[ editar artigo]

COMO CONTROLAR AS FINANÇAS DA EMPRESA?

COMO CONTROLAR AS FINANÇAS DA EMPRESA?

Dúvidas surgem no momento de colocar em prática a gestão financeira de uma empresa, como quais informações são importantes, quais os recursos  necessários para implantar um processo de controle, como alocar os dados  adequadamente para ter informações pertinentes entre outros questionamentos de um empreendedor. 

Com a Gestão financeira o empreendedor possui uma visão clara de seu negócio, possibilitando assim o melhor direcionamento dos recursos financeiros e econômicos em prol da maximização de seus resultados. Desse modo, empresas com  boa gestão financeira possuem maior assertividade em momentos cruciais de tomada de decisão.

Para iniciar o processo financeiro é preciso implantar adequadamente o Fluxo de Caixa, sendo este o responsável por registrar as entradas e saídas de recursos da organização. 

Muitas vezes, não é dada a devida atenção a esta ferramenta, porém, vale ressaltar, que o Fluxo de Caixa é o principal instrumento do controle financeiro. Desta forma, precisa ser bem estruturado e operacionalizado para garantir sua efetividade.

O Fluxo de caixa permite ao empresário verificar as questões financeiras de seus negócios por dois panoramas. Primeiro, qual foi  origem e destino dos recursos (Fluxo de caixa realizado), e por segundo o que ocorrerá em um futuro próximo ao seu negócio (Fluxo de caixa projetado). 

Diante disso, serão apresentadas abaixo algumas dicas para construir um Fluxo de Caixa capaz de gerar informações relevantes e minimizar o efeito da incerteza que permeia o caminho da área financeira, são elas:

 

1. Utilize da tecnologia para facilitar o controle financeiro da empresa, por meio de Softwares - Sistema Integrado de Gestão ou planilhas específicas de controle financeiro.  

 

2.Classifique as contas de entradas em:

  • Recebimentos de clientes: Onde são registrados os valores recebidos de cliente. Exemplo: Vendas à vista, em cartão de débito, cartão de crédito.
  • Outras entradas: São registrados nesta conta os devidos recebimentos de juros de aplicação financeira e outros investimentos.

  • Entradas Patrimoniais: São alocadas nesta conta movimentações como aporte dos sócios e venda de imobilizados.

  • Entradas Financeiras: Registros relacionados a resgates de aplicações e empréstimos financeiros. 

3. Classifique as contas de saídas em:

  • Saídas administrativas: Saídas referentes a aluguéis, despesas de condomínios, materiais de escritório etc.

  • Saídas Comerciais: Saídas como pagamento de comissão de vendas, publicidade e propaganda, royalties etc.

  • Saídas industriais: Saídas referente a custos de fabricação como material indiretos, aluguel da indústria etc.

  • Folha, encargos e benefícios: Saídas como salários, benefícios, encargos como FGTS e INSS, férias etc. 

  • Impostos e taxas: Saídas com impostos e taxas como IPI, ICMS, PIS, Cofins, IRPJ, Alvará da prefeitura etc.

  • Saídas Patrimoniais: Saídas como compra de máquinas e equipamentos, utensílios etc.

  • Saídas financeiras: Saídas como juros pagos de empréstimos e duplicatas descontadas, amortização de empréstimos e financiamentos.

4. Utilize no máximo dois níveis na classificação das contas de entradas e saídas.

Exemplo:

ENTRADAS 

Conta:   Recebimento de clientes                                       R$ 1.800,00

  Subconta:  Recebimento Dinheiro/cheque                         R$ 200,00

  Subconta:  Recebimento em cartão de crédito                   R$ 1.600,00

 

Observação: Com as informações acima terá início a estruturação do Plano de Contas do Demonstrativo Financeiro, chamado de Plano de Contas da Tesouraria que é uma maneira de decompor as entradas e as saídas em contas e subcontas para que seja possível compreender melhor o porquê o saldo de caixa está aumentando ou diminuindo no decorrer do período.

Essa é a estrutura básica para iniciar um bom controle financeiro 

Não esqueça dos seguintes detalhes

  • Acompanhe e registre diariamente suas entradas e saídas no caixa.

  • Registre entradas e saídas previstas no Fluxo de Caixa, ou seja, realize a projeção do fluxo de caixa. 

  • Projete o fluxo de caixa conforme o tempo de previsão de seus recebimentos.

O foco deste artigo foi compartilhar alguns pontos básicos para construir uma ferramenta de gestão financeira capaz de contribuir efetivamente com o processo decisório. 

 

Qualquer dúvida deixe aqui nos comentários.

Finanças e Tributos

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você