[ editar artigo]

O grande desafio da liderança: manter simultaneamente o foco na tarefa e no relacionamento

A discussão entre a dualidade dos papéis do líder quanto à realização da tarefa e ao relacionamento socioemocional  tem sido relatada em diversas teorias sobre liderança há décadas. Desde o movimento de gestão científica de Fredrick Taylor, com a ênfase total na tarefa, até os pressupostos de David McClelland, de que no nível individual, os líderes orientados para a tarefa têm uma grande necessidade de realização.  Culminando com a construção teórica de Hersey e Blanchard, em 1969, que  desenvolveram o modelo de liderança tridimensional, conhecida popularmente como liderança situacional, que buscava vincular as funções de liderança orientadas a tarefas e relacionamentos às percepções dos seguidores sobre a eficácia da liderança.

Em pesquisas recentes da neurociência[1], pesquisadores descobriram que a orientação para tarefas e a orientação para relacionamentos socioemocionais são provenientes de características da nossa neurobiologia.  Ambas são derivadas de  redes corticais (cerebrais) antagônicas, ou seja,  ao “ligar” uma a outra é desativada.

A rede responsável pelas tarefas (Task-Positive Networking – TPN) é importante para a resolução de problemas, manutenção do foco e da  atenção, tomar decisões,  controlar as ações, e acionar o raciocínio lógico,  matemático e mecânico. Essa rede estaria relacionada à orientação para tarefa.

Já, a rede dos relacionamentos socioemocionais (Defalut Mode Networking -DMN) desempenha papel central na autoconsciência emocional, cognição social e tomada de decisões éticas, e, também, está ligada à criatividade e à abertura a novas ideias.  Essa rede é a base para os papéis relacionais em que o líder toma consciência e dá sentido às suas próprias emoções e às de outras pessoas, ajudando a construir o senso de propósito e o trabalho em equipes. Essa rede estaria, portanto, vinculada a outra função dos líderes, a do desenvolvimento de relacionamentos.

Na lógica antagônica de funcionamento das duas redes corticais, as habilidades analíticas de um indivíduos são suprimidas quando eles estão empaticamente engajados com as pessoas, e vice-versa.

Nas últimas décadas, formou-se um consenso de que bons relacionamentos no ambiente de trabalho, entre líderes e liderados, são fundamentais para que os resultados sejam alcançados. Nessa direção, surgiram ferramentas de assessment que permitem a ampliação do autoconhecimento em relação à inteligencia emocional e relacional, como o EQi, o DISC, entre tantos outros. Além disso, as organizações passaram a investir em programas de capacitação e coaching para desenvolver competências de liderança com ênfase nos  aspectos emocionais exigidos para função.

Apesar de as evidências da neurociência sugerirem que os líderes não podem atender simultaneamente à orientação para a realização da tarefa e para o desenvolvimento de relacionamentos, sabe-se que se os líderes se mantiverem num dos extremos, reduzirão a sua capacidade transitar e alternar entre as duas redes, resultando na supressão prolongada de uma das redes e funções associadas, tornando-os ineficazes no desempenho de sua função como líder.

Na prática, espera-se que a liderança seja capaz de atender às expectativas da organização quanto à realização das tarefas e ao cumprimento dos objetivos, bem como seja eficaz na atenção às emoções dos seus liderados e aos relacionamentos, tornando a sua função como líder mais humanizada. O essencial é desenvolver a capacidade de alternar fluidamente entre as duas redes corticais sempre que o contexto exigir, manifestando comportamento apropriado às diferentes situações.

E você, tem conseguido transitar entre essas duas funções: da tarefa e do relacionamento?

Rosângela Angonese

Coordenadora do Polo de Liderança Sebrae

 


[1] Richard E. Boyatzis , Kylie Rochford and Anthony I. Jack (2014)

 

Liderança

Comunidade Sebrae
Rosangela Maria Angonese
Rosangela Maria Angonese Seguir

Mestre em administração. Cursos de liderança na American University e Babson College nos Estados Unidos e OIT na Itália. Especialista em comportamento organizacional pela SBDG, UNAT e Rosa Krauz. Consultora no SEBRAE-PR

Ler conteúdo completo
Indicados para você