[ editar artigo]

Como os funcionários e, não os empresários, inovaram o mundo.

Como os funcionários e, não os empresários, inovaram o mundo.

O mito

Amo empreendedores. Eles nos oferecem uma visão de possibilidade. Eles parecem quebrar regras, traçar seus próprios caminhos, desafiar dogmas, assumir riscos dos quais eu teria medo - e ter sucesso, às vezes de maneira espetacular.

A narrativa empreendedora é inata e inevitavelmente comovente. Fala a máquina humana. Ele unifica o sentimento público por trás das ideias de um mundo melhor, pensamentos renovados, liberdade, autorealização... tudo ao mesmo tempo que promete riqueza.

A ideia de empreendedorismo nos inspira a agir. Steve Jobs disse uma vez:

Seu tempo é limitado, então não o desperdice vivendo a vida de outra pessoa. Não caia na armadilha do dogma - que é viver com os resultados do pensamento de outras pessoas. Não deixe o barulho das opiniões dos outros abafar sua voz interior. E o mais importante, tenha a coragem de seguir seu coração e sua intuição. De alguma forma, eles já sabem o que você realmente deseja se tornar. Todo o resto é secundário.

Não estou sozinho em minha admiração pelos empresários. As pessoas mais frequentemente referenciadas nas listas dos empresários mais admirados são, invariavelmente, fundadores de negócios como: Richard Branson (Virgin), Steve Jobs (Apple), Warren Buffett (Berkshire Hathaway), Rupert Murdoch (News Corp), Oprah Winfrey (Harpo), Larry Page (Google), Jeff Bezos (Amazon), Steve Schwarzman (Blackstone), Bill Gates (Microsoft), Larry Ellison (Oracle), Michael Bloomberg (Bloomberg LP) e Elon Musk (Tesla, Space-X e PayPal).

O que salta para fora dessas listas - além da sub-representação das mulheres - é a imagem mental que elas desencadeiam. Quando pensamos em grandeza nos negócios, pensamos nos empreendedores que abandonaram a escola ou a carreira para arriscar tudo e começar seu próprio negócio.

Eles seguem uma narrativa notavelmente, semelhante como:

Reuniram uma pequena quantia de dinheiro (muito menos do que você pensaria que seria necessário para abrir um negócio);

Estavam apaixonados por resolver um problema;

↪ Eles enfrentaram obstáculos assustadores, mas os superaram. Eles lutaram em uma selva de descrença, dúvida e, às vezes, traição - e finalmente, saíram sorrindo do outro lado da linha. Vitorioso!

Essa história central pode parecer familiar para você de outra disciplina. Parece muito com a “jornada do herói”, descrita pelo pesquisador de mitologia Joseph Campbell.

Essa jornada é o coração de, praticamente, qualquer bom filme ou peça. Não é à toa que achamos fácil envolver a narrativa de empreendedores de sucesso.

Há apenas um problema com essa narrativa específica. Não é verdade.

A bem-amada história empreendedora, como o guru empreendedor Michael Gerber, aponta em seu livro e conceito extremamente influente, The E-Myth, é muito mais mito do que realidade.

A verdadeira jornada empreendedora é muito mais difícil de generalizar do que gostaríamos, e suas muitas permutações geralmente levam ao fracasso. Nós simplesmente não discutimos isso com tanta frequência.  

Procurei olhar, objetivamente, para o papel que empreendedores e funcionários têm desempenhado em nossa sociedade, procurando testar a ideia amplamente aceita de que os empreendedores são os verdadeiros inovadores que moldaram a sociedade moderna. O que descobri é que os funcionários tiveram um impacto profundo e pouco apreciado. Indiscutivelmente mais profundo do que o dos empresários.

A verdade

Sem os funcionários inovadores, talvez não tivéssemos a Internet, nem um computador pessoal ou um telefone celular para navegar. Podemos viver em um mundo sem fotografias digitais, caixas eletrônicos ou GPSs.

Você pode preferir não ter e-mail hoje, mas essa inovação interna também pode não existir, exceto pela paixão, compromisso e esforço dos inovadores funcionários.

No entanto, não ouvimos muito sobre esses inovadores de funcionários. Você pode encontrar mais de 50.000 livros sobre empreendedorismo na Amazon.com, mas apenas 200 sobre intraempreendedorismo. Preferimos celebrar empresários.

Acredito que não seja porque eles importam mais, mas porque preferimos contar ao herói solitário, Davi assume a história de Golias que o empresário representa.

Comecei a me perguntar: ao focar nossa atenção no herói solitário, o que estamos perdendo? Mais especificamente, a história do herói empreendedor realmente se compara aos fatos? Decidi investigar.

Comecei com a lista das 30 inovações que mais transformaram nosso mundo nos últimos 30 anos, selecionadas por um painel de especialistas de oito pessoas organizado pela Wharton Business School que considerou cerca de 1.200 inovações em suas análises.

Minha equipe e eu, investigamos as histórias dessas inovações. Em particular, rastreamos os três estágios que são comuns a toda jornada de inovação.

  1. Concepção: quem concebe a ideia?
  2. Desenvolvimento: quem desenvolveu a ideia em algo que funcione?
  3. Comercialização: quem trouxe a ideia ao mercado?

De acordo com a narrativa do herói que gostamos de recontar, o empreendedor concebe a ideia, desenvolve a ideia por conta própria (Michael Dell em seu dormitório construindo computadores) ou com uma pequena equipe (Steve Jobs e Steve Wozniak em sua garagem), e então lança uma empresa (Dell, Apple) para comercializar a ideia. As histórias de nossos heróis-empreendedores favoritos como Bill Gates, Elon Musk e Richard Branson apoiariam isso. Mas vamos examinar os fatos.

Nossas descobertas são ilustradas no gráfico abaixo:

Quem concebe as ideias transformacionais? Funcionários!

Ao contrário da verdade comumente aceita, apenas 8 das 30 inovações mais transformadoras, foram concebidas pela primeira vez por empreendedores.

E 22 foram concebidos por funcionários. Sem a inventividade dos intraempreendedores, poderíamos não ter a internet, computador pessoal, telefone celular, sequenciamento de DNA, imagem por ressonância magnética ou fibra óptica.

Quem desenvolve ideias transformacionais? Funcionários corporativos e do setor público.

Curiosamente, os funcionários da academia e de instituições governamentais desempenham um papel importante no desenvolvimento de inovações transformadoras, particularmente, nos casos em que a inovação tem valor social significativo, como é o caso de stents, tratamento da AIDS ou turbinas eólicas em grande escala.

Quem comercializou a ideia? Concorrentes

A face popular da inovação é a do Facebook ... ou Tesla, Google, Uber ou Microsoft, empresas que se estabeleceram como disruptores e derrubaram seus titulares.

Mas, ao que parece, essas histórias perturbadoras são raras exceções. Apenas 2 das 30 inovações mais transformadoras foram dimensionadas pelos criadores originais!

E um desses dois, Micro finanças, era um modelo que o ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Muhammad Yunus, escalou para dar ao mundo. Ele não inspirou organizações em todo o mundo a copiar sua inovação.

Mais de 50% das vezes (16 em 30), o inovador perde o controle da inovação. Os concorrentes assumem. Então, por meio de uma batalha de jogadores que buscam comercializar a inovação, a inovação escala.

A Olivetti, por exemplo, inventou o primeiro PC, mas rapidamente seus concorrentes o pegaram, com HP, Commodore, Micral, IBM e Wang assumindo o controle e o Facebook não foi o primeiro site de rede social.

O Barclay's Bank, indiscutivelmente, o primeiro a introduzir o caixa eletrônico, não conseguiu evitar que os concorrentes pegassem sua inovação. E nenhuma organização poderia impedir que os concorrentes descobrissem inovações como códigos de barras, fibra ótica ou câmeras digitais.

O caminho

Então, se quisermos mapear o verdadeiro caminho das inovações que mais impactaram a sociedade, a história teria que ser assim:

Um funcionário (não um empresário) concebe uma ideia. Em seguida, uma combinação de funcionários dos setores público e privado trabalha na construção da ideia. Assim que for encontrada uma solução que funcione, a concorrência assume e dimensiona a ideia.

Os funcionários, não os empresários, são os verdadeiros motores da inovação e do crescimento.  E seu papel está prestes a aumentar para as corporações capazes de derrubar as sete barreiras que os funcionários costumam citar como bloqueadoras de suas tentativas de inovar.

Ambientes de Inovação

Comunidade Sebrae
Jorge Biff Netto
Jorge Biff Netto Seguir

Professor PUCPR e Consultor de inovação, varejo, serviços, indústria e internacionalização ; um aquariano direto e claro, com grande interesse em inovação, empreendedorismo e PME’s; inquieto por natureza e com o objetivo de mudar e ser mudado.

Ler conteúdo completo
Indicados para você