[ editar artigo]

CUIDADO, NEM SEMPRE DINHEIRO É SOLUÇÃO PARA A SUA FALTA DE DINHEIRO!

CUIDADO, NEM SEMPRE DINHEIRO É SOLUÇÃO PARA A SUA FALTA DE DINHEIRO!

 

É isso mesmo, ainda mais em tempos de pandemia!

Estranho essa questão?

Somente por um alguns minutinhos, para sua reflexão, vamos esquecer a pandemia... Imagine-se em “tempos normais” a sua empresa necessitando de dinheiro para fazer frente aos seus compromissos tradicionais: fornecedores, folha de pagamento, aluguel, sócios, ...

Ora, se isso acontece é porque a empresa não produz riqueza suficiente para cobrir todos esses custos, então a questão pode ser respondida por estas 4 alternativas:

1.O volume de vendas é insuficiente: o problema é que a empresa não atinge o ponto de equilíbrio operacional;

2.As margens das vendas são pequenas que requerem um grande volume de faturamento, daí, o mercado não responde por esse volume: o problema pode estar na precificação, no perfil do seu produto ou na segmentação do seu público alvo;

3.Os custos são demasiadamente elevados: o problema é que a empresa tem custos excessivos e elas precisam ser reduzidas;

4.Os sócios efetuam retiradas muito além do que a empresa é capaz de propiciar: o problema é que precisa limitar a retirada dos sócios de acordo com a capacidade da empresa.

Simplesmente “colocar” dinheiro onde falta dinheiro, é “colocar o dinheiro num saco sem fundo”, cada vez mais será necessário mais dinheiro!

Dúvidas sobre estas questões?   O Sebrae pode orientá-lo sobre cada uma delas.

Agora, pisque os olhos e volte à nossa triste realidade...  A pandemia está aí instalada, as ações de contenção tendem a continuar indefinidamente, o futuro próximo ainda é um desconhecido... Por isso, toda pessoa sã de suas faculdades mentais está consciente de que não é hora de gastar com nada além do seu essencial, daquele básico para “sobreviver” e aguardar por soluções científicas, com isso, vendem-se menos.

É necessário, portanto, encontrar um novo caminho para os negócios!

Grandes confortos são as ações de ajuda governamentais e o Sebrae buscando apoiar toda população empresarial a superar esse momento, onde a principal questão é a falta de dinheiro para os compromissos diários, onde, para isso, a presidência da república acaba de sancionar o PRONAMPE (Lei 13.999 de 18/05/2020) .

Sua empresa pode até tomar esse empréstimo hoje e aliviar suas pressões financeiras... E AMANHÃ, COMO VAI PAGÁ-LO?

Afinal, tomar emprestado significa que um dia tem que devolver!

Se nos “tempos normais” o aperto financeiro já fazia parte da história da sua empresa, qual a certeza que você tem que doravante irá gerar riqueza suficiente para manter-se saudável pagando suas contas e ainda amortizar mais esse compromisso?

Essa situação agrava-se imensamente mais se adicionarmos a indefinição pela qual o mercado está passando... Nesse presente momento somos todos incapazes de prever como será amanhã!

•Será que demandará muito tempo para encontrarem a cura para esse vírus?

•Será que seus clientes continuarão a comprar/contratar na mesma ou maior intensidade de antes?

•Será que seu velho modelo de negócio ainda será eficiente durante e após a pandemia?

•Será que seu novo modelo de negócio dará certo após a pandemia?

•Será que a empresa será capaz de continuar a suportar a atual estrutura de custos?

•Será... ???

 

Então, diante de tudo isso, minha recomendação é:

1.Pare tudo, analise e repense seu negócio, caso sua empresa já esteja autorizada a operar, significa que o primeiro passo está dado, ou seja, sua empresa já voltou a ter condições de gerar riquezas (vender e lucrar);

2.Remodele seu negócio para que ela efetivamente saiba gerar riquezas, isso significa saber vender certo, para público certo e num volume certo. Lógico que isso requer um sistemático e técnico planejamento, para isso recorra a profissionais especializados para ajuda-lo;

3.Seu volume de vendas está suficiente para cobrir seus custos?   Se positivo, significa que você nem precisará tomar dinheiro emprestado, e, se negativo, como sua empresa tomará dinheiro emprestado se não é capaz sequer de se auto sustentar?

 

Pare e repense a situação da empresa, se as respostas forem negativas e essas situações se arrastem já dos “tempos normais”, então, não avance sem antes reformular todo seu negócio, começando por ajustar o modelo do negócio às condições atuais. Projete resultados favoráveis que garantam saldar todos os compromissos.

Feito isso, e tão somente após essas providências, passe a analisar a necessidade e a viabilidade de tomar um empréstimo emergencial.

Ah, vale lembrar também que, qualquer instituição financeira que favoreça seu empréstimo, irá sistematicamente assegurar-se de garantias!

Reflita essas questões, planeje qual destino você dará pro seu negócio e tão somente após siga adiante!

Sucesso!

Comunidade Sebrae
Edmilson Tanaka
Edmilson Tanaka Seguir

Consultor - TH Thop

Ler matéria completa
Indicados para você