[ editar artigo]

Feedback: erros e acertos mais comuns entre os líderes

Feedback: erros e acertos mais comuns entre os líderes

Comum em algumas empresas, nem tanto em outras, a palavra feedback é bastante conhecida nas organizações. O que muitos gestores não sabem é que essa prática é essencial para promover o crescimento da equipe e o desenvolvimento do negócio. Por isso, o feedback está diretamente ligado ao sucesso de uma empresa, já que com ele o funcionário sabe exatamente o que precisa mudar e melhorar. Isso também favorece a motivação do colaborador para desempenhar um bom trabalho.

Apesar de ser importante para as organizações e para a produtividade do funcionários, muitas empresas não sabem como lidar com o feedback - e acabam fazendo isso de maneira equivocada. Neste texto, separamos os erros e acertos mais comuns quando o assunto é feedback. Confira quais são eles!

Não perca o prazo de validade 

Alguns líderes deixam para fazer o feedback uma vez ao ano ou então demoram até mais de um ano para ter uma conversa franca com o funcionário. Tenha em mente que feedbacks têm prazo de validade: não espere meses para pontuar coisas que já poderiam ter sido ditas em reuniões rápidas. O timing é fundamental!

Outro ponto importante que é deixado de lado por muitos líderes é o tempo de duração da conversa. O ideal é que o papo não seja tão demorado - para isso é preciso que os feedbacks sejam mais recorrentes. Especialistas afirmam que o ideal é fazer um feedback a cada dois ou três meses.

Não dê um feedback vago ou apenas com base na informação de terceiros

Não adianta apenas dizer se as coisas vão bem ou não. O bom feedback é aquele que passa transparência baseado em fatos e acontecimentos. Também é interessante, ao pontuar erros e acertos, indicar possíveis ações que poderiam ter sido tomadas em cada caso. Se for algo negativo, foque em dicas para o colaborador que possam fazer melhorá-lo.

Uma prática comum que também deve ser evitada é exemplificar acontecimentos com base no que outras pessoas falaram, sem ter fatos propriamente ditos do ocorrido. Por isso, tenha certeza dos pontos que está levantando, já que isso pode implicar, inclusive, em um pedido de demissão.

Esteja preparado para ouvir e seja responsável pela sua “fatia da pizza”

Ao dar o feedback, é importante estar preparado para ouvir o que o funcionário tem a dizer. O líder deve estar aberto para a troca de ideias e também deve entender as necessidades do colaborador. Muitas vezes, os funcionários também têm sugestões para melhorar a gestão ou alguma queixa sobre a empresa. Por isso, escutar o outro lado é crucial.

O líder também deve identificar a causa por trás da necessidade do colaborador e estar pronto para se responsabilizar pela sua fatia da pizza. Isso faz com que você demonstre que ambos fazem parte de uma equipe e que cada um tem sua responsabilidade dentro da organização.

Ser objetivo faz toda a diferença

Evite gerar dúvidas e seja objetivo no feedback do profissional - isso evita a criação de expectativas equivocadas. Uma dica é se preparar com antecedência, separando os pontos mais importantes a serem ditos, para que dessa forma o feedback seja mais fácil e que a conversa flua melhor.

Outra importante ação que pode contribuir com o desenvolvimento do funcionário é a criação de um plano de ação - e você pode ajudar muito nisso. Tenha em mente que o feedback não é apenas dar um retorno sobre o trabalho desempenhado. É preciso traçar um plano de ação com o funcionário e equipe, e ter clareza nisso.

E para você, qual é o erro mais comum quando o assunto é feedback? Comente aqui!


 

Liderança

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você