[ editar artigo]

Planejamento estratégico: sonho ou necessidade ?

Planejamento estratégico: sonho ou necessidade ?

 

 

Todos os dias nós temos vários projetos para melhorar nossas vidas. Estimulados pelas mensagens do ambiente e das conversas do dia a dia, desejamos emagrecer, parar de fumar, empreender, adquirir algo, tirar férias... etc....

 

Alguns desses projetos são grandes e difíceis de executar, outros mais simples e rápidos.

 

A maior parte não resulta em nada. Alguns resistem por algumas horas.

 

Alguns passam a nos perseguir e de vez em quando aparecem do nada em momentos de insatisfação “Vou fazer... E se eu fizesse... Não está na hora....

 

Pouquíssimos viram planos de ação e poucos chegam a ser executados e se transformar em realidade. Quantos de seus projetos você realmente levou até o fim?

 

Nós planejamos um churrasco com os amigos, quem leva o quê, quantas pessoas irão, o que faremos etc. e não planejamos “projetos” mais relevantes.

 

Em uma empresa acontece a mesma coisa. Com um agravante... São muitas pessoas tendo ideias o tempo todo. Mas o resultado é semelhante: a maior parte do que pensamos jamais é convertido em realidade. Por várias razões, mas principalmente, “por não ter tempo”.

 

Planejar é estruturar o caminho entre o querer e a ação. Isto vale para qualquer coisa que não possa ser executada agora.

 

Você já parou para planejar o seu dia? a sua semana? O seu mês? O ano? O método muda e as ferramentas mudam, mas o objetivo é sempre o mesmo: focar nossa energia e nossa atenção para que nossa ação nos leve na direção que desejamos.

 

O processo de Planejamento Estratégico é basicamente isto. Uma sequência de ações executadas por uma empresa para focar sua atenção.

 

Muitos empresários me perguntam como fazer, por onde começar, o Planejamento Estratégico da sua empresa. Muitos fazem diversos cursos em diversas entidades e “aprendem” inúmeras ferramentas e no fim não aplicam nenhuma delas, e acabam levando o dia a dia como sempre fizeram, “apagando incêndios” de forma desorganizada e chegando ao final do dia com a sensação de cansaço e “hoje não consegui fazer nada”, pois passou o dia correndo e resolvendo “pepinos”.

 

O Planejamento Estratégico é a ferramenta mais poderosa que existe para focar recursos escassos, para dar velocidade e consistência à execução, para inovar... Nada é tão eficiente para transformar a discussão sobre ideias e a tomada de decisão em uma ferramenta de ganho de competitividade e rapidez.

 

P.E. é um processo. Deveria ser um processo contínuo e cíclico, onde o fim de

um período de execução coincide com o novo período de planejamento. Deveria.

 

Poucas empresas o fazem desta forma, infelizmente. A maior parte reduz o processo a uma discussão anual de orçamento e metas que muitas vezes é esquecido após a primeira dificuldade, ou “falta de tempo”.

 

 

Estratégia é COMO nós vamos atingir um resultado. Tem a ver com a capacidade de definir uma direção e apontar a empresa nesta direção. 

 

Quando fazemos o P.E. o que estamos fazendo de fato é decidindo como faremos para obter o resultado que concordamos em atingir.

 

O P.E. define o como faremos para atingir um conjunto de objetivos. E este conjunto de objetivos atua como um mapa do caminho em direção à Visão da organização.

 

Ou seja, a Visão serve como uma meta estratégica a ser atingida.

 

Vale aqui um comentário sobre as Visões das empresas atuais. A Visão da empresa deve ser uma meta SMART, ou seja, ESPECIFICA, MENSURÁVEL, ALCANÇAVEL, RELEVANTE E TEMPORAL. Explicando: clara, que de para medir, que não seja um devaneio, importante e fundamental e com um prazo para execução, e hoje vemos muitos “quadrinhos” com visões completamente mal montadas e irrelevantes.

 

Aplique SWOT, ou Matriz FOFA, estabeleça suas Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças. Mais um comentário, essa ferramenta é extremamente poderosa quando bem aplicada, ou seja, deve-se “investir” tempo na sua análise e executada em TODOS OS PROCESSOS INDIVIDUALMENTE. Ouça seus colaboradores, ouça seus clientes, ouça todas as partes interessadas, OUÇA....o que é extremamente difícil para alguns.

 

Quanto menor for sua empresa e quanto mais rápido ela está crescendo, mais a Visão e a Matriz FOFA devem ser atualizadas e servirão, muitas vezes, apenas como uma direção, uma ideia.

 

A partir daí deveremos montar um Plano de Ação que irá definir objetivos, ações que terão prazos de execução, responsáveis, recursos etc.

 

O horizonte desse plano dependerá da complexidade da sua empresa, executar um Plano de Ação para todas as áreas é fundamental para o êxito global e atingimento da Visão Estratégica.

 

            Normalmente, se trabalha com ações semanais, chamadas de urgentes, mensais, e finalmente anuais.

 

 A montagem do plano de Ação deve ser feita por quem? Quem participa? Quem deve entender?

 

            Ora, quem executará o P.E deve entendê-lo e principalmente fazer parte da sua construção. Em muitos cursos eu vejo apenas o diretor e mais uma pessoa, e embora o “dono” da empresa seja fundamental, a pergunta que faço: Apenas ele executará o P.E? Acredito que não, pois então, qualifique seus colaboradores que efetivamente vão “tocar” o Planejamento.

 

A definição dos planos de ação (ou projetos estratégicos), de forma participativa, tem a finalidade de selecionar projetos ou ações que possibilitam alcançar as estratégias definidas e os resultados definidos pelas metas, promovendo o entendimento, o alinhamento entre áreas e o comprometimento das pessoas responsáveis pelos processos da cadeia de valor.

 

Como a implementação dos planos de ação é acompanhada?

 

A definição de indicadores e metas deve permitir a avaliação da eficácia das estratégias, sendo que o estabelecimento de metas para o êxito das estratégias tem como objetivo definir níveis de desempenho esperados para os indicadores estratégicos, com base em fatos, tais como: projeções de históricos, previsões mercadológicas, níveis de resultados alcançados por outras organizações do mercado ou setor de atuação, picos de resultados já alcançados anteriormente e desafios incrementais e outras variáveis.

 

A grande dificuldade encontrada nas empresas é justamente estabelecer metas e indicadores de acompanhamento dos objetivos e Planos de Ação, pois normalmente, são definidos de forma errônea e por “quero atingir tanto”, sem a mínima análise técnica, estatística, portanto, matemática para esse cálculo. É matemático, é razão e não emoção... sempre que se estabelecem metas com a emoção, sugiro que se prepare para a frustração.

 

 

Resumindo :

 

1                                 2                                 3                                 4            5

 

Monte                        Aplique                 Defina                     Faça        Controle

sua Vissão              Matriz FOFA         seus objetivos         seu          com

estratégica                                            estratégicos            P.E          indicadores

 

Luiz Alberto de Moraes Araújo

lalberto@sercomtel.com.br
Facebook Luiz Alberto de Moraes Araujo
Fone 43 9 9995 9700

Saúde é nosso negócio

Ler conteúdo completo
Indicados para você