[ editar artigo]

O que o Dr. Emmett Brown tem a ver com Laboratório de inovação?

O que o Dr. Emmett Brown tem a ver com Laboratório de inovação?

Você já deve ter visto em desenhos animados, filmes ou em programas de comédia aquela figura clássica e caricata do cientista maluco, parecido com a famosa foto do célebre, genial e excêntrico Albert Einstein. Descabelado, eventualmente usando óculos grande remendado com fita silver tape e sempre trajando um jaleco que remete ao branco, mas está sujo como se indicasse que o personagem labuta arduamente em prol de seu objetivo.

              Então, analisamos o ambiente de trabalho desse cientista: um lugar com muitas ferramentas, (algumas nem sabemos pra que servem), na maioria das vezes não muito organizado e sempre cheio de insumos, matéria-prima, livros, cartazes e entusiasmo. Aí no decorrer da história aparece alguém que, de alguma maneira, ajuda o cientista a encontrar a solução para resolver o problema, como no filme “De Volta pro Futuro”, em que o jovem Marty McFly com ousadia e coragem ajuda o cientista Dr. Emmett Brown a levá-los de volta ao ano de 1985.

              Por último, mas não menos importante, relembramos a cena costumeiramente exibida em séries, filmes e desenhos: o cientista está lá, feliz e entusiasmado, testando suas ideias quando de repente “BUUM!”, uma explosão frustra a tentativa. E isso acontece mais de uma vez, até que, com a ajuda de outros personagens e depois de muitos erros, “EURECA!”, finalmente a solução final está pronta.

              Você deve estar se perguntando: “o que isso tem a ver com laboratórios de inovação em empresas?”. Explico!

              Primeiro, vamos pensar por qual razão cada vez mais empresas têm implementado laboratórios de inovação em suas estruturas.

              A digitalização dos modelos de negócios proporcionou exponencialidade, ou seja, com ferramentas digitais soluções conseguem ganhar mercado multiplicando seus clientes/ usuários de forma muito rápida, exponencialmente. Esses modelos de negócios já nascem num ambiente em que tudo é digital, assim, além da solução final ser entregue por meios digitais os processos também são inovadores, o que torna essas empresas muito ágeis em relação a outras que estão a mais tempo no mercado e nasceram analógicas.

              Esse contexto competitivo, ágil e digital requer produtos e serviços que possam ser definidos com esses mesmos adjetivos, então um laboratório dentro da própria empresa pode ser uma excelente alternativa para criar, desenvolver e testar rapidamente produtos/serviços criativos.

              No laboratório as ideias podem ser testadas e o erro não terá impacto para o negócio, afinal, os experimentos feitos dentro de um laboratório de inovação devem considerar justamente a possibilidade de falhar antes de ir para o mercado ou integrar algum processo importante da organização. Neste processo as falhas são fundamentais para gerar conhecimento e aprendizado. Então, relacionando ao “cientista maluco” que falha quando sua fórmula explode, podemos dizer que falhamos quando a solução desenvolvida não é viável, mas isso não impede novas tentativas, afinal agora sabemos mais um jeito de NÃO fazer.

              Um laboratório não é um laboratório de inovação sem algumas características importantes para funcionar, e com isso não estou dizendo que só dará certo se for assim ou se for assado, porém, os modelos testados têm pontos em comum, são eles:

  • Tenha um ambiente favorável à criatividade. Neste caso me refiro ao espaço físico mesmo. Um lugar confortável, abundante em cores e imagens que gerem insights;
  • Equipes multidisciplinares com competências diferentes geram conexões que podem resultar em boas ideias;
  • As pessoas precisam conversar. Conexões geram empatia e, consequentemente, soluções que realmente resolvam o problema do cliente/usuário;
  • Promova a criação coletiva, envolvendo os usuários/ clientes que usarão e/ou serão impactados pela solução;
  • Busque ideias. Fazer benchmark e conversar com pessoas que tenham experiências para compartilhar podem ajudar muito a ter ideias novas;
  • Tenha uma boa visão do negócio, não negligencie as especificidades e o contexto da sua empresa;
  • Seja ágil e erre rápido, aprenda rápido. Use ferramentas ágeis.

Diante de tudo isso, tenha cuidado para não criar a expectativa de que um Laboratório de Inovação será o “Salvador da Pátria”. Não será!

Porém, por ser uma ferramenta estratégica, pode mudar a cultura de uma empresa.

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você