[ editar artigo]

O que é esperado de uma startup que está em busca de aporte financeiro ?

O que é esperado de uma startup que está em busca de aporte financeiro ?

Startups são empreendimentos com elevadas taxas de crescimento.  Para isso, elas possuem várias características diferentes de outras empresas.

Para crescer rapidamente, é preciso trabalhar em um produto ou serviço que atinja grande parte do mercado. Com isso, se pensar em abrir ou não uma startup, é natural entrar em um trade-off (situação em que há conflito de escolha), porque empreender uma startup significa ter que lidar com uma ampla concorrência e com a constante pressão de ser inovador o tempo todo! Afinal, startups crescem tão rápido por pensarem em produtos e em serviços novos, que estão em falta no mercado.

O objetivo de toda startup é deixar de ser uma startup. Para entendermos o motivo disso, é preciso compreendermos primeiro as fases de desenvolvimento de uma empresa desse porte.

A primeira fase do desenvolvimento de uma startup, é quando ela possui uma taxa de crescimento em torno de 1% por semana. Ela pode estar definindo os seus serviços e estruturando o seu perfil de clientes ainda.

Quando uma empresa pula para a segunda fase desse processo, é quando ela pode ser chamada de startup. Neste nível, o seu crescimento passa a ser de 5% - 7% por semana. Aqui, a startup já está bem estruturada e é possível perceber, nitidamente, a sua ascensão.

A terceira fase, por fim, é quando o seu crescimento se estabiliza, por já ter atingido o seu lugar no mercado. Neste momento, a startup perde o seu caráter de startup e amadurece como uma empresa sólida.

Para que uma startup passe por esses três níveis com agilidade e segurança, é interessante que ela consiga o apoio de investidores. Além da ajuda financeira, eles possuem dicas e experiência relevantes para o crescimento da startup, além de fornecerem contatos produtivos para que a startup prospere mais rapidamente.

Do outro lado da moeda, como as startups possuem uma taxa de crescimento bastante elevada, elas se configuram como empresas bastante valiosas. Assim, também são do interesse de empresas investidoras.

Vale lembrar que, normalmente, um quesito importante para os investidores é que a startup já tenha um produto pronto e uma base de usuários desenvolvida. Não que startups mais early stage (estágio inicial) não possam conseguir empresas investidoras, mas é preferível que elas possuam a mercadoria ou serviço estabelecidos para ser possível trabalhar com tração.

Contudo, não é imprescindível que uma startup consiga um investidor para crescer. Abaixo, apresentamos os diferentes tipos de perfis financeiros das startups:

Começaremos pelas startups que não possuem uma empresa investidora:

Bootstrapping

O Bootstrapping é aquele modelo em que você empreende usando apenas os seus recursos financeiros internos.

Geralmente, o modelo exige que toda a equipe tenha foco em dobro no funcionamento da startup, esforçando-se para obter resultados rápidos e certeiros para não passar aperto com as finanças da empresa. Apesar da pressão de não ter nenhum dinheiro “sobrando”, este padrão possui as suas vantagens.

Crowdfunding

Estas startups também não possuem empresas investidoras, mas provavelmente porque o seu produto ainda não está em uma fase mais avançada. Ou seja, são startups que estão na primeira fase de desenvolvimento.

O crowdfunding é o termo que usamos quando a startup reúne várias fontes distintas de financiamento de pessoas físicas que se interessaram na iniciativa daquela empresa. Dessa maneira, eles buscam por outras formas de rendas externas.  Existem sites especializados para esse financiamento coletivo.

Aceleradoras

Agora começaremos a falar sobre os tipos mais comuns de investimentos existentes. As aceleradoras são aquelas empresas que investem em várias startups de uma vez, na maioria das vezes em estágio de operação, com um produto já desenvolvido.

Neste tipo de investimento, a empresa ajuda as startups a amadurecerem, em troca de uma porcentagem dos seus lucros (varia de 5 a 20% do valor total). O investimento, por sua vez, costuma girar em torno de R$ 20 e R$ 50 mil. Além disso, as aceleradoras contribuem em infraestrutura, expertise e contatos para as startups.

Este tipo de investimento costuma durar entre 6 e 16 meses.

Incubadoras

As incubadoras são entidades geralmente ligadas às universidades e instituições de pesquisa. Elas têm por objetivo oferecer suporte a empreendedores, para que eles possam desenvolver ideias inovadoras e transformá-las em empreendimentos de sucesso. Para isso, oferecem infraestrutura, capacitação e suporte gerencial.

Elas possuem um caráter mais voltado para a academia e ambicionam mercadorias tecnológicas. Não há contrapartida financeira e o suporte dura em média 2 anos.

Investidores Anjo

O Investidor-Anjo é normalmente um (ex-)empresário/empreendedor ou executivo que já trilhou uma carreira de sucesso, acumulando recursos suficientes para alocar uma parte (normalmente entre 5% a 10% do seu patrimônio) para investir em novas empresas, bem como aplicar sua experiência apoiando a empresa.

O investimento-anjo em uma empresa é normalmente feito por um grupo de 2 a 5 investidores, tanto para diluição de riscos como para o compartilhamento da dedicação, sendo definido 1 ou 2 como investidores-líderes para cada negócio, para agilizar o processo de investimento. O investimento total por empresa é em média entre R$ 200 mil a R$ 500 mil, podendo chegar até R$ 1 milhão.
Fonte: http://www.anjosdobrasil.net/o-que-eacute-um-investidor-anjo.html

Venture Capital

Esse investidor de capital de risco, busca investimentos à longo prazo. Onde o risco é proporcional ao ganho no desinvestimento da empresa, ou seja, à venda para um fundo de Investimento maior.  Nesse tipo de financiamento, os investidores costumam influenciar nas decisões das empresas até mesmo indicando um gestor para ficar na startup.

Nesse caso buscam projetos e negócios em fase de desenvolvimento ou já desenvolvidos que demonstraram um retorno financeiro, ou, que tenham um modelo de negócio diferenciado com uma receita recorrente.  A análise de um projeto de Venture Capital, passa por 4 fases, que podem demorar de 3 meses à 1 ano dependendo do fundo, e conforme o 1º Censo Brasileiro de Private Equity e Venture Capital da FGV-GVcepe, 1% das empresas avaliadas receberam investimento.

Mas afinal o que os investidores querem ?

Alto Retorno;

Baixo Risco;

Alta Liquidez.

Uma startup não precisa desenvolver um plano de negócio detalhado como uma empresa já estruturada necessita, pois irá consumir um tempo muito significativo que terá pouca eficácia pela imprevisibilidade dos seus resultados.

 

Entretanto, é fundamental que o empreendedor pelo menos estude e elabore um planejamento básico dos seguintes pontos:

Sobre o alto retorno, a startup deve apresentar sobre:

Mercado, oportunidade e Modelo de Negócio;

1) Mercado: avaliar o perfil dos seus futuros clientes e o potencial quantitativo que poderá atingir;

2) Oportunidade: ter claro qual é a necessidade/problema do cliente que seu negócio irá resolver e que atualmente não é bem atendida pelos concorrentes.

3) Modelo de Negócio: de que forma você irá vender, como você irá vender, ou seja como você gera receita, como você gera valor para o cliente, como você trabalha a suas entregas e como todas essas etapas se relacionam. tenha definido para apresentar ao investidor.

Se investir em inovação tivesse baixo risco, todo mundo o faria. Reconhecer e mapear esses riscos é um passo muito importante.

 

Sobre o Baixo Risco, a startup deve apresentar sobre:

4) Time: descrever um pequeno histórico de cada sócio, principais funções na empresa, verificando que tenham as competências essenciais para seu negócio. E que realmente tenha o básico, ou seja uma pessoa responsável pelo Comercial e uma pessoa pela Tecnologia. Sabemos que em muitas startups, é uma única pessoa que faz tudo.  Porém é um ponto de alerta para os investidores.

5) Tecnologia do Produto: Deixar claro onde estão os pontos chaves da inovação, se na tecnologia, se na combinação de tecnologias, ou se na forma de introdução no mercado.

6) O recurso: estimar quais recursos humanos e financeiros irá precisar até que possa atingir o ponto de equilíbrio.

 

Sobre Alta Liquidez, a startup deve apresentar sobre:

7) Finanças: É importante a startup ter uma projeção financeira e uma análise das demonstrações contábeis factíveis com o projeto. Isso demonstra o controle administrativo e financeiro;

8) Os concorrentes: pesquisar e testar os principais concorrentes diretos e indiretos avaliando suas forças e fraquezas.

9) Oportunidade de Saída: Antes de entrar, o gestor de Venture Capital já está planejando como vai sair. Ou seja, capitalizar ao máximo para apresentar para um outro fundo de investimento.

 

Como preparar para receber o investimento:

Sumário Executivo – apresentação com no máximo 10 slides que aborde a oportunidade, o negócio, a equipe e a visão de longo prazo.

Ser objetivo e claro ao mesmo tempo é uma tarefa muito difícil.

Precisamos abandonar o paradigma de que volume de informações é sinônimo de qualidade.

 

Modelo de Pitch – Anjos do Brasil:

A oportunidade:  Neste slide deve começar indicando qual a oportunidade que sua empresa irá atender, isto é, qual o mercado e a necessidade que o mesmo tem e não é bem atendida pelos players majoritários, de forma bem objetiva e direta. Exemplo: “Nós iremos resolver o problema das perdas na distribuição de água” -> aqui você já determinou o mercado (distribuidoras de água) e a oportunidade (perdas).

A Solução: Neste slide apresente rapidamente qual a solução que propõe para atender a necessidade da oportunidade já destacando a sua inovação/diferenciação. Continuando o exemplo anterior: “através uma tecnologia própria não-invasiva de monitoramento ativo que identifica os pontos de perda para reparo”. Veja que que não foi necessário detalhar como a mesma funciona, mas ao mesmo tempo já destacou um diferencial (“tecnologia própria”).

A Solução: Insira amostras do seu produto/serviço, sejam telas do mesmo, fotos de um protótipo, um vídeo explicativo, etc. Tudo que tanto facilite o entendimento quanto demonstre sua capacidade de execução.

Os Diferenciais: Você deve agora reforçar suas vantagens competitivas perante a solução dominante do mercado. Observar que se deve comparar com quem já tenha maior market-share no mercado que irá atuar independentemente de ser similar. Exemplo: “Nossa tecnologia, diferentemente do maior player deste mercado, não precisa que se instalem medidores específicos, pois monitoramos o fluxo de água por nosso equipamento de detecção”.

A Proposta para os Investidores: Aqui, se você estiver apresentando para um investidor, deve apresentar qual o estágio do seu negócio, qual valor do investimento está buscando e para que será utilizado. Exemplo: “Já temos um protótipo funcional testado e avaliado pelo companhia XYZ e estamos buscando um investimento de R$ nnn para completar o desenvolvimento, fabricar as unidades piloto e fechar os primeiros contratos”. E completar perguntando se teria interesse em avaliar para investir.

A Proposta para clientes: Aqui, se você estiver apresentando para um cliente, deve apresentar qual sua proposta comercial. Exemplo: “Nossos serviços são remunerados com uma parte da economia que gerarmos para sua empresa; você não precisará fazer qualquer investimento”.

 

O que não pedir para o Investidor:

NDA ou Acordo de confidencialidade. (O Valor está menos na ideia e mais na capacidade de execução.)

Se o seu negócio possui um segredo, que se divulgado, pode ameaçar a sua competitividade, dificilmente um investidor vai se interessar.

O que não dizer numa reunião com investidores:

-Discursar a primeira hora inteira sobre tecnologia;

-Falar de forma prolixa, sem objetividade;

-“Nosso projeto de investimento pode consumir de R$100 mil a R$ 100 milhões, quanto mais recebermos, mais poderemos fazer.”

-No e-mail: “As suas dúvidas podem ser melhor esclarecidas em um reunião presencial.” 

- E na reunião: “As suas dúvidas podem ser melhor esclarecidas no material que vou lhe enviar por e-mail.”

 

Os Investidores:

- Investidores não estão atrás apenas de tecnologias de ponta, mas de bons negócios.

- Deixe sua estrutura societária pronta para receber um investidor.

 - Converse com mais de um investidor e se possível com  empresas que já receberam esse tipo de investimento.

- Evolua seu plano de negócios e sumário executivo a cada feedback que receber. Se mantenha aberto a críticas.

- Esteja preparado para uma longa caminhada, a negociação com fundos de venture capital pode durar mais de 1 ano.

 

Insights da escrita:

- Cássia Spina;

- Rodrigo Ventura de Oliveira;

- Techmall;

 

Enelvo Sanchotene Martinelli – Business Development da Hotmilk Ecossistema de Inovação da PUCPR Linked

https://www.linkedin.com/in/enelvo

 

Ambientes de Inovação

Ler conteúdo completo
Indicados para você