[ editar artigo]

O QUE FAZER COM OS NEGÓCIOS DE TURISMO EM TEMPOS DE PANDEMIA? | Guia de Tendências 2020-21

O QUE FAZER COM OS NEGÓCIOS DE TURISMO EM TEMPOS DE PANDEMIA? | Guia de Tendências 2020-21

 

A pandemia do Coronavírus fragilizou o mundo, impactando não apenas nossas vidas pessoais como também nossos negócios. Os empreendedores mais antenados, porém, logo passaram a acompanhar as novas relações que estão se estabelecendo no mercado a partir de agora. Pensando nisso, o Sebrae lançou recentemente o Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia, que traz uma série de informações sobre as novas mentalidades de consumo e novas configurações laborais, durante e pós-pandemia. 

 

Embora o Guia seja de extrema importância para que você, empreendedor, possa compreender melhor sobre o novo cenário global, sabemos que ainda assim "um exemplo pode valer mais que mil palavras”, não é mesmo? Por isso agora trazemos este artigo, que contém diversos exemplos de iniciativas no seu setor que estão captando muito bem o atual Zeitgeist¹  e as novas tendências de mercado!

 

O Turismo, aliás, infelizmente é um dos setores que mais sofreu impactos negativos com a pandemia. Sabemos que estes negócios dependem essencialmente de passeios e viagens, o que implica em aglomerações e trânsito livre de pessoas pelo mundo — tudo o que não devemos fazer em um momento de pandemia. Então como reduzir tais impactos sem desrespeitar a saúde e o bem-estar da população?

(https://www.gettyimages.com.br/detail/foto/female-climbers-standing-in-water-steam-imagem-royalty-free/141800898)

 

O Arima Sanso Gosh Bessho Resort, no Japão, pensou em uma excelente solução para levar a vivência em suas casas de banho até os seus clientes. A empresa projetou uma experiência de realidade virtual (VR) para recriar o ambiente de suas fontes termais. Estas fontes, ou casas de banho, são locais muito frequentados pela população japonesa, pois buscar estes espaços para relaxar é uma tradição cultural, e com a pandemia não apenas esses negócios foram prejudicados como todas as pessoas que usufruíam deles. Ao todo, cinco pousadas da rede tiveram suas casas de banho gravadas, em vídeos com cerca de 20 minutos que foram disponibilizados em um canal do YouTube. Desse modo, frequentadores que tenham óculos VR podem ter uma experiência imersiva desde o conforto de suas próprias casas, e a rede de resort ainda pode atrair novos públicos com este formato!

 

O formato, aliás, é muito similar ao que o Drive and Listen oferece. A plataforma gratuita simula passeios de carro por diversas cidades do mundo — mas neste caso, dispensa os óculos VR. Atualmente é possível passear por até 38 cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo, Barcelona, Londres, Chicago, Los Angeles e Tóquio. O site também disponibiliza a opção de escutar rádios locais e ativar o som ambiente das ruas (que incluem ventos, buzinas e outras sonoridades "naturais" dos passeios de carro). Os canais de rádio podem ser escolhidos de acordo com o país selecionado em cada passeio. No Brasil, por exemplo, é possível ouvir a NovaBrasil FM, a JBFM e a Rádio 93.

 

Mas nem sempre os passeios virtuais dependem de simulações. O programa Tours from Home, criado pela empresa de turismo Walks, na Itália, oferece passeios ao vivo por videochamadas, através do aplicativo Zoom. A companhia disponibiliza um calendário para que os usuários escolham o passeio, agendem com um guia e comprem seus ingressos (que custam em torno de US$10 por pessoa). Ao efetuar a compra, os clientes recebem um e-mail que contém o link para a videochamada e, dependendo da categoria do passeio, um material de apoio.

 

Funcionária do Arima Onsen experimentando a realidade virtual. Fonte: South China Morning Post (https://www.scmp.com/week-asia/lifestyle-culture/article/3081484/coronavirus-japans-onsen-provide-virtual-reality)

 

Fora das soluções digitais, um hotel na Dinamarca encontrou uma maneira rápida, inteligente e eficiente de higienizar os seus quartos, equipando todos com uma tecnologia de auto-limpeza. Quando o sol nasce e os raios entram pelas janelas, um spray antibacteriano, incolor e inodoro é acionado, desinfetando automaticamente os quartos do Hotel Ottilia. A tecnologia, chamada de Clean Coat, é resultado de uma parceria do hotel com a empresa ACT (também dinamarquesa). Graças ao dispositivo, hóspedes e funcionários do hotel podem se beneficiar, pois além de maior segurança sanitária, a equipe de limpeza não precisa inalar produtos químicos agressivos e os quartos podem ser arrumados mais rapidamente.

 

O exemplo a seguir, porém, antecede a pandemia e não apresenta especificamente soluções para tal. Mas é muito válido trazê-lo também como referência pois ele evidencia um tipo inteligência muito além da virtual ou artificial: a inteligência humana. Em 2017, Porto Rico foi devastado pelo furacão Maria. Para reerguer o país, que ficou completamente destruído, a ideia foi investir no turismo para atrair novos visitantes e ajudar a criar fundos, fazendo com que o Airbnb abraçasse a causa entrasse em cena. A empresa criou mais de 50 novas experiências para Porto Rico, oferecidas por negócios locais, como por exemplo caminhadas nas reservas naturais. Além disso, o Airbnb também passou a doar todas as taxas de reservas na ilha para organizações de recuperação locais, reforçando o compromisso de ajuda ao país. 

 

Seja explorando novos territórios, como o digital, ou unindo forças através de parcerias ou integração de serviços, a regra número um para se levantar nesta crise é desafiar o senso-comum. Se no momento o turismo não pode acontecer como o habitual, é hora de desbravar novas possibilidades e pensar em soluções que beneficiem tanto os clientes como o seu próprio negócio (e porque não, negócios parceiros também?). Pensar no coletivo tem sido uma das principais pautas durante a pandemia e, não diferente, será uma das principais saídas para as empresas afetadas (desde que alinhada a pensar fora da caixa, claro). 

 

E você, empreendedor? Como pode ajudar seus clientes, seus pares e, consequentemente, a si mesmo?

 

Para mais ideias inspiradoras, confira o nosso Guia de Tendências 2020-21: Sociedade e Consumo em Tempos de Pandemia!

 

¹ Zeitgeist: 'Espírito do Tempo', em alemão. Conceito difundido pelo filósofo Hegel no séc. XVI para se referir à cultura específica de uma época.

Negócios em Turismo

Comunidade Sebrae
Mauricio Reck
Mauricio Reck Seguir

Consultor de Inovação no Sebrae/PR & CEO na UNA Smart!

Ler conteúdo completo
Indicados para você