empresas a passar por esse momento desafiador de pandemia, foram empresas da região oeste do Paraná, de vários segmentos e diferentes tempos de existência. E me deparei com uma situação interessante, algo que eu comecei a chamar de empresas resilientes, negócios que já passaram por muitas situações e permanecem (normalmente acima de 30 anos e alguns com mais de 60 anos).

Isso me lembrou do Jim Collins, mas também me fez começar a investigar nas orientações, por que essas empresas chegaram nesse patamar, mesmo diante de um cenário de alta mortalidade de empresas no país logo nos primeiros anos de existência?

E diante disso quero compartilhar algumas percepções com vocês:

1) Pessoas resilientes, empresas resilientes: Os valores, as crenças, as competências dos empreendedores e dos primeiros colaboradores são cruciais na formação da cultura organizacional (que são os valores, crenças e competências das empresas). As pessoas resilientes trazem essa característica para empresa e isso é um diferencial competitivo para as empresas.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

2) Retornar a forma original, não significa continuar a ser a mesma sempre: Momentos desafiadores passam, mas isso não significa que quando passam a empresa simplesmente deixa as novas práticas que deram certo e também não significa que ela para de mudar. A adaptação e a inovação fazem parte da história dessas empresas. Isso também não quer dizer que elas são necessariamente precursoras de inovação, mas elas fazem inovação.

3) Planejamento financeiro para reduzir a vulnerabilidade: Todas essas empresas acima de 30 anos tinham reserva de emergência e faziam gestão financeira. Entender que o planejamento financeiro reduz o risco e a vulnerabilidade da empresa é muito importante, alguns relataram que adotaram essas práticas a partir de experiências desafiadoras que passaram.

4) Crescimento orgânico: Talvez esse seja o ponto mais polêmico, mas essas empresas que conversei não usaram alavancagem em seus negócio. Há prós e contras nessas práticas, mas diante de um cisne negro, como a pandemia do Covid-19, também é uma prática que reduz o risco e a vulnerabilidade do negócio.

Para concluir, quero destacar os dois tópicos que para mim ficaram muito evidentes:

  • As pessoas que fazem parte do negócio são cruciais para o sucesso da empresa. Escolha bem!!
  • Planejamento precisa deixar de ser uma palavra chique na gestão e começar a ser prática!!

Agora me contem quais as percepções de vocês em relação às empresas que são longevas.

Comunidade Sebrae
Elaine Sefrian Peinado
Elaine Sefrian Peinado Seguir

Administradora, MBA Executivo Internacional (FVG/UCI-CA) e Mestre em Administração. Empresária, consultora, treinadora e mentora na 3W Inteligência Empresarial.

Ler matéria completa
Indicados para você