[ editar artigo]

Inteligência Artificial no Varejo

Inteligência Artificial no Varejo

Embora o desenvolvimento de tecnologias de inteligência artificial (IA) tenha começado há muito tempo (datando pelo menos da década de 1950), sua aplicação no mundo das vendas é relativamente recente. No varejo propriamente dito, ainda há bastante o que crescer – e as vantagens são muitas, como veremos neste artigo.

Dados em abundância

Um dos pilares que vem permitindo que mais empreendedores do varejo façam uso da inteligência artificial em seus negócios é o uso constante e crescente de smartphones por parte de consumidores em potencial. Interagindo com diversos aplicativos ao longo do dia, as pessoas oferecem informações sobre seu comportamento de lazer e consumo.

O desenvolvimento da computação em nuvem também colabora para colocar a inteligência artificial ao alcance de varejistas, já que permite a coleta, o armazenamento e o tratamento de um grande volume de informações.

Por fim, conforme se desenvolvem novas plataformas e programas para lidar com informações, empresas de todos os portes podem encontrar soluções que caibam em seus orçamentos. Pouco a pouco, o uso da inteligência artificial deixa de ser uma exclusividade de gigantes do mercado.

A jornada na loja

Quando olhamos para o e-commerce, é mais fácil pensar nas aplicações da inteligência artificial, já que é um ambiente virtual e estamos falando em dados digitais. Remarketing, promoções personalizadas e divulgadas em períodos de maior probabilidade de compra, criação de anúncios feitos "sob medida" para o usuário...

Mas e nas lojas físicas? Talvez seja preciso uma dose extra de criatividade, mas é possível pensar em como analisar (e aprender com) o comportamento dos clientes. Entre as aplicações possíveis, temos a contagem de clientes; a análise de popularidade dos produtos; o monitoramento dos padrões de movimentação dentro das lojas; a análise de padrões de venda; o monitoramento do volume de consumidores em filiais e regiões.

Sejam quais forem as variáveis analisadas, o objetivo principal seria entender a jornada dos consumidores e usá-la como base para criar estratégias de negócio mais eficazes. Com dados mais precisos e volumosos, é possível tomar ações mais certeiras e menos generalistas, ampliando as chances de sucesso e reduzindo as eventuais perdas.

Inteligência de mercado

Quem já realizou pesquisas com seus clientes sabe como pode ser especialmente desafiador organizar as informações e chegar a conclusões úteis para o negócio. Quando se fala de um volume ainda maior de dados, é praticamente impossível chegar a uma conclusão sem a ajuda de sistemas que organizem esses dados. É aí que entra a inteligência artificial.

Um dos pontos-chave da IA é a organização de informações de maneira coerente e o aprendizado contínuo (o "machine learning" ou "aprendizado da máquina", em tradução livre), que permite uma evolução com o passar do tempo. Conforme o sistema é alimentado, ele "aprende" a encontrar padrões e gerar insights cada vez mais precisos.

Embora isso não substitua o olhar crítico de um profissional experiente, com certeza é uma grande ajuda na hora de tomar decisões importantes para o negócio – como a adoção de promoções personalizadas, a mudança no catálogo de produtos ou a abertura de uma nova filial. A própria questão da logística também pode ser beneficiada por esse tipo de tecnologia (confira um artigo sobre o assunto clicando aqui .

Apesar de tudo, é preciso tomar um cuidado especial no uso da inteligência artificial para não cair na invasão de privacidade dos seus consumidores – ainda mais agora, com a vinda da LGPD. Os dados devem ser obtidos sempre de maneira consentida e transparente, e ações personalizadas devem ser muito bem pensadas para que o cliente não fique com a impressão de que está sendo vigiado ou que teve seu dispositivo invadido.

Já imaginou com a inteligência artificial pode ajudar o seu negócio? Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário!

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você