[ editar artigo]

Demonstrativo do Resultado e Indicadores

Demonstrativo do Resultado e Indicadores

Olá, comunidade! :)

Acredito que boa parte de nós já ouviu falar da sigla DRE, né?  Mas e aí, qual seria a importância dessa ferramenta para a gestão de empresas?

Este controle é muito utilizado pela contabilidade para apuração fiscal e também para prestação de contas para os sócios do negócio e até mesmo para eventuais auditorias. Porém, além das questões meramente legais, utilizar o DRE é fundamental para a gestão efetiva da empresa.

Vale ressaltar que outros controles como o Balanço Patrimonial e o Demonstrativo de Fluxo de Caixa também são essenciais para o negócio.

O Demonstrativo do Resultado do Exercício, como o próprio nome já diz, te permite entender como você obtém o resultado líquido em um determinado período, isto é, fornece um resumo financeiro dos resultados das operações. O DRE pode ser analisado em vários períodos, anual, semestral, trimestral e mensal.

Um dos princípios contábeis aplicados ao DRE é o Regime de Competência, isto quer dizer que a receita é reconhecida no momento da venda, independente se houve o recebimento no caixa da empresa, assim como os gastos. Por exemplo, se realizo a compra de 100 produtos de um fornecedor e realizo a venda no crédito de 60 produtos no mês, a receita é o faturamento dos 60 produtos vendidos no mês, independente do recebimento, assim como o CMV será o equivalente somente aos 60 produtos vendidos, pois se caracteriza CMV quando há o consumo de estoque. 

Segue abaixo um modelo simplificado de DRE:

= Receita de Vendas (Faturamento) 

(+) Venda à vista

(+) Venda a prazo

(-) Custo da Mercado Vendida / Custo do Serviço Prestado

(-) Taxas sobre as vendas (%)

(-) Comissões sobre as vendas (%)

(-) Alíquota do Simples Nacional (%)

= Margem de Contribuição / Lucro Bruto

(-) Gastos Fixos

(-) Despesas comerciais

(-) Despesas administrativas

= Resultado

Como o Resultado = Receitas - Despesas, então:

Receita de Vendas - Gastos Variáveis (CMV+taxas sobre vendas+comissões+alíquota do simples) = Margem de Contribuição ou Lucro Bruto.

Margem de Contribuição - Gastos Fixos = Resultado.
 

Portanto, quando a margem de contribuição é suficiente para pagar os gastos fixos do negócio, entende-se que a empresa obteve LUCRO no período, na situação contrária, considera-se que a empresa teve PREJUÍZO.

Além de analisar o resultado da empresa, podemos encontrar alguns indicadores importantes no DRE, como lucratividade, ponto de equilíbrio, rentabilidade e prazo de retorno do investimento.

A lucratividade quanto maior melhor. Ela demonstra a eficiência operacional da empresa,  o resultado é dado em porcentagem, desta forma, você consegue identificar o quanto fica para a empresa sob a forma de lucro. Por exemplo, se a lucratividade for de 8%, para cada 1 real vendido, 0,08 centavos fica para a empresa sob forma de lucro.

 

O ponto e equilíbrio nos mostra o quanto é necessário vender para que as receitas cubram todos os gastos do negócio. É possível criar um ponto de equilíbrio com meta, basta somar ao gasto fixo o lucro desejado em valores (R$) ou basta diminuir do % da margem de contribuição o % de lucro desejado. 

Desta maneira, consigo inclusive encontrar uma meta de faturamento diária e semanal. Interessante, né?

A rentabilidade te permite comparar setores distintos para encontrar a melhor opção para aplicar o seu dinheiro. Quanto mair a rentabilidade, maior o risco. Logo, cada investidor saberá o risco que está disposto a correr com base no retorno sobre o investimento que se espera obter. O valor é encontrado em %.

Por exemplo, se eu investi R$ 30.000,00 e o negócio apresenta um lucro líquido de R$ 3.000,00 em um determinado período, a minha rentabilidade seria de 10%. Portanto, tudo mais constante, eu levaria 10 períodos para recuperar o investimento realizado ou até mesmo dobrar o investimento realizado.

*É muito importante que a comparação entre DREs seja com o mesmo período, assim como os indicadores.

Um abraço e até a próxima!
Bons negócios!

 

 

 


 

 

  

 

 

Finanças e Tributos

Comunidade Sebrae
Caio Ribeiro Monteiro
Caio Ribeiro Monteiro Seguir

Pós-graduando em Gestão de Processos pela FIAP e Bacharel em Ciências Econômicas pela UFRRJ. Atua como Analista de Negócios no Sebrae-SP.

Ler conteúdo completo
Indicados para você