[ editar artigo]

A importância da resiliência nos cargos de liderança

A importância da resiliência nos cargos de liderança

Para se manter em cargos de liderança precisa-se de muita disciplina. Isso porque as atitudes tomadas por quem lidera afetam todo o restante da equipe. Para minimizar as possíveis reações negativa gerada nos outros, necessita-se de flexibilidade, afinal nem sempre as pessoas se comportam da maneira que esperamos.

Qualquer característica exagerada do líder pode ter um peso negativo na produtividade dos funcionários e influenciar a imagem que eles possuem da empresa.

Uma boa liderança mantém os trabalhadores motivados, o que melhora o relacionamento entre eles dentro da empresa e consequentemente gera uma maior produtividade. Quem trabalha feliz, trabalha mais. Para que essa dinâmica funcione, é fundamental sempre se colocar no lugar do outro antes de agir.

Uma das características fundamentais para exercer uma boa liderança é a resiliência, veja mais sobre ela:

O que é resiliência?

A etimologia da palavra vem do latim “resiliens”, que significa voltar atrás. Ela retrata diferentes significados, dependendo do meio em que está inserida. O termo pode ser aplicado em diversas vertentes: administração, física, psicologia e ecologia.

Em geral, trata-se da capacidade de se manter em equilíbrio após surpresas adversas, situações não corriqueiras ou quando se lida com dificuldades. Tal característica demonstra pessoas que sabem lidar com os problemas, mesmo quando as coisas não aconteçam do jeito desejado.

Para ser resiliente é preciso controlar muito bem as emoções, para que elas não afetem as decisões. Necessita-se de postura firme, que não ceda ao meio externo. Se trata de quem é capaz de fazer a escolha certa, sem medo das consequências.

Em relação à biologia, está atrelada à capacidade que o meio ambiente possui de se regenerar, restaurando seu sistema após situações extremas. No ramo da física, diz respeito à energia e massa que se deformam, passando por alguma forma de stress e retornam à sua forma inicial.

 

Todo mundo pode ter resiliência?

Existem pessoas que se sentem perseguidas pelos problemas e que são extremamente emotivas ao deparar com obstáculos, não chegando nem perto da resiliência. Precisa-se saber transformar problemas em oportunidades. Líderes com essa característica aprendem com os erros e enxergam além do que pessoas comuns são capazes.

Estudos já comprovaram que a desordem é necessária para existir mudança e evolução. Sem o caos, as pessoas tendem a se manter estagnadas na zona de conforto. Experiências negativas fazem com que os empreendimentos se tornem melhores e maiores.

 A resiliência requer experiência no mercado de trabalho. Pessoas com maior carga de conhecimento são mais focadas e capazes de produzir mais.

Principais benefícios

 Veja a lista com as principais vantagens em ser resiliente. Quanto mais características se enquadrarem em sua personalidade, mais perto você estará da resiliência:

  • As experiências negativas são transformadas em mudanças;
  • A comunicação melhora, mesmo entre pessoas que pensam diferente;
  • Uso linguagem simples, capacitando o entendimento de todos;
  • Existe a grande capacidade de passar por mudanças, desafios, traumas e perdas;
  • As decisões são tomadas com mais rapidez;
  • Uso da criatividade e flexibilidade para encontrar soluções diferenciadas;
  • Segurança de si, de seu trabalho e autoestima elevada;
  • Toda ação é bem-feita;
  • Persistência até que seus objetivos se concretizem;
  • Reconhecimento de quedas no caminho e da possiblidade de se reerguer;
  • Há o otimismo e a visão positiva do futuro;
  • Se tem esperança que as coisas podem mudar pra melhor, basta querer;
  • Proatividade;
  • Facilidade em inovar;
  • Poder de facilmente lidar com situações desconhecidas;
  • Superação;
  • A consciência da necessidade de reserva de energia;
  • Construção de um plano B;
  • Ousadia em arriscar.

 

Sinais de que o líder precisa de mudança

Não se nasce resiliente, se torna resiliente. Para isso é preciso começar a agir de modo proativo. Quanto mais se identificar com a lista abaixo, maior será a necessidade de mudança:

  • Fuga das tomadas de decisões;
  • Dificuldade em enfrentar mudanças e sair da zona de conforto;
  • Baixa autoestima, não acredita em si mesmo e naquilo que se faz;
  • Frustrações com coisas que não estão em seu alcance;
  • Demora pra seguir em frente;
  • Falta de criatividade;
  • Não buscar novidades, escolher sempre as mesmas coisas;
  • Falta de inteligência emocional;
  • Foco nas características pessimista, mesmo em situações vantajosas;
  • Falta de superação;
  • Comunicação falha com outras pessoas;
  • Dificuldade em se expressar e de entender o outro;
  • Não saber ouvir.

Provavelmente todo mundo se identifique com um item ou outro. O problema ocorre quando não se reconhece os próprios defeitos e quando não se está a mudanças. Tentar culpar as pessoas e situações ao redor também não é um bom sinal.

O que fazer para mudar e se tornar mais resiliente?

 Para mudar comece reconhecendo que existem muitas situações fora de seu alcance e priorize o que pode ser controlado. Pergunte-se o que você gostaria que acontecesse se estivesse no lugar daqueles que recebem suas ordens. Cultive o autocontrole no quesito emocional e racional.

Cultive amizades no ambiente profissional e crie situações ao seu alcance para beneficiar os trabalhadores da sua empresa. Um bom ambiente de trabalho melhora o a relação entre os empregados e o desempenho. Aprenda a analisar os problemas e projetar soluções.

Transforme as adversidades em novas possibilidades. Lembre-se que os momentos difíceis servem pra ajudar a evoluir, afinal, dificilmente se modifica aquilo que está funcionando bem.

Pratique atividades de lazer nos horários livres, que podem aliviar a tensão do meio profissional. Praticar exercícios físicos também ajuda a liberar hormônios responsáveis pela felicidade. Quando se está mais tranquilo e feliz com a própria vida, fica mais fácil ser otimista, mesmo ao se deparar com problemas.

Procure se conhecer e saber como você reage em relação aos estímulos externos. Conhecendo seus gatilhos, é possível modifica-los. Saiba que pessoas flexíveis costumam gerar menos atrito.

Caso sinta muita dificuldade no processo de mudança, você pode procurar ajuda profissional de psicólogos ou coaches, por exemplo. Eles podem lhe ajudar a encontrar seus pontos fracos e aprender a controlar emoções. O profissional também poderá facilitar o processo para reconhecer o que mais lhe irrita e as dificuldades de se relacionar com o próximo.

 

Gestão de Pessoas e Liderança

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você