[ editar artigo]

Testar sua ideia é importante, mas como? MVP e Protótipo

Testar sua ideia é importante, mas como? MVP e Protótipo

Se você chegou até essa página e começou a ler esse texto, podemos partir de duas hipóteses: a primeira é que esse tema interessa a você e certamente entender um pouco mais sobre ele irá contribuir de alguma maneira para sua vida e; a segunda está mais relacionada a como e para que você usa a internet, pois, mesmo que você negue, na “rede mundial de computadores” nada é por acaso.

Assim, abstraindo o motivo, razão e/ou contexto histórico social vamos ao que de fato interessa. Qual é a diferença entre MVP e Protótipo?

MVP é a sigla em inglês para Minimum Viable Product, que traduzida para o português significa Produto Minimamente Viável, ou seja, testar de maneira rápida e barata se uma ideia resolve um problema ou atende a uma necessidade.

“Oh céus, oh vida, não entendi nada. Como assim?”. Explico.

Pense numa comunidade localizada na periferia de uma metrópole. Neste lugar há poucas opções de lojas de roupas, produtos de limpeza, higiene pessoal, e comida. Desta maneira, os moradores têm de se deslocar para longe de suas casas para encontrarem uma variedade maior de produtos, incidindo em custo adicional para o consumidor e encarecendo o produto, sem contar o tempo que ele tem de investir no deslocamento. Por ser localizada longe dos grandes centros essa comunidade não tem cobertura de aplicativos de entregas como Rappi, James, Loggi, etc.

Neste caso podemos observar que: 1) pode haver uma demanda reprimida, ou seja, pessoas querem comprar, mas não há quem oferte; 2) as empresas locais não atendem todas as necessidades dos moradores da comunidade;

Sabiamente alguém observa esse contexto e quer aproveitar essa oportunidade, porém, antes de investir comprando um estoque gigantesco, alugando/construindo um depósito é necessário testar se realmente aquele lugar tem a demanda por tais produtos. Então, esse indivíduo resolve criar um grupo no Whatsapp chamado “Lojão da Comunidade” e envia neste grupo uma lista de produtos que os moradores não encontram nas lojas da região. Resultado: em 2 horas o pequeno estoque comprado para testar a ideia acaba.

Quais os aprendizados?

  1. Há demanda para aqueles produtos naquele local;
  2. As pessoas daquela comunidade estão dispostas a comprar comodidade, ou seja, não se deslocar.

Perceba que o empreendedor do exemplo observou uma oportunidade e usou os recursos que tinha disponível para validar se aquele modelo era viável ou não?

Isso é MVP. Pouco investimento para testar antes de aportar recursos significativos. Agilidade no teste resulta em agilidade no aprendizado.

Neste caso específico não atrelamos o MVP a um modelo de startup, aplicativo ou plataforma de base tecnológica (como de praxe), este exemplo tem como objetivo tangibilizar o conceito. Porém, se o objetivo é testar um app para agendar banho e tosa de cachorrinhos a aplicação é a mesma. Usar ferramentas que já estejam disponíveis para testar se o modelo vende.

Mas e o protótipo?

Excelente, vamos falar do protótipo seguindo no exemplo do agendamento de banho e tosa. Neste caso específico o protótipo é o modelo de aplicativo desenvolvido para testar ideia de negócios, ou seja, usamos o protótipo do APP (a carinha e as funcionalidades que ele terá) para testar se há alguém disposto a pagar por este serviço. Assim, o protótipo juntamente com o modelo de negócios é o MVP, mas o MVP também é um protótipo de um modelo de negócios. Doido né?

Então, deixe a criatividade fluir e crie protótipos e MVP’s.

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você