[ editar artigo]

Profissional 4.0: Entenda como é o profissional do futuro

Profissional 4.0: Entenda como é o profissional do futuro

Com a expansão das tecnologias de inteligência artificial, big data, robótica, computação em nuvem e similares, hoje podemos falar que estamos na era da Indústria 4.0 – mais flexível, mutável, e que exige um novo tipo de profissional para crescer. Mas quais características esse “profissional 4.0” deve ter para lidar com essa nova realidade? É sobre isso que vamos falar neste artigo.

Para começo de conversa, não há como definir o profissional 4.0 sem citar a Indústria 4.0. Por conta das tecnologias já mencionadas anteriormente, nessa nova indústria mais tarefas repetitivas ficam ao cargo de máquinas, liberando os profissionais para realizar trabalhos que demandam criatividade e “toque humano”.

Com maior liberdade de atuação, o profissional 4.0 passa a ser mais cobrado, especialmente no que diz respeito a liderança e eficiência no desenvolvimento de soluções para a empresa.

Máquina + Humano

As tecnologias de big data (que permitem a coleta e organização de grande quantidade de dados) oferecem base para insights a respeito de todo tipo de aspecto de um mercado – desde fornecer maior eficiência em logística até a análise do tempo que um consumidor fica no seu site, passando pela variação no volume de vendas de um produto ao longo do ano até a prevalência de determinado perfil demográfico entre os seus clientes.

Naturalmente, esses dados também ajudam a alimentar a inteligência artificial de máquinas, mas talvez a melhor maneira de aproveitá-los ainda exige o olhar de um profissional competente, que pode usá-los como base para tomar decisões estratégicas efetivas.

Aliás, uma das principais características do profissional 4.0 é o domínio de novas tecnologias – ou, ao menos, a agilidade para aprender a utilizá-las com competência. Entre as que estão se expandindo rapidamente está a chamada internet das coisas (ou IoT – Internet of Things, em inglês), que provoca mudanças tanto nas indústrias como no ambiente doméstico.

Por conta da conexão com a internet, essas novas máquinas podem desempenhar funções mais sofisticadas. Contudo, isso também demanda maior domínio por parte de quem for operá-las, para obter os melhores resultados possíveis. A interface homem-máquina se torna mais complexa na medida em que seu potencial cresce.

Eis alguns exemplos do que uma fábrica inteligente pode fazer: realizar automaticamente backups ou manutenções preventivas; alterar a rotina de produção de forma autônoma para aprimorar os resultados; identificar e prevenir falhas de processos.

O profissional da Indústria 4.0 deve ser capaz de trabalhar lado a lado com máquinas com esse tipo de recurso.

O indivíduo e a equipe

Outra capacidade demandada pela nova indústria é a de liderar e trabalhar em equipe, promovendo um ambiente colaborativo e produtivo. Leve-se em conta que um profissional 4.0 possivelmente estará trabalhando junto com outras pessoas tão ou mais capazes do que ele – o que pode tornar mais desafiadora a tarefa de promover sinergia.

O dinamismo da Indústria 4.0 também demanda que o profissional se atualize constantemente, investindo em uma capacitação contínua para poder acompanhar as mudanças ou até mesmo, se possível, prever tendências e se preparar, adotando uma postura proativa. Já não basta cursar uma graduação, por exemplo, e considerar que os estudos estão encerrados. Programas de pós-graduação, especializações, workshops, eventos de imersão, cursos online… são muitas as possibilidades de aprendizado contínuo.

E você, já se considera um profissional 4.0? Ou, se não, sabe o que precisa fazer para se aprimorar a ponto de atingir esse novo nível de exigência? Fique de olho nos conteúdos da Comunidade Sebrae e aprimore continuamente suas capacidades pessoais e profissionais!

Lembre-se também de nos deixar um comentário contando o que achou do artigo e compartilhando suas experiências.

 

Gestão de Pessoas e Liderança

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você