[ editar artigo]

Um Novo Turismo: Destinos Turísticos Sustentáveis

Um Novo Turismo: Destinos Turísticos Sustentáveis

O ano de 2020 começou muito difícil para o Turismo. Por conta do novo Coronavírus em todo o mundo eventos foram adiados (até as Olimpíadas 2020!), voos cancelados, cruzeiros interrompidos, restaurantes e meios de hospedagem fechados, agências paradas. Destinos turísticos, que antes se encontravam frequentemente congestionados por ônibus, vans e pessoas de toda parte, num momento de “descanso”.

A Espanha que bateu recorde em número de turistas em 2019 com a chegada de 83,7 milhões de turistas internacionais, de acordo com a secretária de Turismo espanhola, Isabel Oliver, há algum tempo vem enfrentando o overtourism. A população de Barcelona, por exemplo, expunha cartazes com mensagens para os turistas voltarem para suas casas por não serem bem-vindos por lá. Agora não recebe ninguém.

Em Veneza, na Itália, o bloqueio nacional do último mês levou a uma redução significativa das emissões poluentes e deu origem a imagens inéditas, como as dos canais com água mais cristalina e peixes nadando. De acordo com um porta-voz da câmara de Veneza à CNN “o fato de o turismo ter sido (na prática) interrompido naquela cidade levou a que as águas tivessem muito menos movimento de barcos nos canais, o que leva a que os sedimentos fiquem no fundo”, explicou.

O fato é que a prestação de serviços turísticos está estagnada (companhias aéreas, hotéis, agências de turismo, restaurantes, etc). O COVID-19 os obrigou a parar.

Mas os destinos permanecem com seus encantos e infinitos admiradores. Por isso a atividade turística deve retomar seu curso tão logo a pandemia se acalme. E como será esse novo Turismo? Será do jeito que fizermos. E eu acredito num modelo sustentável.

Turismo Sustentável

Por definição da OMT (2003) “o desenvolvimento do turismo sustentável atende às necessidades dos turistas de hoje e das regiões receptoras, ao mesmo tempo em que protege e amplia as oportunidades para o futuro. É visto como um condutor ao gerenciamento de todos os recursos, de tal forma que as necessidades econômicas, sociais e estéticas possam ser satisfeitas sem desprezar a manutenção da integridade cultural, dos processos ecológicos essenciais, da diversidade biológica e dos sistemas que garantem a vida”.

As dimensões do turismo sustentável são três:

  • o meio ambiente, tanto natural quanto construído;
  • a vida econômica de comunidades e empresas;
  • os aspectos sociais do turismo em termos de seus impactos sobre culturas locais e turistas, e o modo como são tratados os que trabalham no turismo.

Muito se comenta sobre as tendências do turismo, mas nos últimos 10 anos tem se falado em sustentabilidade para esse setor, e agora, mais do que nunca, é uma questão de necessidade. Redução de emissão de CO2, do consumo de energia e água, respeito, valorização e envolvimento com a comunidade local, gestão econômica são aspectos que demandam estratégias, governança, processos e monitoramento.

“As atividades desenvolvidas em uma dada localidade devem atender aos princípios da sustentabilidade para manter o equilíbrio e a equidade entre as dimensões ambiental, social e econômica, contando com o engajamento dos diversos atores sociais para o planejamento e a execução de ações que possam contribuir para tal alcance, uma vez que, o turismo, como uma atividade que impacta, positiva e negativamente, a localidade que a desenvolve, deve ser gerenciado a partir do equilíbrio e da equidade entre as dimensões” (Santos e Cândido, 2015).

São inúmeros estudos e ferramentas que podem orientar o desenvolvimento das atividades turísticas de forma sustentável.

 

Critérios e Requisitos para a Sustentabilidade no Turismo

Pessoas preocupadas com as questões de Turismo Sustentável são muitas. Mas é possível encontrar facilmente materiais que auxiliam na implantação de ações sustentáveis na operação de atividades turísticas.

Existem, por exemplo, as normas técnicas internacionais (ISO), como a norma ABNT NBR ISO 20611 – Turismo de aventura – Boas práticas de sustentabilidade – Requisitos e recomendações, que traz importantes orientações de boas práticas de sustentabilidade para o turismo de aventura, ações alinhadas com os objetivos do desenvolvimento sustentável da Organização Mundial do Turismo, da ONU. Para Leonardo Persi – coordenador do grupo de trabalho da ISO de Turismo de Aventura, esses requisitos podem ser aplicados por diferentes tipos de empresas ou organizações que oferecem atividades de turismo de aventura em todo mundo, principalmente as pequenas e microempresas.

Para meios de hospedagem de qualquer tipo, tamanho e localização geográfica existe a norma ABNT NBR ISO 21401:2018 – Sistema de Gestão da Sustentabilidade de Meios de Hospedagem que, segundo Alexandre Garrido - coordenador do grupo de trabalho da ISO sobre Turismo Sustentável, “pressupõe o desenvolvimento de política e objetivos de sustentabilidade, baseados nos contextos interno e externo do empreendimento, nas necessidades das partes interessadas, nos riscos e oportunidades existentes e fundamentado nos aspectos e impactos negativos e positivos do negócio”.

Outra possibilidade são os Critérios Globais de Turismo Sustentável para Destinos (Global Sustainable Tourism Council – GSTC), alinhados com os critérios e indicadores da Organização Mundial do Turismo – OMT. Eles visam a redução da pobreza, igualdade de gênero e sustentabilidade ambiental, incluindo as alterações climáticas. Tais critérios são projetados para serem usados por todos os tipos e escalas de destinações. São quatro objetivos principais para atingir a denominação de turismo sustentável de destino:

  1. demonstrar a gestão sustentável;
  2. maximizar os benefícios sociais e econômicos para a comunidade de acolhimento e minimizar os impactos negativos;
  3. maximizar os benefícios para as comunidades, para os visitantes e para o patrimônio cultural e minimizar os impactos e;
  4. maximizar os benefícios para o meio ambiente e minimizar os impactos negativos.

 

O movimento de turistas ao redor do mundo em breve vai voltar a acontecer. E “o turismo é um elemento que tem contribuição significativa no desenvolvimento e renovação de cidades graças ao seus possíveis impactos e efeitos positivos que afetam a socioeconomia, cultura e território”, afirmam Marcelle Miskalo-Cruz e José Manoel Gândara. “O interesse global por temas ambientais e socioculturais aumenta o desejo dos turistas de experimentar serviços e produtos mais sustentáveis”, diz Alexandre Garrido. Sendo assim, a sustentabilidade não é mais uma opção, senão o único caminho a trilharmos. Podemos aproveitar esse tempo de distanciamento social e portas fechadas para planejar o turismo que queremos oferecer daqui por diante. Só depende de nós. Vamos juntos?

 

Negócios em Turismo

Comunidade Sebrae
Dartilene de Souza e Silva
Dartilene de Souza e Silva Seguir

Graduada e Mestre em Turismo (UFPR); Especialista em Gestão de Pessoas e em Planejamento e Gestão de Negócios. Desde 2006 vem se especializando em Normalização no Turismo atuando como instrutora e consultora para orientação e/ou implantação de normas

Ler conteúdo completo
Indicados para você