[ editar artigo]

Empreendedorismo na web

Empreendedorismo na web

A aposta das mídias sociais para divulgar seus negócios

Todos querem ganhar dinheiro com as mídias digitais e a internet. O sucesso com o Google, Facebook, Instagram, Youtube, e outras inúmeras ferramentas virtuais que rendem bilhões aos seus idealizadores, desenha um novo cenário: o da “corrida virtual”.

Jornais moldam e cobram pelo conteúdo adaptado aos celulares e tablets. As maiores marcas voltam suas campanhas publicitárias para o meio virtual e as mídias digitais. Fornecedores de tecnologia desenvolvem softwares, aplicativos, e equipamentos, especialmente para o uso dos internautas.

A busca desenfreada em fazer da net uma fonte de faturamento rápida e milionária se reflete em lançamentos inusitados, que aparecem todos os dias. E conhecer o perfil dos internautas passa a ser fundamental nessa tentativa.


No Brasil, os usuários da web dividem-se basicamente entre os que produzem conteúdo, utilizam-no, e os que usam a rede virtual para consumir produtos e serviços. De acordo com um estudo da eCMetrics sobre o perfil dos usuários de mídias sociais no país, 96,2% dos internautas brasileiros utilizam pelo menos uma rede social e o Facebook continua sendo a principal, com 97,5%. O Instagram ainda é a segunda rede melhor colocada.

Não são apenas as empresas e empreendedores que utilizam as mídias sociais como ferramentas estratégicas para divulgar a marca de seus clientes. Pensando em enriquecer ainda mais, personalidades do showbizz e do cinema internacional estão se lançando como empreendedores virtuais e aproveitam essas mídias para divulgar seus negócios.

Um exemplo interessante é o do e-commerce de bijuterias Jewel Mint, criado pela atriz Kate Bosworth e sua estilista, Cher Coulter. É por meio de seu Facebook que a celebridade consegue atrair as fãs para a loja virtual e fazer delas novas clientes. Para adquirir uma joia, a futura consumidora deve responder um questionário no website, indicando seu perfil de estilo e se inscrever na mídia social.

Depois disso, uma conta é criada e aparece automaticamente cada vez que o endereço virtual é acessado. Uma seleção de peças é proposta à cliente, baseada no perfil analisado com a bateria de perguntas. A interessada pode comprar apenas um item por mês. Com um formato que potencializa o marketing viral ao mesmo tempo em que prospecta novas consumidoras, essa foi considerada uma grande sacada para empreendedora.

Tão poderosos quanto as mídias sociais no que diz respeito ao marketing viral, os influencers e blogueiros dominam o ciberespaço e se transformam em novos comunicadores, com poder de influência surpreendente. Uma constatação óbvia, quando analisamos o número de blogs existentes na internet: hoje são mais de 150 milhões.


Não é por acaso que alguns deles tornaram-se importantes meios de divulgação e chegam perto dos gigantes da imprensa. Muitos jornalistas migraram dos veículos de comunicação tradicional nos quais trabalhavam para apostar em seus próprios canais de informação.

Sobreviver num cenário invadido por tanta informação faz do conteúdo um bem ainda mais estratégico e precioso. Só ele é capaz de manter esses canais e fazer deles ótimas ferramentas de negócios. Para o segmento empresarial é crucial na fidelização e na prospecção de clientes. Na lei da internet reina quem informa de maneira eficiente e interessante.

Segundo dados da Peepi, quase 95% das empresas brasileiras já estão presentes nas redes sociais e dados do Social Media Trends, 62% delas consideram que essas plataformas têm um papel interessante para os seus resultados, e 85,3% delas dizem estar nas redes sociais para aumentar a sua visibilidade online, enquanto 64,8% buscam interagir com o seu público. Considerando a comunicação com o seu público, 44,4% das empresas do país postam em redes sociais com uma frequência média que varia de 1 a 3 vezes na semana, outras 26,3% produzem algum tipo de conteúdo de 4 a 6 vezes.

Estudo da PWC, com base em 1 mil entrevistas, mostrou que 77% dos brasileiros são influenciados pelas redes e mídias sociais na hora de comprar produtos, seja por comentários, likes ou interações com as marcas.

 

Comunidade Sebrae
Paula Batista
Paula Batista Seguir

Jornalista, especialista em Ciência Política e Sociologia Política. Graduanda em Direito, trabalha na Agência de Notícias Lide Multimídia e atua comunicação há mais de 20 anos.

Ler matéria completa
Indicados para você