[ editar artigo]

Principais atrativos do storytelling na comunicação

Principais atrativos do storytelling na comunicação

As marcas desempenham um papel de construção das histórias no imaginário das pessoas. A partir dessa construção, as pessoas criam sentidos e significados, se integrando assim à sociedade de consumo que vivenciam. Dessa forma, o storytelling é um dos principais atrativos na comunicação ao propagar histórias que confirmam seu significado, uma vez que as marcas fortalecem vínculos, gerando um ambiente de engajamento afetivo e se despindo das amarras corporativas que continuam a padronizar o mercado.

Quanto maior o nível de autenticidade alcançado por uma marca, maior é o seu valor percebido e, assim, ela ganha em preferência, lealdade, confiança e recomendação. Podemos dizer que a força de uma marca é diretamente proporcional à relevância do seu significado, por isso sua narrativa é ponto fundamental na construção da personalidade da marca.

Case FedEx e Wilson

Quem não se lembra do filme “O Náufrago” estrelado por Tom Hanks? Nele, o ator interpretava o papel de um funcionário da FedEx, uma das principais empresas americanas de serviços de entrega, que faz uma viagem de negócios pelo trabalho. Ao longo da narrativa, o personagem encontra várias encomendas que estavam a bordo de seu avião. Esses produtos que seriam entregues pela  empresa acabam o ajudando em sua sobrevivência na ilha. Entre as encomendas está a bola Wilson, que ocupa o espaço de um ator coadjuvante, se tornando o melhor amigo do protagonista.

Com as técnicas do storytelling, as duas marcas ganharam grande notoriedade na mídia. O resultado dessas duas campanhas foi o aumento significativo da consciência da marca em outros mercados, pois a FedEx já era bem conhecida nos Estados Unidos. A Wilson também teve grande retorno e seus produtos se tornaram uns dos mais procurados no seu nicho de mercado.

O objetivo das marcas é se conectar aos seus consumidores com emoção e relevância por meio de narrativas, fazendo disso uma experiência cativante, divertida e memorável. É preciso envolver o público ao mesmo tempo em que se diferencia da concorrência contando uma história única.

“O homem que andou ao redor do mundo”

Outro case que se tornou referência é o da marca Johnnie Walker que explica o caminho do seu sucesso. A marca sempre explorou o conceito de progresso pessoal e a interação com os consumidores. De uma maneira simples e objetiva, em seu vídeo institucional “O homem que andou ao redor do mundo”, a Johnnie Walker conta a história de sua trajetória. Para isso, utilizou a presença marcante do ator Robert Carlyle, que durante sua caminhada de quase seis minutos, dá um show de sincronismo entre sua fala e os elementos cênicos que encontra ao longo do caminho.

Aqui, os atrativos do storytelling são muito bem utilizadas. A história de percurso favorece a marca a partir do significado do nome Walker. Ao longo da narrativa, o ator encontra desde o túmulo, quando é mencionada a morte do pai de Johnnie até a garrafa do ano de 1860, que é apresentada com todos os detalhes, sendo colocada em um recipiente mais adiante, no momento exato em que a parte do texto acaba. Pode-se dizer que há uma mistura de precisão, criatividade e qualidade execucional que transformou o vídeo em um verdadeiro sucesso.

O principal atrativo dessa narrativa é o encorajamento do público a seguir em frente. Assim, a metáfora da história como caminho se encontra literalmente na marca, pois ela sinaliza o rumo de sua comunicação, explorando as múltiplas alternativas que foram apresentadas ao longo do trajeto.

Transmídia storytelling

De alguma forma, a narrativa transmídia storytelling é um diálogo, que convida o público a participar da história. Grandes histórias podem ser contagiantes e onipresentes, pois todos a conhecem, não importando sua origem.

Dumb ways to die

O case Dumb ways to die é um dos mais premiados da história do Cannes Lions. O objetivo da campanha era convencer o público a agir de forma mais segura próximo aos trens do metrô a fim de evitar acidentes. Para isso, a campanha publicitária saiu do convencional e utilizou técnicas de storytelling, buscando algo que não fosse percebido como publicidade. A narrativa foi baseada em imagens criativas com um visual atraente. Além disso, a campanha contou com uma música que fica “grudada” na cabeça das pessoas, pois possui uma melodia leve e divertida.

Com isso, a estratégia criada pela MCCann Melbourne conseguiu mais de 60 milhões de views no YouTube e mais de três milhões de compartilhamentos no Facebook. Além disso, se tornou o terceiro viral de todos os tempos e o mais baixado no iTunes em 28 países. O objetivo da campanha foi atingida, uma vez que a diminuição de acidentes e mortes nas estações de metrô foi de 21%.

O uso das narrativas para a construção e desenvolvimento das marcas pode resgatar uma grande história, apresentar seu renascimento, provocar audiência para o engajamento de uma causa e gerar empatia com a história de vida do espectador.

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você