[ editar artigo]

Em que contexto a inovação tem a ver com a estratégia competitiva?

Em que contexto a inovação tem a ver com a estratégia competitiva?

A inovação está presente em todos os mercados, mesmo nos mais tradicionais como o jurídico, por exemplo.

Por isso pedimos ao advogado Rafael Reis para compartilhar uma dica sobre inovação, confere aqui:

No universo empresarial, a competitividade é de extrema importância, tanto em âmbito nacional quanto internacional. Com o advento da globalização, integração das economias e até mesmo com a internacionalização, a competitividade exerce papel fundamental nas políticas de desenvolvimento. Dessa forma, as organizações podem explorar as suas vantagens competitivas e sua produtividade na hora de competirem.

A inovação é um diferencial de competitividade, pois assume papel central na abertura econômica. E a ação conjunta dos agentes públicos e privados é de extrema importância para que a competitividade e inovação caminhem juntas.

Para incentivar a competitividade da indústria nacional, o Governo Federal criou linhas de incentivo a inovação, por meio de duas leis: A Lei do Bem e a Lei da Inovação Tecnológica, que visam a dedução de impostos, que podem ser reinvestidos em pesquisa e desenvolvimento, por exemplo. Essas leis têm como medidas a contínua melhoria dos produtos, serviços e processos, almejando o crescimento econômico das empresas brasileiras.

Para as empresas terem acesso à essas medidas, o governo federal criou algumas regras. As empresas precisam comprovar sua regularidade fiscal e se enquadrar no regime de lucro real, que calcula o valor de tributação dessas empresas, restringindo o acesso a apenas 8% das indústrias instaladas no Brasil. As empresas têm dificuldades de se adequar às exigências impostas. E ao optarem pela inovação, é imprescindível que as empresas estejam preparadas para futuros desafios.

Busca-se cada vez mais empresas inovadoras, que usem a criatividade e aperfeiçoem processos já existentes. Porém, as melhores ideias não nascem prontas ou repentinamente de forma que já possam ser colocadas em prática. Essas ideias precisam ser amadurecidas e moldadas com outras opiniões ao longo do processo de maturação. Para que essa maturação ocorra, é necessário um longo período para que seja trabalhada e aperfeiçoada dentro das organizações, deixando esse produto mais atraente e competitivo.

Agora, para entender a inovação como uma estratégia competitiva, precisamos identificar a diferença entre inovação e invenção...

Inovação não é sinônimo de invenção!

A inovação se faz possível por meio da criação de algum valor econômico agregado a um produto ou serviço existente, enquanto que, a invenção transforma as ideias geradas em planos, fórmulas, modelos e etc., como resultado de uma ação para a criação de algo que atenda uma finalidade.

A inovação visa buscar vantagens competitivas por meio de investimentos em pesquisas e novas tecnologias, atribuindo valor a produtos e processos já existentes, tornando assim a organização diferenciada de seus concorrentes. Mas a inovação também pode trazer a incerteza como parte do processo e cabe aos gestores desenvolverem uma cultura de tolerância ao erro e passá-la aos seus funcionários e colaboradores.

Como a inovação pode atrair novos clientes?

Nesse cenário mundial altamente competitivo, com o livre comércio entre uma grande parcela dos países, há incontáveis produtos e serviços à disposição dos consumidores, que podem se tornar obsoletos em um curto período de tempo. Mesmo assim, muitas empresas estão “perdidas” nesse cenário. Mas para que as empresas disputem essa corrida mercadológica, é necessário que elas invistam em pesquisa, inovação e desenvolvimento, de forma a agregar valor aos produtos e serviços já existentes.

Por exemplo, no processo de escolha de uma marca, é significativa a quantidade de pessoas que se sentem atraídas pelas marcas que investem em inovação. Os negócios podem alavancar quando as marcas são percebidas como inovadoras pelos clientes. Isso ocorre pelo fato de que os consumidores associam a marca a conceitos de modernidade e competência, que são consequências dos investimentos em qualificação pessoal e em alta tecnologia. Essa valorização da marca baseada na inovação cria clientes fiéis, que se dispõem a aumentar seus investimentos para a aquisição desses produtos e se tornam usuários assíduos da marca.

Outras vantagens que o investimento em inovação pode trazer às empresas são o aumento do desempenho dos funcionários, aumento do faturamento e simpatia por parte de uma parcela de mercado detida às mudanças na produtividade e na eficiência.

 Entre os impactos significativos nas esferas industrial e nacional estão as mudanças na competitividade internacional, produtividade local e um aumento no montante de conhecimentos que circulam nas redes.

Mas para que a inovação atraia mais consumidores é preciso conhecer os tipos existentes, sues costumes, características e suas aplicações para que as modificações significativas ocorram, trazendo a otimização de processos e a melhoria dos serviços e produtos. Assim, com o conhecimento e a comparação entre os possíveis caminhos é possível encontrar o modelo mais viável a ser seguido.

Tipos de inovação

O repentino surgimento de uma nova ideia que seja realmente capaz de gerar ganhos não é a melhor forma de gerenciar a inovação. Assim, como tantos outros sistemas de gestão, a inovação deve ser um processo gerenciado que objetiva aumentar a produtividade e atrair novos mercados. As inovações podem ser classificadas em radicais- aquelas que transformam mercados, criam novas categorias e mudam a base de competição de indústrias existentes- ou incrementais- com menor grau de novidade e menor impacto nos resultados, partindo da ampliação de soluções e novos resultados sobre algo que já existe.

A inovação é classificada em diferentes tipos, nas quais as empresas podem aproveitar para melhorar o seu desempenho:

  • Oferta: é quando a empresa desenvolve novos produtos ou serviços.
  • Plataforma: é quando se utiliza a mesma plataforma tecnológica para criar novos produtos. Utiliza a modularidade como estratégia.
  • Soluções: por meio da combinação de produtos, serviços e informação, criam-se soluções integradas às necessidades do público.
  • Clientes: é quando se identifica públicos ou segmentos não atendidos.
  • Experiência do consumidor: é repensar a interação da empresa com o público, criando novas experiências e sensações.
  • Captura de valor: é quando ocorre a redefinição de como a empresa é remunerada por seus produtos e serviços.
  • Processo: é quando há o redesenhamento dos processos para aumentar a eficiência.
  • Organização: é quando ocorrem mudanças na estrutura de funcionamento da empresa. Podendo envolver a alteração do escopo de atuação ou da forma como está organizada.
  • Cadeia de fornecimento: é quando existem diferenciais no fornecimento, movimentação e entrega de produtos e serviços.
  • Presença: é quando ocorre a criação de novos canais de distribuição ou locais em que os produtos ou serviços podem ser oferecidos.

A identificação do perfil de inovação das empresas permite a comparação com o perfil dos concorrentes e, a partir daí, desenhar uma estratégia futura explicitando onde a empresa quer inovar. A inovação pode ampliar as medidas que levam os gerentes a perceberem sua potencialidade em áreas que, anteriormente, não eram consideradas no processo de inovação, ou seja, as empresas não vão se restringir às inovações de produto.

A principal vantagem competitiva de combinar alguns tipos de inovação está no fato de quanto maior a capacidade de agregar o valor das inovações maior será a dificuldade de imitação. O novo modelo de negócios inovador pode surgir à medida que uma sequência de inovações de diferentes tipos e intensidades é estabelecida.

Impactos da inovação

A inovação pode trazer impactos positivos às empresas, tanto na formulação de um produto quanto ao seu processo e, consequentemente, ao mercado. Em relação aos produtos são nítidas as melhorias na qualidade dos bens e serviços e a ampliação da gama de bens e serviços ofertados. Quando são analisados os processos da inovação, verificou-se a redução de custos do trabalho, do consumo de matéria-prima, de energia, por exemplo. E os principais impactos notados no mercado são: abertura de novos mercados, ampliação da participação das empresas no mercado e o aumento da capacidade de produção ou prestação de serviços.

 A inovação como estratégia competitiva

Embora relativa, a competitividade de uma organização pode ser mensurada até mesmo em função de seu próprio desempenho. Para que isso ocorra, é imprescindível que os objetivos referentes à missão e visão empresarial estejam corretamente parametrizados, para que não seja colocada em risco a consecução do posicionamento estratégico da própria empresa.

A estratégia de ampliação ou manutenção da competitividade deve considerar várias variáveis, pois a dinâmica de uma gestão de inovação depende, essencialmente, de alguns aspectos, como: nicho de negócio, realidade de mercado, objetivos, maturidade e público-alvo. Essa ação deve ser uma escolha do gestor!

O importante é desenvolver uma sistematização de práticas e procedimentos que permitam orientar o fluxo criativo e alinhar as ideias aos objetivos da empresa por meio de pesquisas, análises e estudo de tendências.  A criatividade é outro recurso indispensável para a formação de projetos atrativos e transformadores: é uma cultura que deve fazer parte da rotina empresarial. Ter uma visão focada no futuro e ter a necessidade de acompanhar as tendências e se manter sempre bem informado sobre as novas tecnologias é um ponto essencial para o sucesso do projeto.

O processo de produção das ideias é extremamente dinâmico e requer monitoramento, análise, atualização e redirecionamento periódico das ações. E para que esse processo seja colocado em prática, é necessário ficar atento a estes quatro pilares: clareza de objetivos da estratégia, capacitação de pessoal, eficácia dos processos e disponibilidade dos recursos.

Um dos desafios encontrados pelas empresas é diminuir o período da fase de formulação de ideias e passar para a de comercialização. Para isso, é preciso investir em treinamento de equipe, pois as pessoas são a base do processo de inovação. Elas contribuem com ideias, insights e sugestões para a personificação do projeto.

Empresas que conseguem acelerar o lançamento de novos produtos ou serviços de uma forma criativa e eficiente se destacam da concorrência e criam as condições necessárias para satisfazer o cliente. Isso faz com que o reconhecimento da marca aumente consideravelmente.

Uma grande vantagem de promover inovação é atingir o pioneirismo no que faz e assegurar uma condição de controle do mercado, mesmo que seja por um tempo determinado. Muitas empresas se beneficiam dessa estratégia cobrando um preço diferenciado pelo produto sob a justificativa do valor agregado.

Vale lembrar que o marketing é o principal responsável por fazer com que o consumidor perceba o valor da marca.

Não basta somente lançar o produto, mas fazer com que ele seja o “preferido” dos usuários. Para alcançar esse objetivo, é de extrema importância fazer um Plano de Mídia que contemple a promoção tanto em veículos tradicionais (TV, outdoor, panfletos, rádio), como em mídia digital (tráfego orgânico e pago).

Mas como inovar e criar vantagem competitiva ao mesmo tempo?

A inovação pode ser considerada uma estratégia para alavancar as vendas da empresa. Investir em tecnologia impacta positivamente no lucro que a empresa terá. Muitos pensam que investir em tecnologia é gerar custos desnecessários e que isso impactará negativamente nos lucros.

Na verdade, o que acontece é o inverso: inovar significa oferecer vantagens ao consumidor e, com isso, ganhar a sua confiança e fidelidade. Consequentemente, haverá um aumento nas vendas, devido a essa vantagem sobre seus concorrentes.

Entretanto, é importante pensar que tipo de inovação se deseja implantar: muitas vezes elas não trazem os resultados esperados por erros de estratégia. Qualquer mudança demanda pesquisas e análises, afinal, de nada adianta investir em uma ferramenta que não fará a menor diferença nos resultados da sua empresa.

E essa análise deve ser feita individualmente, pois, nem tudo o que funciona para uma empresa de um segmento diferente do seu será, de fato, benéfico para a sua organização.

Como inovar e ao mesmo tempo garantir a lucratividade?

A inovação deve ser vista como um longo processo. Não adianta apenas ter criatividade e deixa-la fluir, é claro que ela é importante no processo, mas todo surgimento de ideia precisa ser analisado, mensurado, testado e acompanhado.

Toda empresa que está em constante processo de inovação tem grandes chances de conquistar a maior parcela do mercado, pois faz toda a diferença oferecer produtos e serviços diferentes dos concorrentes.

Esse “pioneirismo” é o que faz com que uma organização consiga bons resultados, sem precisar investir grandes valores. Dessa forma, o investimento em inovação como estratégia competitiva é uma excelente alternativa para quem deseja expandir os negócios e aumentar a frequência no campo do empreendedorismo.

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você