[ editar artigo]

Artesanato em família

Artesanato em família

Eu sou Nadir Ferreira Zambianchi, casada, três filhos e uma filha, todos já casados. Sou nascida no interior de São Paulo e aos 14 anos nos mudamos para Nova Esperança, região noroeste do Paraná. Eu e minha família viemos para trabalhar nos sítios, em plantações de café. Num desses sítios em que morei, conheci uma moça muito querida que me ensinou a fazer crochê, seu apelido era Mafia.  Eu sempre fui muito curiosa, observadora, então aprendi fazer o crochê com muita habilidade. Depois nos mudamos para o patrimônio de Barão de Lucena e por lá ficamos durante mais de 40 anos. Nessa cidade eu me casei, tive meus filhos, cuidei deles e nunca deixei de fazer meus crochês, nem sempre os vendia, mas nunca parei de fazer.

Em 2001, eu e meu esposo, resolvemos nos mudar para Maringá. Eu comecei a trabalhar como babá de uma criança e fiquei com essa família por quatro anos até que se mudaram da cidade. Minha sobrinha teve bebê, trabalhava fora e me convidou para ajudá-la em sua casa. No mesmo quintal morava minha irmã, Amélia. Foi então que começamos a produzir crochê e surgiu a ideia de começar a vender. Logo fomos contatadas para começar a vender na praça do Mercadão, trabalhávamos as duas em uma mesma barraca até que o espaço começou a ficar pequeno, então resolvemos que cada uma teria sua barraca e em 2004 me associei a ARTCIC - Associação de Artesanato Cidade Canção. Eu sempre estou em busca de conhecer novos materiais, novos corantes, buscando novos modelos. Hoje trabalho muito com o símbolo da catedral nos meus produtos e sinto muito orgulho de conseguir gerar renda através do artesanato. Com a pandemia não tem sido fácil, sem a participação nas feiras as vendas caíram muito, mas eu tenho fé que logo retornaremos.

Neste mês de outubro completo 74 anos e nesses mais de quinze anos de trabalho com artesanato, meu esposo, Paulo Zambianchi, sempre me apoia e me ajuda muito: carrega e descarrega o carro, dirige, monta e desmonta barraca e até mesmo me ajuda a vender na barraca. Sem ele, eu não conseguiria trabalhar com o artesanato nas feiras. Meus filhos também me ajudam tirando fotos e colocando nas redes sociais. Ficarei muito feliz de receber vocês no meu Instagram e Facebook para apreciarem a minha arte.

 

https://www.facebook.com/nadir.ferreirazambianchi

Negócios em Turismo

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você